Dodge pede que STF suspenda decreto de Bolsonaro sobre órgão antitortura | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Dodge pede que STF suspenda decreto de Bolsonaro sobre órgão antitortura

Procuradora-geral da República diz ser inconstitucional decisão do governo que esvaziou grupo de prevenção e combate à tortura. Medida foi classificada como retrocesso por entidades de direitos humanos.

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge: "Decisão causa lesão à dignidade humana"

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, solicitou nesta quarta-feira (31/07) que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspenda e declare inconstitucional o decreto presidencial que exonerou todos os 11 peritos do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT). O decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) determina também que o grupo passe a ter apenas integrantes não remunerados.

Criado em 2013, o órgão monitora violações de direitos humanos em presídios e outros espaços de privação de liberdade, atuando para prevenir tortura nesses locais.

O MNPCT faz parte do Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura e era composto por 11 peritos independentes que tinham acesso às instalações como presídios, centros de detenção, hospitais psiquiátricos, abrigos de idosos, instituições socioeducativas e centros militares de detenção disciplinar.

Assinado por Bolsonaro e publicado no Diário Oficial da União em 11 de junho, o decreto 9.831/2019 remanejou os 11 cargos – com remuneração mensal média de R$ 10 mil – para o Ministério da Economia. Além disso, o texto prevê que a função de perito seja de "prestação de serviço público relevante, não remunerada", ou seja, passará a ser exercida por voluntários nomeados pelo próprio governo.

Entidades de direitos humanos descreveram a medida como um "retrocesso" e denunciaram o governo Bolsonaro à Organização das Nações Unidas (ONU), levando o Subcomitê da ONU para a Prevenção da Tortura a pedir explicações a Brasília.

Segundo a PGR, a medida de Bolsonaro "invade competência legislativa e afronta o princípio da legalidade". Um dos argumentos é de que um "decreto regulamentar não pode alterar estrutura de órgão criado por lei".

Na Ação por Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) protocolada, Dodge argumenta que a decisão "causa lesão aos preceitos fundamentais", como à dignidade humana e aos princípios da vedação à tortura e da legalidade. Ela também acusa haver "caráter regressivo, do ponto de vista institucional", quando o mecanismo "outrora profissional e permanente" é transformado em "trabalho voluntário e precário".

A procuradora-geral frisa que "o MNPCT, desde sua primeira missão, vem identificando práticas de tortura e de tratamento cruel, desumano e degradante em todas as unidades visitadas. Seus relatórios, sempre com metodologia conhecida, são minuciosos na descrição das situações encontradas".

Ela também considera que a manutenção dos cargos dos peritos é essencial, afirmando que o pagamento de honorários "está intrinsecamente relacionado ao desempenho imparcial dessas atribuições, sob pena de esvaziamento e parcialidade da atuação do órgão".

No texto, Dodge usa dados do extinto Ministério de Direitos Humanos, que registram que, entre 2015 e 2019, o MNPCT emitiu 2.077 recomendações em relatórios de visitas feitas a 20 estados, em 169 unidades de privação de liberdade.

MD/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais