Dissidente chinês ganha prêmio de direitos humanos da União Europeia | Notícias internacionais e análises | DW | 24.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Dissidente chinês ganha prêmio de direitos humanos da União Europeia

Condenado em 2014 à prisão perpétua na China por "separatismo", economista Ilham Tohti luta pelos direitos da minoria uigur. Marielle Franco, Raoni e a ambientalista Claudelice Silva estavam entre os finalistas.

Economista chinês Ilham Tohti

Economista Ilham Tohti foi condenado a prisão perpétua na China

O economista chinês Ilham Tohti, conhecido pela luta pelos direitos da minoria uigur na China, é o vencedor do prêmio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, anunciou nesta quinta-feira (24/10) o Parlamento Europeu.

O intelectual foi condenado em 2014 pela Justiça chinesa à prisão perpétua por "separatismo", num processo que provocou uma onda de protestos de governos estrangeiros e organizações de defesa dos direitos humanos.

"Tohti se empenhou muito para melhorar a compressão pelos uigures na China. O Parlamento Europeu expressa todo seu apoio ao seu trabalho e pede que ele seja imediatamente libertado pelas autoridades chinesas", declarou o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, ao anunciar o vencedor.

Durante mais de duas décadas, o intelectual trabalhou para promover o diálogo e a compreensão entre uigures e chineses, tendo criado o Uyghur Online, um site na internet que discute questões relativas a essa minoria. Na plataforma, ele criticava regularmente a exclusão da população uigur chinesa do desenvolvimento do país e buscava uma maior sensibilização para o estatuto e o tratamento da comunidade uigur na sociedade chinesa. 

Por estas ações, Tohti foi declarado um "separatista" pelo Estado chinês e, subsequentemente, condenado a uma pena de prisão perpétua. Desde 2017, a China prendeu mais de um milhão de uigures em campos. Essas detenções e de outras minorias são alvos de críticas internacionais.

A cerimônia de entrega do prêmio Sakharov está agendada para 18 de dezembro, em Estrasburgo. "O prêmio não só reconhece o que meu pai fez, mas também reconhece o sofrimento pelo qual os uigures têm passado", disse Jewher Ilham, filha de Ilham Tohti, em entrevista à DW.

Entre os finalistas deste ano estavam também três ativistas brasileiros: a vereadora do Psol Marielle Franco, assassinada em março do ano passado e nomeada postumamente, a ambientalista Claudelice Silva dos Santos e o líder indígena Raoni Metuktire.

Todos os anos, desde 1988, o Parlamento Europeu atribui o prêmio Sakharov, no valor de 50 mil euros e batizado em homenagem ao dissidente soviético Andrei Sakharov, a personalidades ou organizações que se destacam na defesa dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. No ano passado, o vencedor foi o cineasta ucraniano Oleg Sentsov, condenado a 20 anos de prisão por um tribunal russo, por supostas atividades terroristas na Península da Crimeia, e libertado no mês passado após cumprir cinco anos de pena.

MD/epd/lusa/ap/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTubeApp | Instagram | Newsletter

Leia mais