Digna de museu? Língua alemã à mostra | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 18.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Digna de museu? Língua alemã à mostra

O idioma alemão tem 1200 anos de idade. Sua trajetória está sendo apresentada no Museu Histórico Alemão como uma história de sucesso.

default

'Língua massacrada', caricatura de Marie Marcks, 1987

Uma língua para a qual se desenrola o tapete vermelho no início de uma exposição não pode estar indo tão mal assim. Afinal, o idioma já existe há 1200 anos. Há, no entanto, muitos alemães que reclamam da decadência de sua língua e se sentem ameaçados por anglicismos. Ao contrário do francês, o alemão nunca dispôs de um órgão central de controle oficial.

Gigante em relevância e anão quanto ao prestígio

Com 120 milhões de falantes, o alemão é um "gigante em relevância", considera Hans Ottomeyer, diretor geral do Museu Histórico Alemão. Mas como não é muito bem representado, é um "anão quanto ao prestígio".

Então agora se batem tambores por uma língua que, com suas 300 mil palavras, não é nada insignificante. E são aproximadamente mil termos novos acrescidos a cada ano.

Nibelungenlied Sigle b

Preciosidade histórica: a 'Canção dos Nibelungos', do século 15

A exposição no Museu Histórico Alemão, organizada em cooperação com o Instituto Goethe e com a Casa da História, de Bonn, mostra preciosidades para bibliófilos. Um dos objetos expostos é o mais antigo livro alemão, chamado Abrogans – um dicionário do século 8 que servia para a leitura de textos bíblicos. E o primeiro escrito de Martinho Lutero em língua alemã também pode ser contemplado na mostra.

A caminho de uma língua nacional

Ao longo de sua história, o idioma alemão sempre voltou a ser ameaçado por um eventual declínio, como – por exemplo – durante a Guerra dos Trinta Anos. Durante esse período, dominavam elementos linguísticos do francês, espanhol e italiano. Então surgiram sociedades linguísticas e foram lançados panfletos contra as influências estrangeiras.

Aquisição linguística, história do idioma, poética e língua, idioma e técnica, língua viva: essas são as cinco estações temáticas da exposição apresentada em Berlim.

Os visitantes vão de uma estação para a outra, de uma instalação contemporânea para um espaço circular no qual se pode apreciar toda a legendária coleção de bolso da editora Reclam, um marco da história editorial alemã.

Idioma para ouvir

Mas será que dá para fazer uma exposição sobre um idioma? Como tornar visível o que se oculta entre a capa e a contracapa de um livro? Para que a mostra não se transforme numa mera exposição de leitura, a palavra falada – em forma de projeções de vídeo e de gravações – proporciona uma experiência mais sensorial.

A literatura desempenha um papel central. Textos do poeta medieval Walter von der Vogelweide e do clássico Johann Wolfgang von Goethe podem ser ouvidos em guias de áudio, bem como as vozes originais de escritores como o dadaísta Kurt Schwitters ou o Nobel de literatura Thomas Mann. Suas declarações de rádio contra o regime nazista podem ser ouvidas ao lado de um artigo de jornal de fevereiro de 1943 sobre o discurso do ministro da Propaganda Joseph Goebbels a respeito da "guerra total".

Em bom momento

Desde dezembro do ano passado se discutem possibilidades de defender a língua alemã na Lei Fundamental do país. Se os organizadores da mostra tiverem razão, isso é completamente desnecessário. Afinal, eles apresentam a língua alemã de forma altamente viva e diversificada.

Basta ver quantas vezes o idioma alemão já superou possíveis ameaças no labirinto dos tempos para saber que ele continuará resistindo a eventuais hostilidades futuras.

Leia mais

  • Data 18.01.2009
  • Autoria Susanne von Schenck (sm)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente https://p.dw.com/p/GaWb
  • Data 18.01.2009
  • Autoria Susanne von Schenck (sm)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente https://p.dw.com/p/GaWb