Dezenas de mortos em ataques áereos na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Dezenas de mortos em ataques áereos na Síria

Poucas horas após anúncio de acordo de cessar-fogo, bombardeios matam ao menos 90 pessoas em Aleppo e Idlib. Cessação das hostilidades entra em vigor na segunda-feira, data do feriado muçulmano de Eid al-Adha.

default

Resgate de feridos depois de ataques aéreos do governo sírio contra a cidade de Idlib

Poucas horas após o anúncio de um acordo de cessar-fogo intermediado por EUA e Rússia destinado a pôr um fim ao conflito de cinco anos na Síria, novos ataques aéreos mataram ao menos 90 pessoas no país, segundo comunicou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos neste domingo (11/09).

O Exército da Turquia afirmou também que seus caças militares mataram ao menos 20 jihadistas do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) no norte da Síria. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, renovou sua promessa de destruir o EI na Síria e, consequentemente, acabar com a ameaça que os jihaditas representam ao seu país.

O Observatório Sírio para o Direitos Humanos, organização não-governamental com sede no Reino Unido, comunicou que 58 pessoas morreram num ataque aéreo que atingiu o mercado da cidade de Idlib, horas após o anúncio do acordo de cessar-fogo. Também houve bombardeios em outras partes da província de Idlib, e nas imediações da cidade de Yisr al-Shogur, nas áreas de Ain al-Baida e Hambushia, e na cidade de Badama.

Além disso, o Observatório afirmou que outras 32 foram mortas quando aviões de combate bombardearam a província de Aleppo. Estes teriam sido lançados pelo Exército sírio e visaram áreas controladas por rebeldes, numa tentativa de maximizar os ganhos territoriais antes que o cessar-fogo entre em vigor. A cessação dos combates está prevista para o pôr do sol de segunda-feira, para o feriado muçulmano de Eid al-Adha.

O aumento da violência ocorreu pouco depois do anúncio de um acordo de cessar-fogo, negociado entre os EUA e a Rússia, depois de longas conversas em Genebra. Nos termos do acordo, Moscou pressionará o governo sírio para encerrar sua campanha militar contra os rebeldes apoiados pelos EUA. Em troca, os EUA lançarão operações militares conjuntas com a Rússia contra a Frente Fateh al-Sham (ex-Frente Al Nusra) caso o cessar-fogo seja respeitado por um período mínimo de sete dias.

"Isso requer a suspensão de todos os ataques, incluindo bombardeios aéreos, e qualquer tentativa de ganhar territórios adicionais à custa de partes envolvidas na cessação. Requer acesso desimpedido da ajuda humanitária a todas as áreas sitiadas e de difícil alcance, incluindo Aleppo", disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry.

O governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, não fez nenhum comentário oficial sobre o acordo. Em vez disso, a mídia estatal síria publicou que Damasco ofereceu sua aprovação ao acordo, citando fontes privadas.

O conflito sírio eclodiu em 2011, quando as forças do governo lançaram uma violenta repressão contra manifestantes pró-democráticos que pediam a renúncia de Assad. Em cinco anos, mais de 250 mil pessoas foram mortas e mais da metade da população do país está deslocada, segundo dados da ONU.

PV/rtr/ap/dpa/afp

Leia mais