Dezenas de milhares de migrantes processam governo alemão | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Dezenas de milhares de migrantes processam governo alemão

Volume de ações judiciais relacionadas a refúgio no país mais que duplicou em um ano e deve aumentar ainda mais. Muitos dos migrantes são sírios que querem ter direito de trazer seus parentes para a Alemanha.

Cada vez mais refugiados estão entrando com recursos judiciais contra o sistema de refugiados alemão. Somente no estado de Renânia do Norte-Vestfália, o número de processos sobre refúgio mais que duplicou no ano passado, chegando a cerca de 47.300, contra 21.300 em 2015.

Robert Seegmüller, presidente da Associação Alemã de Juízes de Tribunais Administrativos, prevê que o número de processos de refugiados na Alemanha vai pelo menos dobrar novamente em 2017. Seegmüller disse ao jornal Rheinische Post que em 2017 o volume de processos pode ser até três vezes maior que em 2016.

Alguns refugiados estão processando o Departamento de Migração e Refugiados da Alemanha (Bamf), por causa de inação. Eles esperam por até um ano para que o Bamf inicie o processamento de seus pedidos de asilo – e antes que as solicitações sejam acolhidas, os refugiados não são autorizados a procurar trabalho ou até mesmo ter aulas de alemão.

Direito de reunião familiar

Um número crescente de refugiados sírios está processando o Estado,  basicamente, para obter o direito de trazer para a Alemanha membros de suas famílias.

Em março de 2016, o governo alemão aprovou novas normas de refúgio, entre elas uma que concede a muitos refugiados uma proteção subsidiária, em vez de refúgio integral. A chamada proteção subsidiária é concedida àqueles que não podem comprovar que são pessoalmente alvo de perseguição. A Alemanha não enviará sírios de volta ao seu país, devastado pela guerra, mas a Constituição alemã apenas concede direito de refúgio às pessoas que são perseguidas politicamente. Ela não se aplica a pessoas que fogem de situações genéricas, como uma guerra civil.

Bernd Mesovic

Bernd Mesovic, da ProAsyl: "Na situação deles, faríamos exatamente o mesmo"

Anteriormente, refugiados sírios recebiam tratamento especial e conseguiam normalmente receber asilo. Mas isso mudou com a nova lei introduzida no ano passado. Agora, muitos recebem estatuto de proteção subsidiária, em vez de refúgio, o que significa que eles só tem um ano de visto, ao final do qual têm que pedir uma renovação. Já o estatuto de refugiado tem a validade de três anos. A outra diferença principal é que com a proteção subsidiária, os refugiados têm de esperar dois anos até serem autorizados a trazer seus familiares para a Alemanha.

Enxurrada de processos

Bernd Mesovic – vice-diretor da ONG Pro Asy que luta pelos direitos dos refugiados – afirma que sua instituição avisou que o governo enfrentaria uma enxurrada de ações judiciais. "Essas pessoas estão tentando se reunir com suas famílias", frisa Mesovic. "Se estivéssemos na situação delas, faríamos exatamente o mesmo."

Até dezembro de 2016, cerca de 36 mil pessoas recorreram à Justiça na esperança de transformar seu estatuto de proteção subsidiária em refúgio de pleno direito.

Nos três primeiros trimestres de 2016, a Alemanha deu 50 mil vistos a pessoas que queriam se unir a seus parentes não alemães na Alemanha. Em 2015, esse foi o número para todo o ano. 

"A espera é cansativa", diz Mesovic. "E não são apenas dois anos. Após o período de espera, os familiares no exterior têm que se candidatar a um visto para a Alemanha. E mesmo conseguir marcar uma hora para ser recebido em uma embaixada alemã em um dos países vizinhos da Síria leva uma eternidade."

O crescente número de processos é um problema também para os tribunais. "Em alguns estados, a situação é dramática", diz Seegmüller. Ele acredita que os tribunais não têm pessoal suficiente para lidar com o aumento do volume de processos. Mas embora o governo alemão tenha aprovado a nova lei de proteção subsidiária, que é parcialmente responsável pela onda de processos, ele não é responsável por empregar mais juízes, e sim os estados alemães.

"O governo alemão nos levou a esta situação", afirma Mesovic. "Mas são os estados que têm que pagar por isso."

Leia mais