1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Desmond Tutu
Desmond Tutu fez parte de uma geração que conquistou o fim do apartheid na África do SulFoto: Rodger Bosch/AFP/Getty Images
SociedadeÁfrica do Sul

Desmond Tutu, arcebispo da África do Sul, morre aos 90

26 de dezembro de 2021

Tutu foi um aliado essencial de Mandela na luta contra o apartheid e presidiu a Comissão de Verdade e Reconciliação na era pós-apartheid. Fundação Nelson Mandela disse que Tutu "era um ser humano extraordinário".

https://www.dw.com/pt-br/desmond-tutu-arcebispo-da-%C3%A1frica-do-sul-morre-aos-90/a-60258925?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

O vencedor do Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu morreu na Cidade do Cabo aos 90 anos, anunciou neste domingo (26/12) o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Ao lado de Nelson Mandela, Tutu foi uma das vozes mais importantes contra o antigo regime da minoria branca conhecido como apartheid. O clérigo anglicano também chefiou a Comissão de Verdade e Reconciliação do país na era pós-apartheid. Ele era visto por muitos como a consciência de uma nação conturbada.

"Desmond Tutu era um patriota sem paralelo; um líder de princípios e pragmatismo", disse Ramaphosa em um comunicado.

A Fundação Nelson Mandela disse em um comunicado: "Suas contribuições para a luta contra a injustiça, local e globalmente, estão no mesmo nível da profundidade de seu pensamento sobre a construção de futuros libertadores para as sociedades humanas. Ele era um ser humano extraordinário."

Tutu "morreu pacificamente no Oasis Frail Care Center na Cidade do Cabo nesta manhã", disse Ramphela Mamphele, presidente interina de uma fundação dedicada a arquivar os documentos de Tutu e coordenadora do seu escritório. O comunicado, emitido em nome da família de Tutu, não forneceu detalhes sobre a causa da morte.

Tutu entrega pilha de documentos a Nelson Mandela.
Tutu chefiou a Comissão de Verdade e Reconciliação da África do Sul na era pós-apartheidFoto: Walter Dhladhla/dpa/picture alliance

Eleições como "apaixonar-se"

Tutu ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1984 por seus esforços para liderar a luta não-violenta contra o apartheid.

Enquanto outros líderes, como Mandela, foram encarcerados, Tutu viajou e discursou amplamente, usando seu cargo importante na Igreja Anglicana e a estima que o Prêmio Nobel da Paz trouxe para promover sua mensagem anti-apartheid em todo o mundo e valorizar as histórias e vidas dos sul-africanos negros.

Depois da libertação de Mandela da prisão, após 27 anos detido, Tutu o conduziu a uma varanda na prefeitura da Cidade do Cabo, onde Mandela proferiu seu primeiro discurso público.

Tutu comparou a votação nas primeiras eleições democráticas do país em 1994 a "apaixonar-se". Quando Mandela tomou posse como o primeiro presidente negro do país, Tutu estava ao seu lado.

A vida do arcebispo foi uma prova da esperança e da força que ele colocou na reconciliação da nação dividida, disse Ramaphosa. 

Sonho de uma "nação arco-íris"

Enquanto Tutu pregava contra a tirania do apartheid, ele continuava a ser igualmente crítico em relação às elites políticas negras.

Ele até criticou publicamente seu aliado Mandela sobre o que o clérigo descreve como uma "mentalidade de trem da alegria" do partido de Mandela, o Congresso Nacional Africano. Mais tarde, Tutu também condenaria Mandela por seu caso com Graca Machel, com quem Mandela depois se casaria. 

Em 2013, Tutu retirou seu apoio ao partido de Mandela, descrevendo a África do Sul como "a sociedade mais desigual do mundo". Em seus últimos anos, o arcebispo falou com pesar que o sonho de uma verdadeira "nação arco-íris" ainda não havia sido realizado.

bl (AFP, dpa, Reuters)