Deputados belgas aprovam proibição de véu islâmico | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.04.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Deputados belgas aprovam proibição de véu islâmico

Parlamento belga aprovou lei que proíbe a mulheres portarem véu islâmico de corpo inteiro em público. Caso o Senado aprove projeto, a Bélgica será primeiro país da União Europeia a proibir essa peça de vestuário.

default

Políticos belgas querem proibir rostos cobertos

Para alguns, o véu islâmico de corpo inteiro é sinal de exercício religioso, para outros, é um problema de segurança. Com a aprovação na quinta-feira (29/04) do projeto de lei que proíbe o uso desse tipo de peça de vestuário em público, a Bélgica é o primeiro país europeu a tomar uma posição clara sobre o tema.

O texto descreve o tipo de vestimenta, sem mencionar explicitamente a burca – véu de corpo inteiro com apenas uma rede diante dos olhos – ou o niqab – vestido com uma pequena abertura para os olhos. Entretanto, esses trajes ficam proibidos, especialmente para as mulheres muçulmanas.

Prisão móvel

O projeto de lei foi apresentado pelos liberais francófonos do partido MR e apoiado por uma ampla coalizão. "Não podemos aceitar que alguns se achem no direito de observar os outros sem serem, eles mesmos, vistos", justificou o deputado Daniel Bacquelaine.

A dignidade das mulheres foi um dos principais argumentos no debate parlamentar. "A burca é uma prisão móvel", comparou o liberal flamengo Bart Somers. Georges Dallemagne, do partido francófono moderado CDH, ressaltou que vestuários como niqab ou a burca muitas vezes apenas representam "o ataque mais visível aos direitos das mulheres".

"Esperamos sermos seguidos pela França, Suíça, Itália, Holanda, países que ainda discutem o problema", disse o liberal francófono Denis Ducarme. Na Bélgica, no entanto, a burca é uma questão secundária e não deve ser equiparada à fé muçulmana. Estima-se que apenas algumas dezenas de mulheres usem a burca na Bélgica, o que faz da lei antes um gesto político.

Clara maioria

A câmara baixa do parlamento belga aprovou a lei na quinta-feira por esmagadora maioria. Apenas dois dos 138 deputados se abstiveram. O texto proíbe "o uso de qualquer peça de vestuário que esconda o rosto inteiramente ou principalmente". Ficam excetuadas fantasias de Carnaval e capacetes. A burca e o niqab não são mencionados explicitamente. Véus islâmicos cobrindo apenas o cabelo não estão incluídos na proibição.

Evitando uma abordagem religiosa, a lei proíbe o uso de roupas que impossibilitem a identificação da pessoa em espaços públicos como escolas, hospitais, ônibus ou trens, sujeitando quem a infringir a punições que vão desde uma multa a partir de 25 euros até pena de prisão de sete dias. Antes que a proibição entre em vigor, precisa ser aprovada pelo Senado.

Burka in Belgien Flash-Galerie

Niqab é raro na Bélgica, o que faz da lei sobretudo um gesto político

Crítica de ativistas dos direitos humanos

Ativistas de direitos humanos manifestaram preocupação. A proibição generalizada infringiria "o direito à liberdade de expressão e à prática religiosa de mulheres" que usam a burca voluntariamente, declarou a Anistia Internacional. No país vivem 500 mil muçulmanas, porém, embora não existam estatísticas sobre portadoras de burca na Bélgica, sabe-se que o véu de corpo inteiro é extremamente raro.

Já uma proibição regional da burca existe na Bélgica há algum tempo. Desde novembro de 2004, a polícia da Antuérpia chama a atenção de mulheres vestidas com o véu islâmico e pode também proibir o traje, de acordo com a lei regional.

MD/rtr/ap/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais