Democrata entra com pedido de impeachment contra Trump | Notícias internacionais e análises | DW | 17.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Democrata entra com pedido de impeachment contra Trump

Após moção de repúdio do Congresso a comentários do presidente considerados racistas, congressista tenta capitalizar sentimento de revolta e forçar votação na Câmara dos Representantes para remover líder da Casa Branca.

Donald Trump

Trump é alvo de pedido de impeachment após de moção de repúdio no Congresso

O congressista do Texas Al Green, do Partido Democrata, protocolou nesta terça-feira (16/07) na Câmara dos Representantes dos EUA um pedido para o impeachment do presidente americano, Donald Trump. A medida poderá forçar que uma votação sobre a remoção de Trump do cargo ocorra ainda nesta semana.

Sondagens entre os deputados democratas sugerem que a maioria deles se opõe a um processo de impeachment. Green, porém, parece querer capitalizar o sentimento de revolta em relação a tuítes presidenciais dos últimos dias, através dos quais Trump lançou ataques amplamente condenados como racistas contra um grupo de congressistas democratas.

Green introduziu a medida pouco depois de a Câmara aprovar uma moção de repúdio a Trump, condenando "energicamente os comentários racistas do presidente Donald Trump, que tem legitimado e incrementado o medo e o ódio contra novos americanos e contra as pessoas de cor", segundo o texto dos congressistas.

O alvo de Trump no último domingo havia sido um grupo de quatro democratas, cujas origens remetem a nações cujos governos, segundo afirmou, seriam "os piores, os mais corruptos e ineptos em qualquer parte do mundo". Ele disse que elas deveriam voltar a esses países.

"Por que elas não voltam e ajudam a consertar esses lugares totalmente quebrados e infestados de crime de onde vieram? Depois, retornem e nos digam como deve ser feito. Esses lugares precisam muito da ajuda de vocês", escreveu Trump.

O presidente acrescentou que a líder democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, "ficaria contente em providenciar rapidamente viagens gratuitas" para as congressistas.

Trump se referiu a "congressistas democratas progressistas", em aparente referência ao grupo bastante ativo de congressistas jovens estreantes na atual legislatura da Câmara dos Representantes, composto por Alexandria Ocasio-Cortez, eleita por Nova York, Ilhan Omar, de Minnesota, Rashida Tlaib, do Michigan, e Ayanna Pressley, de Massachusetts.

Na votação da moção de repúdio a Trump, quatro republicanos se juntaram aos 235 deputados democratas para aprovar a medida. Um independente também votou a favor. A aprovação da condenação era esperada, já que os democratas têm a maioria na Câmara.

O voto tem apenas valor simbólico. É improvável que uma medida similar venha a ser aprovada no Senado, onde os republicanos detêm a maioria.

Mais cedo, Trump afirmara que não considera que seus tuítes feitos no domingo tenham sido racistas . "Esses tuítes NÃO foram racistas. Eu não tenho um só osso racista no meu corpo!", escreveu.

O presidente também criticou a iniciativa democrata de propor a moção de repúdio. "O que eles chamaram de votação é uma farsa. Os republicanos não devem mostrar 'fraqueza' ou cair em sua armadilha", escreveu.

Ao propor o impeachment do presidente, Green afirmou que é necessário dar um basta nas atitudes de Trump, que considera uma pessoa incapaz de exercer o cargo mais alto do país.

"Donald John Trump, através de suas declarações, levou o alto cargo do presidente dos Estados Unidos a ser desprezado, ridicularizado e desonrado, semeou discórdia entre o povo dos Estados Unidos, demonstrou que é inapto para ser presidente e traiu sua confiança como presidente dos Estados Unidos para a lesão manifesta do povo dos Estados Unidos", diz trecho da resolução que Green leu no plenário da Câmara, citado pelo jornal Washington Post.

Todos os membros do Congresso têm o direito de lançar uma votação pelo impeachment presidencial.  O democrata do Texas já o fez duas vezes, sem sucesso.

RC/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais