Deltan evitou evento ao saber da presença de Bolsonaro, apontam mensagens | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Deltan evitou evento ao saber da presença de Bolsonaro, apontam mensagens

Coordenador da Lava Jato pediu que colega o representasse em cerimônia de premiação que teria presença do então deputado e hoje presidente e de "outros radicais de direita", segundo conversas obtidas pelo Intercept.

Deltan Dallagnol

Coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol

O coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, cancelou seu comparecimento a uma cerimônia onde receberia um prêmio, após saber que o evento teria a participação do então deputado e hoje presidente Jair Bolsonaro, segundo mensagens atribuídas a integrantes da força-tarefa e publicadas nesta quarta-feira (14/08) pelo portal UOL, após análise em parceria com o The Intercept Brasil.

De acordo com a reportagem, após ser alertado por um assessor em mensagens pelo aplicativo Telegram, Deltan avisou a seus colegas, através do grupo Filhos de Januário 1, que não iria a uma cerimônia onde receberia um troféu em São Paulo, por ela contar "com Jair Bolsonaro como um dos vários palestrantes e com homenagem a um vereador de SP [Fernando Holiday, do DEM-SP] que foi um dos líderes do impeachment".

A intenção era evitar que a Lava Jato fosse associada a "bandeiras ideológicas e político-partidárias", de acordo com nota enviada pela Lava Jato ao UOL.

Em dezembro do mesmo ano, no mesmo grupo Filhos de Januário 1, Deltan explica a outros procuradores da Lava Jato o motivo de seu cancelamento, ao comentar a aparência do troféu, recebido pelo promotor Roberto Livianu.

"Prêmio bonitão heim??? Esse é aquele em que ele [Livianu] nos representou quando cancelei a ida a SP porque é um instituto liberal e estariam lá Bolsonaro e outros radicais de direita."

Na nota ao UOL, o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná diz que reconhece a legitimidade de correntes políticas "que respeitem a Constituição e a democracia". O MPF acrescentou que a equipe de procuradores "não reconhece o material, oriundo de crime cibernético, sujeito a alterações e descontextualizações diversas".

O prêmio em questão foi o Liberdade 2016, concedido no evento anual Fórum Liberdade e Democracia, criado pelo Instituto de Formação de Líderes de São Paulo e realizado em 22 de outubro daquele ano no Transamérica Expo Center.

Desde em 9 de junho, o Intercept e outros veículos parceiros estão divulgando reportagens que colocam em questão a imparcialidade da Lava Jato, a maior operação contra a corrupção no país.

O escândalo envolve o ex-juiz da Lava Jato e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, além de membros da força-tarefa. As apurações apontam que Moro teria orientado procuradores da operação, indicado linhas de investigação e adiantado decisões enquanto era juiz responsável por analisar os processos do caso em primeira instância.

A Constituição determina que não haja vínculos entre juiz e as partes em um processo judicial. Para que haja isenção, o juiz e a parte acusadora – neste caso, o Ministério Público – não devem trocar informações nem atuar fora de audiências. Se confirmadas, as denúncias indicam uma atuação ilegal do antigo magistrado e dos procuradores.

MD/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

 

Leia mais