Debate sobre possíveis coalizões marca fim da campanha eleitoral alemã | Todas as informações sobre as eleições na Alemanha em 2017 | DW | 25.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Debate sobre possíveis coalizões marca fim da campanha eleitoral alemã

Especulações sobre possíveis coalizões marcam o fim de uma campanha eleitoral morna na Alemanha. Merkel é favorita à reeleição, mas prefere liberais como parceiros de eventual coalizão de governo.

default

Quem coliga com quem?

Segundo as más línguas, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, preferia ter reiniciado sem muito alarde um segundo mandato, após as eleições deste domingo (27/09) na Alemanha.

Isso foi demonstrado por sua atitude conciliadora nos últimos meses e pela ausência de temas polêmicos nesta campanha eleitoral. Além do mais, não é fácil se distinguir de seu adversário político, no caso os social-democratas, quando se governa com ele dentro de uma mesma coalizão.

Angela Merkel Frank-Walter Steinmeier TV Duell Fernsehduell Flash-Galerie

Merkel e Steinmeier no debate televisivo

No debate entre Merkel e o candidato social-democrata à Chancelaria Federal, Frank-Walter Steinmeier, no dia 13 de setembro, ambos pareciam "velhos amigos". Em sua tentativa de sobressair-se, Merkel, favorita à reeleição, salientou: "Antes de tudo, deve-se dizer que a coalizão realmente fez um bom trabalho – sob minha liderança".

Crise financeira foi o principal desafio da atual coalizão

O principal desafio da coalizão alemã de governo foi o combate à crise econômica, com medidas que incluíram desde o pacote conjuntural até a estatização do banco hipotecário Hypo Real Estate. O desafiante Frank-Walter Steinmeier atribui isso à competência do Partido Social Democrata (PSD) na gestão de crises.

Segundo Steinmeier, a maioria das sugestões de combate à crise apresentadas nos últimos meses veio da social-democracia, de ministros como Peer Steinbrück (Finanças), Olaf Scholz (Trabalho e Assuntos Sociais), e por ele próprio. Independentemente dos êxitos do atual governo, uma nova coligação entre os dois principais partidos alemães seria, para os envolvidos, apenas uma solução emergencial.

Tradicionalmente, o parceiro preferido dos conservadores da União Social-Cristã (CSU) e da União Democrata Cristã (CDU) é o Partido Liberal Democrata (FDP). No último final de semana, também os liberais se colocaram à disposição para uma coalizão com os conservadores. Esta aliança já havia possibilitado que Helmut Kohl se mantivesse no poder durante 16 anos, de 1982 a 1998.

Liberais cresceram na preferência do eleitorado

Como partido da classe média, mas que também exige a proteção dos direitos dos cidadãos e não usa apenas a política econômica liberal como slogan, o partido está crescendo na preferência do eleitorado. Pesquisas de opinião projetam para o FDP um resultado superior a 10% dos votos. Na última eleição, em 2005, receberam 9,8% dos votos.

Guido Westerwelle während einer Wahlkampfveranstaltung in Magdeburg

Guido Westerwelle

Guido Westerwelle, presidente dos liberais, é responsável por esse êxito. Ele polemizou durante a campanha eleitoral com slogans contra seus adversários políticos. Um dos temas foi a recompensa estatal por automóveis entregues para sucateamento. Segundo ele, teria sido a única medida positiva da atual administração federal.

Teoricamente, também seria possível compor uma coalizão com três partidos, entre liberais, conservadores e verdes. Mas, no momento, nem liberais nem verdes querem essa aliança. Uma importante razão para isso são as divergências em relação à energia nuclear.

Jürgen Trittin, um dos dois presidentes do Partido Verde, foi ministro do Meio Ambiente sob o governo Gerhard Schröder, que se decidiu pela eliminação gradual da energia nuclear na Alemanha. O afrouxamento dessa renúncia à energia atômica é categoricamente rejeitada pelos verdes.

Em sua campanha, Trittin apostou no perfil ambientalista do partido: "Só o verde é saída para a crise! Mas é preciso ter noção de política econômica ecológica. E neste ponto os outros partidos ainda não amadureceram".

Também sua correligionária Renate Künast, igualmente membro da presidência do Partido Verde, acha que a atual coalizão de governo só perdeu chances de resolver os problemas do país.

Coligação SPD e A Esquerda apenas em nível estadual

O partido A Esquerda conquistou seu espaço no espectro político alemão de esquerda e concorre – com sucesso – com o SPD. Há dez anos, em protesto à política social do então chanceler federal Gerhard Schröder, o atual presidente da Esquerda, Oskar Lafontaine, renunciou aos postos de presidente do SPD e ministro das Finanças. Muitos social-democratas ainda consideram isso uma traição e por esse motivo rejeitam uma coalizão com a Esquerda, ao menos em nível federal.

Mas também a Esquerda, que se opõe à participação alemã em operações militares no Afeganistão, não vê possibilidades – ainda – de trabalho conjunto, ressaltou Lafontaine. Para ele, enquanto o SPD mantiver sua posição em relação ao Estado social e à guerra, "não é possível nenhuma cooperação".

Já em nível estadual, a coalizão entre SPD e a Esquerda há muito tempo deixou de ser tabu.

Autor: Daphne Grathwohl (rw)

Revisão: Simone Lopes

Leia mais