De olho na Eurocopa 2021, seleção alemã em fase de construção | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 01.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Halbzeit

De olho na Eurocopa 2021, seleção alemã em fase de construção

Após mais de nove meses sem jogar, a "Mannschaft" voltará aos gramados. Depois do triunfo do Bayern de Hansi Flick na Champions, Joachim Löw é a bola da vez. Expectativa é que modelo bávaro possa reverberar na seleção.

Joachim Löw

Em maratona de jogos até dezembro, Joachim Löw pretende construir uma base sólida para a Eurocopa de 2021

Já faz mais de nove meses que a Alemanha não entra em campo, seja para um amistoso ou para disputar uma partida oficial. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, a seleção alemã nunca havia ficado tanto tempo sem jogar. A última vez foi em novembro do ano passado, quando os comandados de Joachim Löw derrotaram a desmotivada Irlanda do Norte por 6 x 1 e ficaram em primeiro lugar no Grupo C das eliminatórias para a Eurocopa 2021.

Se 2018 foi um ano que, por motivos óbvios, os torcedores alemães preferem esquecer, em 2019 a Mannschaft até que deu conta do recado. Disputou dez jogos, dos quais venceu sete, empatou dois e perdeu apenas um, justamente contra a Holanda, sua arquirrival.

Apesar dos números positivos, é necessário dizer que o time jogou bem em apenas dois desses dez confrontos do ano passado. Foi nas goleadas sobre a Estônia e a já citada Irlanda do Norte. De resto, o que se viu, na maioria das vezes, foram apresentações medíocres, caracterizadas por inexplicáveis quedas de produção no decorrer de uma mesma partida.

Agora, o hotel escolhido para a concentração do time em Stuttgart, cidade do confronto contra a Espanha pela Liga das Nações na próxima quinta-feira, não poderia ser mais idílico. Situado nas imediações de uma floresta, o Waldhotel convida seus hóspedes "a dormir de janela aberta e ser acordado pelo doce canto dos passarinhos".

Enquanto estou escrevendo esta coluna, os convocados por Löw já chegaram ao hotel, se submeteram ao teste preventivo do coronavírus, e o resultado deu negativo para todos. A primeira sessão de treinamentos leves decorreu sem problemas. O programa prevê para os próximos dias um isolamento quase total. Não haverá selfies nem autógrafos com torcedores, os treinos serão a portões fechados para o público, e as coletivas de imprensa se submeterão ao ritual tecnológico das videoconferências. Na medida do possível, não haverá nenhum contato com o mundo externo.

Isto posto, é importante ressaltar que Löw abriu mão de convocar quatro profissionais do Bayern (Neuer, Kimmich, Goretzka e Gnabry) e dois do Leipzig (Klostermann e Halstenberg) já que esses jogadores estavam atuando por seus clubes até outro dia na Champions League. Mesmo assim, o clube bávaro marca presença com o zagueiro Süle e o recém-contratado atacante Sané, ambos recuperados de graves contusões.

A ausência de jogadores considerados titulares dará a oportunidade a outros de provar que são competentes e fazem jus a uma vaga permanente no elenco da Mannschaft. É o caso de três atletas chamados pela primeira vez. Trata-se do lateral esquerdo Robin Gosens (Atalanta), do meio-campista Florian Neuhaus (Borussia M'Gladbach) e do goleiro Oliver Baumann (Hoffenheim).  

Gosens, de 26 anos, está desde 2017 no Atalanta e fez uma excelente temporada. Como lateral esquerdo marcou nove gols e deu oito assistências. Vai ser interessante vê-lo na seleção, que está órfã há algum tempo no setor defensivo canhoto.

Neuhaus, de apenas 23 anos, é um meio-campista de técnica refinada e boa percepção do jogo. Tem intimidade com a bola e atua na faixa central do campo. Carece algumas vezes de mais determinação nas bolas divididas e nos duelos mano a mano, algo que pode ser facilmente corrigido com algum ganho de massa muscular.  

Finalmente chegou a vez do goleiro Oliver Baumanm, de 30 anos, do Hoffenheim, de mostrar suas qualidades na seleção. É sabido até pelos que não acompanham o dia a dia do futebol alemão, que Manuel Neuer e Marc-André ter Stegen são de longe os dois melhores goleiros alemães. Resta apenas uma vaga de terceiro goleiro, e Baumann pretende aproveitar a chance que lhe foi oferecida para provar que é o homem certo na disputa com Bernd Leno e Kevin Trapp.

Além dos jogos com a Espanha e a Suíça nesta semana pela Liga das Nações, a Alemanha cumprirá mais seis partidas internacionais até meados de novembro. Será uma maratona na qual Löw pretende construir uma base sólida para a Eurocopa, cuja realização está prevista para junho de 2021.

Hansi Flick, técnico do Bayern, fez uma declaração surpreendentemente nada modesta para quem o conhece: "Não quero agora exercer nenhuma pressão sobre Löw, mas nós [do Bayern, subentende-se] construímos uma boa base para a Eurocopa do ano que vem. Os jogadores alemães do meu time mostraram do que são capazes." A tríplice coroa conquistada pelo time de Flick aumenta e muito a pressão sobre Löw.

A pressão sobre o técnico a partir de agora não se deve à frase do treinador do Bayern. Se deve, isso sim, à maneira como o Bayern jogou e com qual formação entrou em campo. Foi uma demonstração clara do poderio implacável de um conjunto azeitado e engrenado. A expectativa agora é que o modelo construído em poucos meses no clube bávaro possa reverberar também na Mannschaft.

--  

Gerd Wenzel começou no jornalismo esportivo em 1991 na TV Cultura de São Paulo, quando pela primeira vez foi exibida a Bundesliga no Brasil. Desde 2002, atua nos canais ESPN como especialista em futebol alemão. Semanalmente, às quintas, produz o Podcast "Bundesliga no Ar". A coluna Halbzeit sai às terças. Siga-o no TwitterFacebook e no site Bundesliga.com.br

Leia mais