Davi Kopenawa divide Nobel Alternativo com Greta Thunberg | Notícias internacionais e análises | DW | 25.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Davi Kopenawa divide Nobel Alternativo com Greta Thunberg

Brasileiro ameaçado de morte é homenageado por sua luta contra o desmatamento da Amazônia e a pela proteção de povos indígenas. Além da ambientalista sueca, ativistas de Marrocos e China estão entre os ganhadores.

Davi Kopenawa

Davi Kopenawa ganha o Right Livelihood Award juntamente com sua ONG Hutukara Associação Yanomami

O indígena Davi Kopenawa está entre quatro ativistas internacionais ganhadores do Right Livelihood Award de 2019, também conhecido como o "Prêmio Nobel Alternativo". O brasileiro é homenageado juntamente com a ambientalista sueca Greta Thunberg, ícone da luta contra as mudanças climáticas; a ativista marroquina Aminatou Haidar; e a advogada chinesa Guo Jianmei.

A Fundação Right Livelihood anunciou nesta quarta-feira (25/09) em Estocolmo que Kopenawa recebe o prêmio "pela corajosa determinação dele em proteger as florestas e a biodiversidade da Amazônia, e as terras e a cultura de seus povos indígenas", juntamente com a Hutukara Associação Yanomami, entidade fundada e presidida por ele em Roraima.

A fundação Right Livelihood afirma que as florestas tropicais da Amazônia estão sob a ameaça da exploração ilegal de madeira e incêndios florestais, assim como das políticas incentivadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Kopenawa disse que o prêmio chega em momento oportuno: "Demonstra confiança em mim e na Hutukara, e em todos aqueles que defendem a floresta e o planeta Terra. O prêmio me dá a força para continuar a luta para defender a alma da Floresta Amazônica", destacou.

Ele e seu filho Dário Vitório Kopenawa Yanomami são ameaçados de morte desde que voltaram a denunciar o garimpo ilegal nas terras indígenas da tribo Yanomami. "Se vocês continuarem denunciando, a gente vai matar você", disse Dário, citando o tom das ameaças anônimas que recebe, em entrevista à DW Brasil.

No fim de julho, os nativos denunciaram que as invasões dispararam no primeiro semestre deste ano: até 20 mil garimpeiros estariam no território indígena em busca de ouro, desmatando a floresta e contaminando o solo e a água da região com mercúrio.

Greta Thunberg, Guo Huanmei, Davi Kopenawa e Aminatou Haidar, em fotomontagem

Thunberg, Guo Huanmei, Kopenawa e Aminatou Haidar: "Visionários por justiça, autodeterminação e um futuro melhor"

"Visionários práticos"

A adolescente Greta Thunberg recebe a homenagem "por inspirar e amplificar demandas políticas por ação climática urgente refletindo fatos científicos".

"Thunberg é uma voz poderosa de uma geração jovem que terá de suportar as consequências do fracasso político atual em se deter as mudanças climáticas", observou o diretor da Fundação Right Livelihood, Ole von Uexküll.

Aminatou Haidar é a primeira laureada do Saara Ocidental, disputado território reivindicado pelo Marrocos desde 1975. Há mais de 30 anos Haidar faz campanha pacífica pela independência da região. O júri citou "sua iniciativa firme e não violenta, apesar de prisão e tortura, em busca da justiça e da autodeterminação para o povo do Saara Ocidental".

Guo Jianmei, advogada chinesa, recebe o prêmio por "seu pioneirismo e trabalho persistente para garantir os direitos das mulheres na China". Ela ajudou milhares de mulheres e outros desfavorecidos a terem acesso à justiça em seu país.

Os quatro vencedores receberão, cada um, 1 milhão de coroas suecas (cerca de 430 mil reais). Eles têm em comum a luta desenvolvida pela justiça, autodeterminação e um futuro melhor: "Honramos quatro visionários práticos cujos esforços permitem que milhões defendam seus direitos fundamentais e lutem por um futuro habitável neste planeta", afirmou o júri internacional que escolheu os vencedores.

Criado há 40 anos, o Nobel Alternativo já foi entregue a 174 indivíduos e entidades de 70 países.

MD/afp/rtr/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais