Cristóvão Colombo foi herói ou genocida? | Notícias internacionais e análises | DW | 14.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

História

Cristóvão Colombo foi herói ou genocida?

Retirada de estátua do navegador de um parque de Los Angeles reacende debate sobre papel do conquistador. Associado à exploração da população nativa das Américas, ele é visto como herói nacional na Espanha.

Cristóvão Colombo

O navegador Cristóvão Colombo chegou à América em 12 de outubro de 1492, liderando uma frota sob ordens da Espanha

A ideia de que eventos supostamente heroicos da história podem ser vistos de uma perspectiva diferente, ou seja, do lado do oprimido, não é nova. Há opiniões divergentes particularmente em relação à figura de Cristóvão Colombo, especialmente nas regiões de língua espanhola em ambos os lados do Atlântico e também nos Estados Unidos.

O motivo da nova controvérsia é a decisão do Conselho Municipal de Los Angeles de remover uma estátua de Cristóvão Colombo de um parque. Mais de cem curiosos e descendentes de povos indígenas aplaudiram a ação de retirada no último fim de semana, documentando-a em seus smartphones.

Segundo o Conselho Municipal, o navegador de Gênova está associado demais à escravidão e à brutalidade para que seja homenageado com um monumento.

A onda de indignação não demorou a chegar e persistiu até mesmo dias depois. Na terça-feira (13/11), o presidente boliviano, Evo Morales, congratulou pelo Twitter o Conselho Municipal de Los Angeles: "Concordamos que o chamado descobrimento foi o maior genocídio e um roubo dos nossos recursos naturais."

Protestos vindos da Espanha

Como esperado, a Espanha reagiu com irritação ao desmonte de um de seus maiores heróis nacionais. No diário El País, um artigo sobre o assunto foi manchete.

A fundação da cidade de Los Angeles e seu nome tiveram origem espanhola, escreveu o jornal. A cidade foi fundada em 1781 por um andaluz, ou seja, 275 anos após a morte do descobridor. Em seguida, o El País apresenta uma série opiniões principalmente de professores espanhóis para relativizar a imagem do Colombo genocida e brutal.

No contexto das festividades em torno do dia da descoberta da América, em 12 de outubro, Luis Javier Argüello García, bispo auxiliar de Valladolid, na Espanha, afirmou que esse acontecimento não teve nada a ver com um presumido genocídio.

Para Argüello, tratou-se antes de "conhecer-se mutuamente" e de "um encontro das culturas". Ele afirmou que a contratante dessa jornada, a rainha espanhola Isabel, tinha em mente motivos absolutamente íntegros e caritativos quando enviou Colombo em direção ao Leste.

Declarações como essa deixaram muitas pessoas pasmas mesmo na Espanha. Mas o clero espanhol vem tentando impor há mais de 60 anos junto ao Vaticano a canonização de Isabel, a "católica". A encomenda de um genocídio não se encaixa bem na biografia dela.

Interpretação dos fatos

"Onde quer que estátuas sejam erguidas ou feriados nacionais sejam estipulados, trata-se de exercer a autoridade sobre a interpretação dos fatos", explica Eleonora Rohland, professora de história na Universidade de Bielefeld.

Um bom exemplo disso é o tratamento dado a Hernán Cortés, conquistador do império asteca. Embora ele tenha lançado as bases para o México moderno, ele é altamente controverso nesse país.

Em sua terra natal, no vilarejo de Medellín, no sul da Espanha, encontra-se uma estátua pomposa de Cortés. Seu pé esquerdo repousa sobre a cabeça decepada de um asteca. Em 2010, ativistas mancharam a estátua de vermelho, como uma expressão da carnificina que Cortés provocou entre os indígenas do México.

Para Rohland, um debate crítico sobre heróis nacionais é positivo. "Num momento em que muitos grupos sociais encontraram formas de denunciar a sua exclusão política, social, cultural e econômica, não deve nos surpreender que eles digam: 'Espere, esta é a sua versão da história, mas não a nossa'."

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter