Crise russa já prejudica economia brasileira | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 18.12.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Crise russa já prejudica economia brasileira

Forte desvalorização do rublo diminui em 60% a exportação de carne bovina para os russos. Risco de "contágio" pela crise ronda economia brasileira e de outros emergentes.

A situação econômica na Rússia acendeu a luz vermelha para os exportadores brasileiros de carne. Após os produtores nacionais terem sido beneficiados com o embargo russo à compra de alimentos da União Europeia (UE) e Estados Unidos, a forte desvalorização do rublo reduziu a exportação de carne bovina brasileira em cerca de 60% entre outubro e novembro.

"Nos últimos dias já caíram as exportações brasileiras, principalmente de produtos agropecuários. Com a desvalorização da moeda russa, são necessários mais rublos para importar produtos", diz Gilberto Ramos, presidente da Câmara de Comércio Brasil-Rússia. "Se o quadro persistir, o governo russo terá que subsidiar os preços para que o mercado não fique desabastecido."

Por conta do inverno na Europa, a tendência, segundo Ramos, era que a venda de carne fosse se manter estável. Mas a crise alterou a situação. "Pode levar alguns meses até o setor se readequar. Espero que os bancos centrais do Brasil e da Rússia voltem a conversar sobre a realização de trocas comerciais usando reais e rublos."

A economista Cecília Melo Fernandes lembra que as sanções russas aos produtos europeus e americanos haviam favorecido principalmente os produtores de carne suína e de frango, que elevaram de forma substancial suas exportações.

"A alta substancial dos juros [que nesta terça-feira (16/12) passaram de 10,5% para 17%] vai dificultar ainda mais o acesso dos importadores russos às linhas de crédito e frear ainda mais o já frágil crescimento russo, cuja economia está à beira de uma recessão", avalia Fernandes. "Um retorno a um patamar razoável e estável não será fácil nem rápido."

De acordo com dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), a Rússia é a segunda maior importadora de carne bovina brasileira, perdendo somente para Hong Kong. Entre janeiro e novembro, os russos compraram cerca de 304 mil toneladas de carne bovina. Hong Kong adquiriu cerca de 360 mil toneladas.

Possíveis consequências da crise russa

Há também o risco de "contágio" para o Brasil e outros países emergentes, cujas economias já estão fragilizadas pelas quedas nos preços de várias commodities e pela desaceleração da economia chinesa. O "contágio" pela crise se daria se os investidores passassem a desconfiar dos mercados emergentes de um modo geral.

A recente desvalorização do real é um reflexo de que existe uma certa desconfiança por parte dos investidores. No caso do Brasil, assim como no da Rússia, essa desconfiança é motivada em boa parte pela desvalorização do petróleo, mas o baixo crescimento da economia e a inflação em alta também contribuem.

Mas, no momento, não há sinais de um real "contágio" na economia brasileira, e analistas lembram que o Brasil está numa posição confortável, com reservas internacionais de 375 bilhões de dólares.

Um outro possível efeito indireto da crise russa sobre o Brasil poderia se dar na balança comercial. Se a crise russa afetar as economias de outros países emergentes, estes poderão importar menos, também do Brasil.

A moeda russa perdeu quase 45% de seu valor desde o início do ano. Os motivos são as sanções impostas por países Ocidentais a Moscou, por causa da anexação da Crimeia e do conflito no leste da Ucrânia, e principalmente a queda do preço do barril de petróleo. As vendas de petróleo correspondem a três quartos das exportações russas e mais da metade da receita do governo.

De acordo com Fernandes, ainda que a Rússia tenha flexibilizado o câmbio e usado parte de suas reservas para manter o rublo estável, a queda acentuada era inevitável. Para ela, essa situação é reflexo de um problema estrutural mais grave, pautado na ausência de reformas econômicas que diminuam a dependência do petróleo.

"O ano de 2015 não será fácil para os russos – aliás, nem para os brasileiros. O Banco Central russo prevê uma retração de 4,5% na economia no ano que vem e de 0,9% em 2016", explica Fernandes. "A inflação, que fechou novembro em 9% ao ano, sofrerá um forte impacto caso a desvalorização persista, o que é o cenário mais provável. E isso vai enfraquecer ainda mais o poder de compra dos russos."

Leia mais