1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Brasilien l Ermittlungsausschusses des Brasiliens Senats - CPI da Pandemia
Foto: Dilson Rodrigues/Agência Senado

Crise em torno de relatório marca reta final da CPI da Covid

Alexandre Schossler
19 de outubro de 2021

Vazamento do relatório para imprensa irrita senadores da comissão, que ainda queriam debater conteúdo. Entre pontos de discórdia estão acusação de homicídio qualificado e de genocídio de indígenas contra o presidente.

https://www.dw.com/pt-br/crise-em-torno-de-relat%C3%B3rio-marca-reta-final-da-cpi-da-covid/a-59548207?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

Atritos em torno do vazamento do relatório final para a imprensa e do indiciamento do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos marcam a reta final da CPI da Covid, que na quarta-feira (20/10) fará a apresentação do relatório final, a ser votado na terça-feira da semana que vem.

O relator, senador Renan Calheiros, está sendo acusado de vazar trechos do relatório final para a imprensa com o objetivo de constranger senadores que discordem do conteúdo e assim impedir alterações.

A acusação foi feita pelo presidente da CPI, o senador Omar Aziz, que exigiu que Calheiros agora mantenha tudo o que foi vazado para que membros da CPI não sejam acusados de estarem protegendo alguém. "Hoje, não tenho direito de me contrapor ao relatório do senador Renan, parece que a gente se entregou ao Bolsonaro, ou que está protegendo o filho do Bolsonaro", declarou.

O combinado entre o grupo majoritário de senadores da comissão, conhecido como G7, é que Calheiros apresentasse o relatório final aos colegas nesta segunda-feira. O texto, aí, receberia contribuições dos senadores antes de ser lido, o que inicialmente estava marcado para esta terça-feira.

Como isso não aconteceu (o relatório vazou antes de ser debatido), senadores do G7 disseram se sentir traídos por Calheiros.

Indiciamentos sem fundamentação

Além disso, há as polêmicas em torno dos indiciamentos de Bolsonaro e seus filhos. A cúpula da CPI concorda que o presidente é culpado por ao menos parte das mortes na pandemia, mas diverge sobre aspectos como o número de crimes imputados a ele e a fundamentação legal de alguns desses crimes.

Sobre os indiciamentos dos três filhos mais velhos de Bolsonaro, alguns senadores ponderam que eles não foram ouvidos pela CPI.

Aziz afirmou que alguns dos indiciamentos propostos por Calheiros podem não ter embasamento legal e que é melhor ter menos acusações mais bem embasadas do que muitas sem embasamento. "Não adianta eu te acusar de dez coisas. Preciso te acusar de uma coisa bem-feita, e você sai condenado do mesmo jeito", disse.

Longa lista de crimes

Na noite desta segunda-feira, Calheiros começou a distribuir a versão atual do relatório para o G7. Ao todo, o relator propôs o indiciamento de 70 pessoas.

Apesar da polêmica, Calheiros não diminuiu a longa lista de crimes que atribui ao presidente da República no enfrentamento da pandemia. O polêmico indiciamento por genocídio de povos indígenas está no texto, assim como o homicídio qualificado, como já havia sido adiantado pelo imprensa com base nos trechos vazados.

Os 11 crimes que a CPI da Covid atribui a Bolsonaro, na versão atual do relatório final, são homicídio qualificado, epidemia, infração de medida sanitária preventiva, charlatanismo, incitação ao crime, falsificação de documento particular, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, genocídio de indígenas, crime contra a humanidade, crime de responsabilidade por violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro da função de presidente da República.