Criadoras da ″tesoura genética″ ganham Nobel de Química | Notícias internacionais e análises | DW | 07.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Criadoras da "tesoura genética" ganham Nobel de Química

Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna desenvolveram método de edição do genoma CRISPR-Cas9. Para academia sueca, tecnologia revolucionou ciências biológicas e pode contribuir para a cura de doenças hereditárias.

Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna

Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna desenvolveram a tesoura genética

A dupla de pesquisadoras Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna foi agraciada nesta quarta-feira (07/10) com o Prêmio Nobel de Química pela descoberta de um método para a edição do genoma conhecido como CRISPR-Cas9 ou "tesoura genética".

"Usando esse método, pesquisadores podem mudar o DNA de animais, plantas e microrganismos com extrema precisão. Essa tecnologia teve um impacto revolucionário nas ciências biológicas, está contribuindo para novas terapias de câncer e poderá tornar o sonho de curar doenças hereditárias uma realidade", afirmou o comitê responsável pelo prêmio.

A francesa Charpentier, de 51 anos, e a americana Doudna, de 56 anos, se tornaram a sexta e a sétima mulheres a serem agraciadas com o Nobel de Química, se juntando à lista que inclui Marie Curie, a primeira mulher a ganhar o prêmio nesta categoria, em 1911, e Frances Arnold, laureada em 2018.

Enquanto pesquisava uma bactéria nociva comum, Charpentier descobriu uma molécula que era parte do antigo sistema imunológico da bactéria e que combate vírus cortando partes do seu DNA. Depois de publicar o estudo em 2011, ela trabalhou com Doudna para recriar a tesoura genética da bactéria, simplificando a ferramenta para usá-la em outros materiais genéticos. Elas reprogramaram então a tesoura para ser usada em qualquer molécula do DNA.

Assistir ao vídeo 04:32

Crispr Cas 9, a tesoura genética que pode revolucionar da botânica à medicina

A ferramenta CRISPR-Cas9 já contribuiu para ganhos significativos na resistência de grãos, que tiveram o código genético alterado para resistir melhor a pragas e secas. A tecnologia também impulsionou tratamentos inovadores para o câncer.

A dupla de pesquisadoras agraciada este ano dividirá o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (cerca de 1,1 milhão de dólares).

Elas normalmente receberiam o prêmio do rei Carl Gustaf 16º numa cerimônia formal em Estocolmo no dia 10 de dezembro, aniversário da morte do cientista Alfred Nobel. Mas a cerimônia presencial foi cancelada este ano devido à pandemia do coronavírus e será substituída por uma cerimônia televisionada, com os laureados recebendo os prêmios em seus países de origem.

Seguindo a tradição, o prêmio de química é o terceiro anunciado todos os anos, após o de medicina e o de  física. Este ano, o Nobel de Medicina premiou o trio de cientistas Harvey Alter, Charles Rice e Michael Houghton pela descoberta do vírus da hepatite C, e o de Física os pesquisadores Roger Penrose, Reinhard Genzel e Andrea Ghez por estudos sobre a formação de buracos negros.

Os laureados nos campos de literatura e paz serão anunciados nos próximos dias.

CN/rtr/dpa/afp/ap

Leia mais