Crescem apelos por renda básica universal na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 19.05.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Crescem apelos por renda básica universal na Alemanha

Além de pedido feito por dezenas de organizações e intelectuais, mais de um milhão de pessoas assinam petições a favor de renda mínima incondicional. Especialista se diz cético de que medida venha ser implementada.

Em meio à crise do coronavírus, pessoas aguardam para receber marmita, roupas e alimentos em Hamburgo

Em meio à crise do coronavírus, pessoas aguardam para receber marmita, roupas e alimentos em Hamburgo

Mais de 20 organizações e 160 personalidades da cultura, política, de igrejas e da sociedade civil lançaram uma apelo, nesta terça-feira (19/05), por um sério debate sobre a introdução de uma renda básica incondicional na Alemanha.

Na crise da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, fica claro que as medidas econômicas e sociais adotadas para amenizar as consequências da pandemia não levaram até agora a uma renda segura para todas as pessoas, diz o apelo, divulgado na internet. Uma renda concedida incondicionalmente asseguraria a todos o necessário para sua sobrevivência e os tornaria aptos a participar da sociedade, afirma o pedido.

Entre os signatários e signatárias do apelo estão Stephan Lessenich, professor de Sociologia da Universidade Luís Maximiliano de Munique (LMU); Christin Lahr, professora de Arte Midiática na Universidade de Artes Gráficas em Leipzig; e Katja Kipping, copresidente do partido A Esquerda.

De acordo com a Netzwerk Grundeinkommen (Rede Renda Básica), nas últimas semanas, mais de um milhão de pessoas na Alemanha assinaram petições a favor de uma renda básica durante a crise de covid-19.

Uma das petições propõe, por exemplo, uma renda básica incondicional entre 800 e 1.200 euros por pessoa (5 mil a 7,5 mil reais), por um período de seis meses, para todo cidadão na Alemanha. A renda deveria servir como um subsídio para as muitas pessoas que perderam seu sustento durante a crise de covid-19.

"Não há forma melhor de testar o conceito de renda básica ‒ a maior oportunidade está na crise", diz a designerin Tonia Merz, iniciadora da petição no site change.org, que já conta com quase 470 mil assinaturas.

Petições online em plataformas independentes não são juridicamente vinculativas para o comitê parlamentar de petições. O especialista em ética social Franz Segbers apelou aos políticos, no entanto, para "que levem a sério a vontade declarada de tantas pessoas por uma garantia social incondicional".

Em entrevista ao jornal Tagesspiegel, Markus Helfen, professor de Economia na Universidade Livre de Berlim, diz não acreditar que a petição de Tonia Merz leve o governo alemão a introduzir a renda básica. O especialista em economia do mercado de trabalho afirmou ao diário berlinense: "A renda básica incondicional é um tema para pesquisas futuras. Sou muito a favor de discutir isso."

Segundo Helfen, atualmente, existe uma polarização no mercado de trabalho do país. "Estão crescendo o setor de baixos salários e o setor de serviços altamente qualificados", disse o especialista.

"Uma renda básica incondicional não corresponde às condições atuais no mercado de trabalho, mas se essa polarização continuar, será preciso discutir a renda básica e abordagens complementares", afirmou Helfen ao jornal berlinense.

CA/epd/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais