Críticos apontam falhas em novas diretrizes de bispos alemães sobre abuso sexual | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Críticos apontam falhas em novas diretrizes de bispos alemães sobre abuso sexual

Medida veio em reação à onda de escândalos sobre abuso sexual de menores por representantes da Igreja Católica, e consequente avalanche de críticas à instituição. Reconhece-se avanço, porém muitos estão insatisfeitos.

default

Onda de escândalos forçou Igreja Católica a agir

O governo federal alemão saudou as novas diretrizes da Conferência Episcopal Alemã para os casos de abuso sexual de menores por membros da Igreja Católica. Segundo um porta-voz, Berlim aprecia a maior precisão das normas e "espera uma rápida implementação nas dioceses".

As novas diretrizes se referem não só a sacerdotes como a todos os funcionários a serviço da Igreja, e entram em vigor já nesta quarta-feira (01/09), após terem sido apresentadas na véspera na cidade de Trier. Elas são a reação dos bispos alemães à onda de escândalos ligados ao tema, desde o início do ano: seu fim é penalizar mais decididamente os culpados e proteger melhor as crianças.

Tolerância zero

Neue Leitlinien bei sexuellem Missbrauch

Bispo Stephan Ackermann apresentou as diretivas em Trier

No futuro, a promotoria pública será automaticamente acionada em qualquer caso de suspeita de crime, relatou o bispo Stephan Ackermann. O dever de notificação só é suspenso caso este seja o desejo expresso da vítima. O prelado é o encarregado especial da Igreja para assuntos ligados a abuso sexual, e principal responsável pela elaboração das atuais diretrizes.

"As terríveis revelações e vivências dos últimos meses nos mostraram que as diretivas de 2002 não eram suficientemente precisas em todos os pontos", observou Ackermann. "Por isso, as submetemos de novo a um exame extremamente crítico, e as tornamos mais rigorosas."

A nova versão do regulamento mostra "tolerância zero contra o abuso", ressaltou: os crimes não mais serão acobertados. Para as vítimas ficará mais fácil apresentar queixa dentro das dioceses, já que os encarregados por essa função não estarão ligados à direção do episcopado.

Indenizações: tema polêmico

Uma vez identificados, os agressores serão afastados do trabalho com crianças e adolescentes, só permanecendo a serviço da Igreja se apresentarem um atestado da psiquiatria forense. A mesma exigência vale para o caso de "a pessoa ter tendências a desvios sexuais". Ao contrário do previsto nas diretrizes passadas, será exigido de todos os envolvidos em atividades infanto-juvenis da Igreja um atestado de antecedentes criminais.

Kirche Missbrauch durch Priester

Representantes da rede Survivors Network of those Abused by Priests protestam em Munique

A questão do ressarcimento financeiro das vítimas foi excluída das prescrições, até que seja discutido na mesa-redonda sobre o tema que reúne, além das Igrejas, o governo alemão, especialistas e associações de vítimas. Segundo o bispo de Trier, em breve representantes das ordens religiosas e a Conferência Episcopal apresentarão um esboço sobre a questão da indenização.

"Essa forma de reconhecimento financeiro visa servir ao apaziguamento; se ela semear discórdia por falta de critérios uniformes, então perdeu o sentido", explicou Ackermann.

No geral, as novas diretrizes da Conferência Episcopal foram bem recebidas no país. Elogiando incondicionalmente a medida, a ministra da Família, Kristina Schröder, considerou este um "sinal importante" também para o processo que se desenrola na mesa-redonda de Igreja e governo federal, entre outras instâncias. "A Igreja Católica está no caminho certo, ao oferecer ou intermediar a ajuda para as vítimas e seus familiares", comentou a política democrata-cristã.

"Medidas insuficientes"

Embora reconhecendo um avanço e os "esforços" dos bispos no sentido da clareza, a ministra alemã da Justiça, Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, identificou pontos ainda obscuros. Assim, cabe esclarecer o que ocorrerá, caso a presumível vítima de abuso sexual se manifeste expressamente contra a intervenção da promotoria pública.

Justizministerin Sabine LEUTHEUSSER-SCHNARRENBERGER FDP

Ministra alemã da Justiça Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

Além disso, não estaria claro se investigações preliminares pela Igreja serão suspensas, de forma a não obstaculizar a ação da Justiça secular. Leutheusser-Schnarrenberger mencionou que a mesa-redonda sobre o abuso sexual proporá diretrizes relativas à intervenção das autoridades penais, as quais terão caráter de recomendação para todas as instituições envolvidas.

"Só estão previstas exceções num âmbito muito reduzido, a fim de evitar acobertamentos", adiantou a ministra. Leutheusser-Schnarrenberger, Kristina Schröder e Annette Schavan, esta responsável pela pasta da Educação, são as três ministras que encabeçam a mesa-redonda composta pelo governo contra o abuso sexual de crianças.

Na opinião do movimento católico de reforma Wir Sind Kirche (Nós somos a Igreja), as mudanças propostas pela Conferência dos Bispos são insuficientes. Ele reclama que, por exemplo, os encarregados das denúncias nas dioceses deveriam ter um grau de independência maior em relação à instituição. Além disso, aspectos importantes como o ressarcimento e a prevenção teriam sido deixados de lado.

AV/dpa/kna/epd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais