Corrupção ameaça recuperação econômica, adverte Transparência Internacional | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 17.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Corrupção ameaça recuperação econômica, adverte Transparência Internacional

Também conflitos de longo prazo, fracas instituições políticas e mau funcionamento do sistema jurídico tornam países especialmente vulneráveis à corrupção, advertiu ONG ao divulgar Índice de Percepção da Corrupção.

default

Ranking de percepção da corrupção lista 180 países

A ONG Transparência Internacional lamentou a falta de empenho na luta contra a corrupção em muitas nações. Na maioria dos 180 países pesquisados, a corrupção é um mal generalizado, assinalou a organização nesta terça-feira (17/11) ao divulgar em Berlim seu Índice de Percepção da Corrupção.

Em todo o mundo são aprovados amplos pacotes conjunturais para vencer a crise econômica e financeira, mas a responsabilidade somente pode ser garantida com a transparência no gasto do dinheiro público e só assim pode ser interrompido o círculo vicioso da corrupção, alerta a organização não governamental.

Alemanha em 14º, Brasil em 75º

A Nova Zelândia (9,4) obteve a nota mais alta no ranking de 2009, enquanto a Somália foi a última classificada (1,1) pelo terceiro ano consecutivo. O índice de 1 a 10 é calculado com base em 13 pesquisas de opinião e relatórios de dez organizações não governamentais.

O segundo lugar é ocupado pela Dinamarca (9,3), seguida de Cingapura e Suécia (9,2). A Alemanha (8) ficou em 14º lugar, mesma posição do ano passado. Entre os 25 países da União Europeia listados no ranking, a Bulgária, Grécia e Romênia são os de pior colocação (3,8 pontos), em 71º lugar. Também a Itália recebeu notas ruins, ficando em 63º (4,3).

Entre os países do continente americano, o Canadá (8,7) tem a melhor posição global, com o 8º lugar, seguido de Estados Unidos (7,5), em 19º. Com 3,7 pontos, o Brasil aparece em 75º na lista global, junto com Colômbia, Peru e Suriname.

Transparency International Huguette Labelle in Unragn

Labelle: 'exigir prestação de contas'

Apelo às nações industrializadas

Ao apresentar o estudo, a Transparência Internacional salientou que conflitos de longo prazo, instituições políticas fracas e o mau funcionamento do sistema jurídico tornam os países especialmente vulneráveis à corrupção.

Por outro lado, a organização conclamou as nações industrializadas a não deixarem de prestar ajuda ao desenvolvimento dos países pobres listados no final da escala.

Justamente ali é importante fortalecer as instituições, assinalou a presidente da Transparência Internacional, Huguette Labelle. Segundo ela, investidores e doadores devem insistir na transparência e exigir dos receptores a prestação de contas sobre o que recebem.

RW/rtrs/afp

Leia mais

Links externos