Coronavírus: Brasil tem 11 mortos e 904 casos confirmados | Notícias internacionais e análises | DW | 20.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Coronavírus: Brasil tem 11 mortos e 904 casos confirmados

Senado aprova estado de calamidade pública. Itália registra recorde diário de mortes. Reino Unido ordena fechamento de pubs e restaurantes. As principais notícias desta sexta-feira sobre a pandemia.

  • Mortes pelo coronavírus no mundo passam de 10 mil; casos somam mais de 250 mil; mais de 87 mil se recuperaram
  • Brasil tem 904 casos e 11 mortes confirmadas pelas autoridades de saúde – nove em SP e duas no RJ
  • Senado aprova decreto de estado de calamidade pública no país
  • China não registra novos casos pelo segundo dia seguido
  • Baviera e outros estados da Alemanha restringem circulação de pessoas
  • Espanha registra 1.000 mortes, e Itália bate recorde diário de óbitos
  • Reino Unido reforça isolamento e ordena fechamento de pubs e restaurantes

Transmissão encerrada. As atualizações desta sexta-feira (20/03) estão no horário de Brasília:

22:00 - Brasileiros homenageiam profissionais de saúde com aplausos nas janelas

Várias cidades brasileiras registraram homenagens ao trabalho dos profissionais de saúde no combate à pandemia de coronavírus, com aplausos nas janelas de casas e edifícios.

O ato de apoio foi convocado pelas redes sociais, com a hashtag #AplausosNaJanela. "Enquanto estamos protegidos em casa, os profissionais de saúde estão enfrentando essa crise onde muitos estão se contaminando. Vamos mostrar nossa gratidão a todas essas pessoas com uma salva de aplausos nas nossas janelas", dizia uma imagem disseminada nas redes.

Cidades como São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre participaram da homenagem, que teve seu auge por volta das 20h30.

21:45 - Canadá vai devolver migrantes que cruzarem ilegalmente a fronteira

O Canadá vai mandar de volta os requerentes de refúgio que atravessarem ilegalmente a fronteira com os Estados Unidos, disse o primeiro-ministro Justin Trudeau nesta sexta-feira. Segundo ele, a medida é temporária e visa proteger a saúde dos canadenses durante o surto de coronavírus. O país registra mais de 1.000 casos confirmados de infecção e 12 mortes.

O anúncio vem num momento em que os impactos econômicos causados ​​pela pandemia se intensificam no país, e a proibição de viagens não essenciais através da maior fronteira sem defesa do mundo, entre EUA e Canadá, está prevista para entrar em vigor.

Nos últimos anos, milhares de migrantes cruzaram ilegalmente a fronteira entre os dois países para requerer refúgio no Canadá, estimulados pelas políticas anti-imigração mais rígidas dos EUA sob o governo do presidente Donald Trump.

21:30 - Bolsa cai e tem pior semana desde 2008

Em meio à instabilidade causada pela pandemia, a bolsa de valores, que na véspera tinha subido, caiu 1,85% nesta sexta-feira, encerrando a semana com perdas de 18,9%, a pior semana desde outubro de 2008.

O índice Ibovespa, da B3, fechou esta sexta-feira aos 67.069 pontos. O índice oscilou bastante, chegando a operar em alta de 5,54% às 11h56, mas inverteu a tendência no meio da tarde, depois que o governo revisou para 0,02% o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.

O dólar caiu durante toda a sessão, mas continuou acima dos 5 reais.

21:10 - Trump ataca repórter que o perguntou o que diria a americanos assustados

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou um jornalista da emissora NBC de fazer sensacionalismo ao ser questionado sobre o que falaria aos americanos que estão assustados com a pandemia de coronavírus.

"Quase 200 mortos, 14 mil estão doentes. Milhões, como você testemunhou, estão assustados agora. O que você diz aos americanos que estão lhe assistindo agora e estão assustados?", questionou Peter Alexander durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca para tratar da crise. 

Irritado com a pergunta, Trump respondeu: "Eu digo que você é um péssimo repórter. É isso que eu digo. Acho que essa é uma pergunta muito desagradável. E acho que é um sinal muito ruim que você está dando ao povo americano. O povo americano está buscando respostas e esperança. E você está fazendo sensacionalismo."

Em seguida, Alexander fez a mesma pergunta ao vice-presidente Mike Pence – e obteve uma resposta. "Eu diria para não terem medo, fiquem vigilantes", disse Pence.

20:45 - Jovens não são invencíveis ao vírus, diz OMS

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou nesta sexta-feira que a comunidade mais jovem não é "invencível" ao novo coronavírus.

Ele lembrou que, conforme o vírus se espalha por vários países do mundo, as autoridades de saúde seguem aprendendo mais todos os dias sobre a covid-19. Embora os idosos sejam mais afetados, "pessoas jovens não são poupadas", afirmou.

Segundo Tedros, dados de muitos países mostram que pessoas com menos de 50 anos compõem uma "proporção significativa" dos pacientes que precisam de hospitalização.

"Hoje eu tenho uma mensagem para o povo jovem: você não é invencível", disse o diretor-geral da OMS. "Esse vírus pode colocá-lo no hospital por semanas ou até matá-lo. E mesmo que você não fique doente, as escolhas que você toma sobre aonde ir podem fazer a diferença."

Ele também aconselhou as pessoas a ficarem atentas à saúde mental, num momento de crescente ansiedade ligada à pandemia. "Ouça música. Leia um livro ou jogue um jogo e tente não ler ou assistir a muitas notícias se isso o deixar ansioso", disse Tedros.

Jovens reunidos em parque em Berlim em 18 de março, apesar da recomendação de se evitar aglomeração

Jovens reunidos em parque em Berlim em 18 de março, apesar da recomendação de se evitar aglomeração

20:20 - Cuba fecha fronteiras

Cuba anunciou o fechamento de suas fronteiras, exceto para cidadãos, residentes legais e atividades comerciais, a fim de evitar a chegada de novos casos de covid-19. O país soma 21 casos confirmados, além de 500 pessoas em isolamento preventivo.

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, fez o anúncio em rede de televisão. Ele classificou a pandemia como "um desafio sem precedentes" que "não foi capaz de ser contido pelas sociedades mais desenvolvidas do planeta".

Até o anúncio, as fronteiras cubanas permaneciam abertas, e os voos a partir de países com muitos casos da doença continuavam a pousar normalmente na ilha, o que gerou preocupação entre a população e pedidos nas redes sociais para que fossem fechados os portos e aeroportos. 

Homem veste máscara nas ruas de Havana, em Cuba

Cuba tem 21 casos confirmados de coronavírus

19:50 - Governo declara estado de transmissão comunitária em todo o Brasil

O Ministério da Saúde declarou status de transmissão comunitária em todo o território brasileiro, segundo portaria publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

A transmissão comunitária ou sustentada ocorre quando não é mais possível detectar a origem da infecção, ou seja, quando pessoas contraem o vírus sem ter viajado a zonas de risco ou ter vínculo com outro caso confirmado.

Até o momento, os estados que já registraram esse tipo de transmissão são Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo.

A declaração de estado de transmissão comunitária permite que o governo unifique as ações contra o coronavírus em todos os estados. A portaria ainda oficializa algumas recomendações já divulgadas pelo ministério, como o isolamento domiciliar de quem tem sintomas respiratórios e idosos.

"Pessoas com mais de 60 (sessenta) anos de idade devem observar o distanciamento social, restringindo seus deslocamentos para realização de atividades estritamente necessárias, evitando transporte de utilização coletiva, viagens e eventos esportivos, artísticos, culturais, científicos, comerciais e religiosos e outros com concentração próxima de pessoas", diz o texto.

A portaria também permite que atestados médicos sejam concedidos a pessoas que moram na mesma casa daqueles com sintomas de gripe, independente da idade.

19:15 - Mais um estado americano impõe quarentena

Illinois se uniu aos estados americanos de Nova York e Califórnia nesta sexta-feira para ordenar que todos seus cidadãos fiquem em casa, a menos que tenham razões bem justificadas para sair.

A imposição de quarentena nesses três estados afeta mais de 70 milhões de pessoas, ou cerca de um quinto da população dos Estados Unidos, além de algumas das maiores cidades do país, como Los Angeles, Chicago, San Diego e San Francisco.

19:00 - Alemanha se aproxima do estado de emergência contra o coronavírus

Diversos estados alemães estão impondo medidas drásticas de isolamento para conter o alastramento do novo coronavírus. O governo federal não chegou a declarar estado de emergência, embora a chanceler federal Angela Merkel tenha advertido os cidadãos para ficarem em casa.

Saiba quais são as medidas restritivas adotadas por estados como Baviera, Sarre, Baden-Württemberg, Hessen, Renânia-Palatinado, Baixa Saxônia e Hamburgo.

18:30 - Brasil tem 904 casos confirmados de coronavírus

O Ministério da Saúde divulgou que o país soma 904 casos confirmados do novo coronavírus, um aumento de 45% em relação ao dia anterior, quando havia 621 confirmações. O balanço conta ainda 11 mortes, nove em São Paulo e duas no Rio de Janeiro.

Ao todo, 24 estados e o Distrito Federal registram infecções. Apenas Roraima e Maranhão não confirmaram ocorrências. São Paulo é o estado mais afetado, com 396 casos confirmados.

Em seguida vêm Rio (109), Distrito Federal (87), Ceará (55), Rio Grande do Sul (37), Minas Gerais (35), Bahia (33), Paraná (32), Pernambuco (30), Santa Catarina (21), Goiás (15), Espírito Santo (13), Mato Grosso do Sul (9), Acre (7), Sergipe (6), Alagoas (5), Amazonas (3), Piauí (3), Pará (2), Mato Grosso (1), Paraíba (1), Rio Grande do Norte (1), Rondônia (1), Tocantins (1) e Amapá (1).

Nesta sexta-feira, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, antecipou que as infecções por Sars-Cov-2 deverão disparar no Brasil entre os meses de abril e junho.

"A gente deve entrar em abril e iniciar a subida rápida [de casos]. Essa subida rápida vai durar o mês de abril, o mês de maio e o mês de junho, quando ela vai começar a ter uma tendência de desaceleração de subida", disse Mandetta.

"No mês de julho, ela deve começar um platô. Em agosto, esse platô vai começar a mostrar tendência de queda. Em setembro é uma queda profunda, tal qual foi uma queda de março na China. Esse é o cenário que o mundo ocidental está trabalhando", acrescentou.

18:00 - Bolsonaro chama coronavírus de "gripezinha"

O presidente Jair Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia de coronavírus ao chamar a doença de "gripezinha" em coletiva de imprensa nesta sexta-feira. "Depois da facada, não vai ser uma 'gripezinha' que vai me derrubar", declarou ele no fim da entrevista.

O mandatário afirmou ainda que pode fazer mais um exame para detectar o vírus, já que "se encontrou com muitas pessoas". Ele já realizou dois testes e disse que ambos deram negativo.

Ao menos 23 pessoas que estiveram com Bolsonaro durante uma viagem aos Estados Unidos no início de março já receberam diagnóstico positivo, entre elas dois ministros: o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Bento Albuquerque (Minas e Energia).

"Eu estou bem. Fiz dois testes. Talvez faça mais um até. Recebo orientação médica", afirmou o presidente mais cedo, na saída do Palácio da Alvorada. "Aqui em casa, toda a família deu negativo. Talvez eu tenha sido infectado lá atrás e nem fiquei sabendo. Talvez. E estou com anticorpo."

Bolsonaro não chegou a divulgar cópias dos dois exames que realizou. O jornal Folha de S. Paulo disse que solicitou essas cópias à Secretaria Especial de Comunicação (Secom), mas não obteve resposta.

Antes, o presidente já vinha desdenhando a pandemia com declarações controversas, como quando afirmou que o vírus trouxe "certa histeria", no início desta semana.

"Se for nos ônibus do Rio, metrôs de São Paulo, está tudo lotado. A vida continua, não tem que ter histeria. Tem que tirar a histeria. A histeria leva a um baque da economia", dissera ele em entrevista à Rádio Tupi.

17:45 - Governo reduz a zero crescimento do PIB em 2020

O governo federal reduziu a previsão oficial de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano de 2,1% para 0,02%, diante da crise provocada pela pandemia de coronavírus. O Ministério da Economia prevê um rombo de 161,2 bilhões de reais nas contas públicas em 2020.

O governo já havia revisado a projeção de crescimento de 2,4% para 2,1% na semana passada, mas ainda não levava em conta os efeitos da pandemia e a guerra do preço do petróleo, que levou a Petrobras a sofrer a maior queda em valor de mercado em 30 anos.

Leia a notícia completa

17:30 - Mais quatro morrem em São Paulo com coronavírus

São Paulo registrou mais quatro mortes por coronavírus nesta sexta-feira, chegando a nove o total de vítimas no estado. Os pacientes eram três homens de 70, 80 e 93 anos e uma mulher de 83 anos.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde paulista, o estado tem ainda 345 casos confirmados da doença, enquanto investiga 9.023 casos suspeitos.

Assim, o Brasil soma ao todo 11 mortos, incluindo dois no Rio de Janeiro. Até o momento, todos os pacientes que morreram no país sofriam de doenças crônicas, o que agravou seus quadros de infecção pelo vírus Sars-Cov-2. 

17:10 - Walmart e Amazon anunciam contratações massivas

As gigantes do varejo Walmart e Amazon anunciaram a contratação massiva de funcionários, numa consequência inesperada da pandemia que atingiu diretamente pequenas empresas e setores como os de transporte aéreo, turismo, hotéis e restaurantes.

Principal empregador privado dos Estados Unidos, o Walmart disse que planeja contratar 150 mil funcionários para suas lojas e centros de distribuição no país até o fim de maio, à medida que as compras pela internet aumentam devido às medidas de confinamento. Os empregos serão temporários, mas muitos se tornarão permanentes, afirmou o porta-voz Dan Bartlett. 

Nesta semana, a Amazon já havia anunciado que planeja contratar 100 mil funcionários nos Estados Unidos para lidar com o aumento no número de pedidos on-line.

16:29 - Itália registra 627 novas mortes em 24 horas – maior número desde o início da crise

A Itália registrou em 24 horas 627 mortes em decorrência do novo coronavírus, atingindo um total de 4.032, desde a detecção do primeiro caso, segundo divulgou a Defesa Civil do país nesta sexta-feira. É o pior dia desde o começo da pandemia. Além disso, o número de pessoas que foram infectadas aumentou 4.670, chegando a 45.705. Até o momento, de acordo com o órgão oficial, 5.129 pessoas receberam alta.

O chefe da Defesa Civil italiana, Angelo Borrelli, afirmou que não se sabe quando o pico do contágio será atingido, mas garantiu que apesar dos dados de hoje as medidas adotadas vem dando resultados porque a tendência de infecção é menor.

Borrelli, por sua vez, destacou que o país passou de 5,4 mil leitos nas unidades de terapia intensiva no início da emergência para os atuais 8 mil. O número, segundo ele, continua crescendo, com a construção de hospitais de campo e a dedicação de mais espaço nos centros médicos.

Mas, para alguns governadores, as medidas adotadas pelo governo ainda são insuficientes. Eles pedem para que elas cheguem a extremos diante do aumento contínuo do contágio. Com isso, há uma expectativa pela proibição de que as pessoas saiam de casa para praticar esportes, por exemplo. Como ainda há muita gente circulando pelas cidades sem motivos, a Lombardia quer que o exército seja colocado nas suas ruas para certificar que as pessoas ficarão em suas casas, o que ajudaria a conter a propagação do patógeno.

14:39 - Reino Unido reforça isolamento e ordena fechamento de pubs e restaurantes

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, determinou nesta sexta-feira que os pubs, restaurantes e cafés do país sejam fechados a partir desta noite. A medida prevê uma exceção: os restaurantes poderão continuar abertos para oferecer delivery e refeições para viagem. A medida valerá por pelo menos um mês, quando a situação será reavaliada.

Britain's Prime Minister Boris Johnson PK (Reuters/M. Dunham)

O premiê Boris Johnson

Casas noturnas, teatros, cinemas e academias de ginásticas também serão fechados. Na quinta-feira, o governo já havia anunciado o fechamento das escolas do país.

Por enquanto, lojas consideradas "não essenciais" (aquelas que não vendem remédios ou alimentos) poderão ficar abertas, mas o governo não descarta completamente proibi-las de funcionar.

O governo Johnson também anunciou que o governo vai pagar até 80% dos salários de quem ficar sem trabalho durante a pandemia, com um limite de 2.500 libras por mês (14 mil reais).

"Eu sei que é difícil, mas essas ações que estamos tomando são para ajudar a retirar a pressão sobre o sistema de saúde", disse Johnson. Ele ainda pediu que as pessoas não saíssem na sexta à noite, enfatizando: "Por enquanto, pelo menos fisicamente, precisamos manter as pessoas separadas."

13:46 - Senado aprova decreto de estado de calamidade pública no Brasil

Em uma sessão remota, o Senado aprovou nesta sexta-feira (20/03), por unanimidade, o decreto de calamidade pública em todo o território brasileiro. O pedido havia sido feito pelo governo Bolsonaro. 

O decreto desobriga o governo a observar a meta de resultado primário – ou seja, a de um déficit de 124,1 bilhões de reais – para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus. Até o momento, o país registrou pelo menos sete mortes e mais de 650 infectados. 

Estimativas apontam rombo de aproximadamente 200 bilhões de reais em 2020 por causa dos efeitos da pandemia. 
O texto já havia sido aprovado pela Câmara, em votação simbólica, na quarta-feira.

Essa é a primeira vez que o país entrará em estado de calamidade desde a imposição da Lei de Responsabilidade Fiscal, em 2000. O decreto ainda cria também uma comissão mista - formada por seis deputados e seis senadores - para acompanhar a situação fiscal e a execução orçamentária das medidas adotadas para conter a pandemia.

A votação no Senado registrou 75 votos. A sessão ocorreu por meio de uma sessão virtual – a primeira na história do Senado. Senadores, sem acesso à internet na hora da sessão, puderam votar por telefone. O Senado explicou, que nesses casos os parlamentares receberam uma senha para certificar a ligação.

13:42 - Por que a taxa de mortalidade por coronavírus é mais baixa na Alemanha?

Apesar de estar entre os países mais afetados pela pandemia de covid-19, a Alemanha registrou um número surpreendentemente baixo de mortes em comparação com seus vizinhos europeus.

Os últimos números oficiais publicados pela agência de controle e prevenção de doença na Alemanha, o Instituto Robert Koch (RKI), na manhã desta sexta-feira (20/03), apontaram 13.957 infecções confirmadas, e 31 mortes.

Essa é uma taxa de mortalidade de apenas 0,22%, significativamente menor que a da China (4%), Reino Unido (3,9%), França (2,9%) e Itália (8,3%).

Com 25 mil leitos de UTI completos, com suporte respiratório, a Alemanha está bem equipada em comparação com seus vizinhos europeus. A França possui apenas cerca de 7 mil, e a Itália, cerca de 5 mil.

Leia a matéria completa

13:33 - Fronteira entre os EUA e o México será fechada para viagens "não essenciais"

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, confirmou que os EUA e o México concordaram em "restringir viagens não essenciais" através da fronteira compartilhada entre os dois países. 

Pompeo já tinha acertado restrições similares com o Canadá.

"O presidente Trump anunciou na quarta-feira que os Estados Unidos e o Canadá concordaram em restringir o tráfego não essencial em nossas fronteiras. Ele entra em vigor à meia-noite e exclui a passagem da fronteira, a menos que por trabalho ou outros motivos essenciais. Os EUA e o México concordaram em restringir viagens não essenciais através de nossa fronteira compartilhada. Ambos os países sabem da importância de trabalhar juntos para limitar a propagação do vírus", afirmou Pompeo.

12:53 - Nova York em "pausa"; Trump diz que quarentena nacional não é necessária neste momento

O governador do estado americano de Nova York, Andrew Cuomo, determinou que todas as empresas que não desempenhem "funções essenciais" deixem 100% dos seus funcionários em casa. 

Coronavirus in USA Times Square in New York (picture-alliance/dpa/Zuma/V. Carvalho)

A Times Square, em Nova York. Tradicional ponto turístico ficou deserto por causa do coronavírus

"Quando falo sobre a ação mais drástica que podemos tomar, essa é a ação mais drástica que podemos tomar", disse Cuomo em uma entrevista coletiva em Albany nesta sexta-feira. Em um dia, foram registrados 2.950 novos casos no estado, elevando total para 7.102, informou o governo. O estado tem uma população de 19 milhões de pessoas.

O governador disse ainda que no futuro quer olhar para a pandemia de coronavírus e dizer: "Fiz tudo o que podíamos fazer." "Trata-se de salvar vidas. Se tudo o que fizermos salvar apenas uma vida, ficarei feliz."

Serão aplicadas multas e fechamentos obrigatórios para empresas que não cumprirem a ordem, anunciou Cuomo.

Cuomo ainda disse que o estado está proibindo reuniões não essenciais de qualquer tamanho, por qualquer motivo, em meio à pandemia. O governador ainda disse que todos os habitantes acima de 70 anos e outras populações vulneráveis ​​devem permanecer dentro de casa. O governador resumiu as medidas como "Nova York em pausa".

Mais cedo, o estado da Califórnia também emitiu uma ordem inédita para sua população de 40 milhões de habitantes ficar em casa.

O presidente Donald Trump elogiou as medidas tomadas pelos estados, mas disse que não acredita por enquanto que uma quarentena nacional seja necessária neste momento.

O presidente disse que Nova York e a Califórnia são "focos" de coronavírus, e que algumas partes do país não precisam seguir as mesmas medidas.

12:20 - EUA registram 200 mortos e prazo para declaração do imposto de renda é adiado

A rede ABC News informou nesta sexta-feira que os EUA já registraram pelo menos 200 mortes causadas pela covid-19.

Segundo a rede, há pelo menos 14.250 casos diagnosticados nos EUA, registrados em todos os 50 estados, a capital, Washington, D.C., e Porto Rico.

Em meio ao avanço da pandemia, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, anunciou que o prazo final para a declaração do imposto de renda foi adiado, de 15 de abril para 15 de julho.

Enquanto isso, o estado da Califórnia emitiu uma ordem inédita para sua população de 40 milhões de habitantes ficar em casa, e o governo dos Estados Unidos orientou cidadãos norte-americanos a voltarem para casa ou ficarem no exterior por tempo indeterminado.

12:14 - Governo Merkel vai analisar comportamento dos habitantes no fim de semana

O governo da chanceler federal Angela Merkel declarou que o comportamento dos alemães no próximo fim de semana vai ser decisivo para determinar se quarentenas mais drásticas devem ser impostas em todo o país para conter o avanço da covid-19.

“Nós vamos observar o comportamento da população neste fim de semana”, declarou Helge Braun, a chefe da Casa Civil de Merkel, à revista Der Spiegel. "O sábado é um dia crucial. Estamos de olho especialmente nesse dia."

A fala de Braun foi uma referência ao comportamento de muitos alemães no último fim de semana. Apesar de vários pedidos das autoridades para que as pessoas evitassem aglomerações, muitos alemãs foram vistos pelo país andando ou confraternizando em grupos no último sábado e domingo.

"As pessoas tradicionalmente organizam encontros aos sábados porque têm o dia de folga", disse Braun. "Mas isso infelizmente não é possível fora da família nuclear no momento. Temos que parar de nos encontrar com outras pessoas. Se isso não acontecer, decisões que estamos preferindo evitar terão que ser tomadas pelos estados federais.".

Braun enfatizou que o governo alemão quer evitar a imposição de uma política obrigatória de quarentena.

"Por enquanto, contamos com a compreensão das pessoas sobre as medidas e a sua disposição para restringir suas vidas sociais", disse ela. "E quando olhamos para nossos países vizinhos, que já impuseram um toque de recolher, fica claro: seria um enorme peso adicional.”

Por enquanto, só o estado da Baviera impôs tais medidas drásticas, permitindo que as pessoas saiam de casa apenas para ir ao trabalho, ao médico ou para fazer compras. Outros estados adotaram medidas mais limitadas, como restrições a aglomerações e o fechamento de restaurantes, cinemas e museus.

11:26 - Mais estados alemães impõem restrições à circulação

Depois da Baviera, mais três estados alemães impuseram restrições à circulação e aglomeração de pessoas. O estado da Renânia-Palatinado anunciou que vai ordenar o fechamento de restaurantes e proibir aglomerações de mais de cinco pessoas. O estado de Baden-Württemberg, por sua vez, também anunciou o fechamento de restaurantes e proibiu aglomerações com mais de três pessoas. O estado de Hessen também anunciou restrições à reuniões públicas com mais de cinco pessoas. Os restaurantes do estado também vão ser fechados.

Já o governo do estado da Sarre propôs ao parlamento local seguir o exemplo mais drástico da Baviera, que determinou que as pessoas só possam sair de casa para ir ao médico, supermercado e para trabalhar.

A Alemanha contabiliza nesta sexta-feira mais de 16 mil casos de infecção pelo novo coronavírus. Pelo menos 44 pessoas morreram no país.

11:04 - Mais de mil mortes na Espanha

 O número de mortos na Espanha subiu para 1.002. Só nas últimas 24 horas foram registradas mais 235 mortes.

As últimas estatísticas do Ministério da Saúde do país apontam 19.980 casos confirmados da covid-19 em todo o país.Mais de um terço dos casos registrados estão concentrados em Madri.

Por outro lado, foram registrados 2.883 casos novos de pessoas infectadas pelo patógeno, o que representa crescimento de 16,5% com relação aos dados de ontem, uma cifra menor do que a contabilizada nos últimos dias.

O diretor do Centro de Alertas e Emergências Sanitárias da Espanha, Fernando Simón, pediu, em entrevista coletiva, que a população siga tomando muito cuidado e seguindo as regras de isolamento social impostas pelo governo.

Nesta sexta-feira, porta-vozes da polícia e da Guarda Civil anunciaram que ontem foram realizadas 75 detenções de pessoas que saíram de casa e estavam nas ruas sem motivo justificado, um número maior do que o registrado nos dias anteriores.

8:45 - Baviera restringe circulação de pessoas

O governador da Baviera, Markus Söder, anunciou que restringirá a circulação de pessoas a partir da meia-noite desta sexta-feira (20/03) em todo o estado do sul da Alemanha, por duas semanas.

Segundo ele, nem todos os cidadãos entenderam que a situação é grave, e isso obriga o governo a agir. Ele argumentou ainda que a Baviera é um estado de fronteira e, por isso, enfrenta um desafio ainda maior.

Restaurantes e bares fecharão a partir deste sábado. Tele-entregas são permitidas. Supermercados e bancos também permanecerão abertos. Também é permitido ir ao trabalho ou ao médico.

Segundo o Instituto Robert Koch (RKI), agência responsável pelo controle e prevenção de doenças na Alemanha, a Baviera é o terceiro estado com mais infecções no país, com 2.401 casos e 12 mortes, após a Renânia do Norte-Vestfália (3.497 casos, 6 mortes) e Baden-Württemberg (2.746 casos, 10 mortes).  

08:20 - Número de mortes quase triplica na Alemanha

Segundo dados do Instituto Robert Koch (RKI), agência responsável pelo controle e prevenção de doenças na Alemanha, o número de mortes pelo coronavírus Sars-Cov-2 no país saltou de 11 para 31 entre quinta e sexta-feira. Em 24 horas, o instituto registrou 2.958 novos casos, somando um total de 13.957 infecções.

"Estamos vendo um crescimento exponencial. Somente podemos diminuir o ritmo da epidemia se nos ativermos às regras. Mantenha distância. O vírus é normalmente espalhado de pessoa para pessoa", disse Lothar Wieler, presidente do RKI. “Estamos vivendo uma crise cuja extensão eu pessoalmente nunca imaginei."

Os números do RKI diferem dos contabilizados pela Universidade Johns Hopkins, pois o instituto alemão apenas reporta os casos recebidos via canais oficiais. A universidade, por sua vez, tenta manter uma contagem global em tempo real, considerando números reportados pela mídia e autoridades de saúde. A DW leva em conta dados de ambas as instituições. Segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins, a Alemanha tem mais de 16 mil casos e 44 mortes.

08:15 - Médicos cubanos aguardam convocação para atuar contra coronavírus

Profissionais cubanos da saúde que ficaram no Brasil depois que sua participação no programa "Mais Médicos" foi encerrada no final de 2018 estão aguardando convocação do governo federal para ajudar no tratamento da pandemia de coronavírus no país. 

O presidente Jair Bolsonaro já afirmou que vai fazer a convocação, mas ainda não houve pedido oficial aos médicos.

Na semana passada, o governo anunciou que abriria mais de 5 mil novas vagas no âmbito do "Mais Médicos" para reforçar a assistência sanitária no país para conter a pandemia de coronavírus. Os contratos terão um ano de duração. O objetivo, segundo o ministério da Saúde, é ajudar a repor profissionais que ficam doentes e precisam ser isolados para não contagiar os pacientes com o coronavírus.

Porém, os profissionais precisam ser registrados no Conselho Regional de Medicina (CRM), o que exclui parte dos médicos cubanos que não tem o diploma reconhecido no Brasil. 

08: 00 - Youtube e Netflix reduzem qualidade do streaming na UE

O Youtube anunciou que seguirá os passos da Netflix e reduzirá a qualidade do streaming na União Europeia (UE) para evitar sobrecarregar a internet à medida que milhares de europeus começam a trabalhar de casa. O chefe de Mercados Internos da UE, Thierry Breton, pediu que plataformas de streaming reduzissem a qualidade de seus vídeos para evitar problemas. Estudos apontam que o Youtube e a Netflix respondem por 25% do tráfego na internet global.

07:00 - Áustria prolonga restrições

A Áustria estenderá as medidas restritivas para o combate à disseminação da covid-19 por mais três semanas, até 13 de abril, afirmou o chanceler federal do país, Sebastian Kurz. Segundo o líder austríaco, especialistas acreditam que as medidas estejam surtindo efeito, mas devem ser mantidas.

05:45 - China não registra novos casos pelo segundo dia seguido

O Ministério da Saúde da China anunciou nesta sexta-feira (20/03) que o país não registrou nenhum novo caso nas últimas 48 horas.

É a primeira vez que isso acontece desde o início da epidemia no país, no fim de 2019.

No pico da crise havia milhares de novas infecções todos os dias.

O ministério acrescentou que foram registrados 39 casos novos na China continental nas últimas 24 horas, mas todos em pessoas que chegaram do exterior.

Ambulâncias na Espanha

Espanha tem mais de 18 mil casos de covid-19 conhecidos e 833 mortos

03:30 - Mais de 10 mil mortes por Sars-Cov-2 em todo o mundo

O total de mortes causadas pelo coronavírus Sars-Cov-2 já passou de 10 mil em todo o mundo, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins, nos EUA.

Para comparação, o surto de Sars em 2002 e 2003 deixou 774 mortos.

Em todo o mundo são mais de 244 mil casos diagnosticados. Mais de 86 mil pessoas se recuperaram da doença, segundo os dados desta sexta-feira.

A Europa, e não mais a Ásia, é o epicentro da epidemia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Itália, que tem mais de 41 mil casos confirmados, já registrou 3.405 mortos.

A Espanha, com mais de 18 mil casos conhecidos, tem 833 mortos.

Na França são quase 11 mil casos e 372 mortes.

Na Alemanha há mais de 15 mil casos registrados e 44 mortes.

01:00 - Califórnia ordena que seus 40 milhões de residentes fiquem em casa

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, ordenou que todos os residentes do estado permaneçam em casa e só saiam quando necessário para combater o surto de coronavírus. 

Newsom afirmou que projeções apontam que 56% dos moradores da Califórnia devem contrair o Sars-Cov-2, o que deve sobrecarregar hospitais. Los Angeles, a segunda maior cidade dos EUA, deve ser "desproporcionalmente impactada" pela pandemia. 

00:30 - Brasil restringirá entrada via aérea de estrangeiros da Europa e da Ásia

O Brasil anunciou na quinta-feira que vai restringir a entrada no país, via aérea, de pessoas vindas da Europa e de vários países asiáticos por 30 dias para conter a disseminação do coronavírus. A informação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

A medida entra em vigor na próxima segunda-feira. No comunicado, o governo cita os países-membros da União Europeia, China, Islândia, Noruega, Suíça, Reino Unido, Irlanda do Norte, Austrália, Japão, Malásia e Coreia do Sul.

O governo brasileiro também já tinha anunciado que fecharia as fronteiras terrestres para estrangeiros por duas semanas. As barreiras valem para todos os países vizinhos do Brasil, com exceção do Uruguai, que terá regras específicas. Na última terça-feira, o governo também anunciou o fechamento da fronteira com a Venezuela.

00:00 - Resumo dos principais acontecimentos desta quinta-feira

  • Brasil fecha fronteiras e proíbe entrada de estrangeiros de países vizinhos
  • Wuhan não tem novos casos, e 34 novas infecções reportadas pela China são importadas
  • Itália supera China em número de mortos e deve prorrogar restrições à vida pública
  • Espanha registra aumento de mortes e novas infecções
  • França tem mais de 100 mortos em 24 horas
  • Trump diz que remédio para malária será testado contra coronavírus
  • Argentina impõe quarentena em todo território
  • Freiburg, no sul da Alemanha, anuncia que vai impor quarentena à população

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais