Coronavírus: As principais notícias sobre a pandemia (28/03) | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 28.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Coronavírus: As principais notícias sobre a pandemia (28/03)

Casos confirmados de covid-19 passam de 650 mil no mundo. Espanha registra novo recorde diário de mortes, com 832 vítimas em 24 horas. Brasil acumula 114 mortes e 3.904 casos.

Resumo deste sábado (28/03):

  • Mundo tem mais de 650 mil casos confirmados, mais de 30 mil mortes e 137 mil pacientes recuperados
  • Brasil tem 3.904 casos e 114 mortes, segundo Ministério da Saúde
  • Itália tem mais de 10 mil mortos, cifra mais alta em todo o mundo
  • Alemanha diz que pretende manter medidas restritivas até pelo menos 20 de abril
  • Espanha registra novo recorde diário de mortes, com 832 vítimas em 24 horas
  • Portugal vai tratar estrangeiros como residentes permanentes durante a crise

Transmissão encerrada. As atualizações desta sábado (28/03) estão no horário de Brasília:

20:00 - Mandetta reforça necessidade de limitar circulação de pessoas

Em coletiva de imprensa neste sábado (28/03), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta destoou repetidas vezes de declarações recentes presidente Jair Bolsonaro e reforçou a necessidade de medidas de isolamento no país.

Para o ministro, esse "não é hora de carreatas” e sim o momento de "ficar em casa, parado até que o poder público "consiga colocar os equipamentos na mão dos profissionais que precisam”.

Mandetta chegou a criticar medidas amplas para forçar o isolamento que vêm sendo tomadas por governos estaduais, mas ao mesmo tempo procurou se distanciar das declarações recentes de Bolsonaro que vem instando a população a "voltar à normalidade”.

"Se a gente sair andando todo mundo de uma vez vai faltar [equipamento]  para o rico, para o pobre, para o dono da empresa, para o dono do botequim, para o dono de todo mundo", disse o ministro.

Leia a matéria completa
 

19:00 - Merkel agradece alemães que vêm seguindo orientações, mas diz que não é momento de relaxar

Os alemães têm, no geral, cumprido as orientações para evitar a disseminação do coronavírus, afirmou a chanceler federal Angela Merkel neste sábado.

“Quando vejo que quase todo mundo completamente modificou seu comportamento, como a grande maioria de vocês realmente evitou contato desnecessário, precisamente porque pode também conter o risco de infecção, quero simplesmente dizer: obrigado, obrigado do fundo do meu coração”, afirmou Merkel, em seu podcast semanal.

No entanto, a chanceler disse que "ainda não há razão para relaxar as regras”. Mais cedo, Helge Braun, chefe de gabinete da chanceler, disse que o governo federal não planeja relaxar as atuais restrições à vida pública antes de 20 de abril.

A chanceler permanece em isolamento após ter entrado em contato com um médico que estava infectado com o coronavírus. Segundo o governo alemão, os exames da chanceler não apontaram que ela está contaminada.

A Alemanha soma mais de 53 mil infectados e 395 mortes, segundo a Universidade Johns Hopkins. O Instituto Robert Koch, que contabiliza os números oficiais na Alemanha, fala em 48.582 infecções e 325 mortes.

A Alemanha fechou escolas, lojas, restaurantes, parques e instalações esportivas, e muitas empresas pararam a produção para ajudar a diminuir o ritmo da disseminação.

Para mitigar os efeitos econômicos do isolamento, a Alemanha fechou um pacote de estímulo de 750 bilhões de euros e introduziu medidas que envolvem flexibilizar regras

 

16:36 – Brasil registra mais 22 mortes e 487 novos casos

O número de mortes causadas pelo coronavírus no Brasil subiu para 114 neste sábado, segundo dados divulgados neste sábado pelo Ministério da Sáude. São 22 mortes a mais do que as registradas no país na sexta-feira.

Inicialmente, a pasta divulgou que eram 111 mortes no total, mas depois atualizou o número para 114.

Também foram detectados 487 novos casos de covid-19, elevando o total para 3.904. A taxa de letalidade oficial passou de 2,7% para 2,8%. Das 19 mortes registradas neste sábado, 16 ocorreram no estado de São Paulo. O estado já acumula 84 mortes.

16:31 - Espanha endurece medidas de confinamento

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, anunciou neste sábado que o confinamento devido à pandemia vai ser ampliado a partir de segunda-feira. "Todos os trabalhadores em atividades não essenciais devem ficar em casa", disse o premiê, acrescentando que a medida vai valer até 9 de abril.

Sánchez também disse que funcionários forçados a faltar ao trabalho receberão seu salário normalmente, mas precisarão compensar as horas perdidas em algum momento no futuro.

O premiê justificou esta "medida excecional" com a necessidade de "intensificar a luta contra a propagação do coronavírus" no país e acrescenetou que os espanhóis têm pela frente "dias muito duros". 

"Estes são dias muito difíceis, mas são os dias decisivos. E depois restará uma vida inteira para recordar que a Espanha esteve à altura", disse o premiê.

A Espanha registou, nas últimas 24 horas, 832 novas mortes causada pelo coronavírus, o maior número de vítimas num só dia, elevando o balanço total para 5.690. Os números do Ministério da Saúde espanhol revelam ainda um aumento de 8.189 no número de infetados. Desde o início da pandemia, o país registou um total de 72.248 casos de covid-19.

15:35 - Trump cogita impor quarentena em Nova York e mais dois estados

O presidente dos EUA, Donald Trump, admitiu neste sábado a possibilidade de impor quarentena obrigatória em três estados, incluindo Nova York, para tentar barrar o avanço da pandemia de covid-19 nas regiões mais críticas.

 "Gostaríamos de ter quarentena em Nova York, porque é um ponto crítico. Nova York, Nova Jersey e talvez um ou outro lugar, como algumas partes de Connecticut. Estou pensando nisso agora", disse Trump.

"Podemos não ter de o fazer, mas há uma possibilidade de, em algum momento, ser necessário", explicou o presidente, contradizendo um discurso desta semana no qual afirmou ser necessário que a população regressasse à normalidade para evitar prejudicar a economia.

Trump indicou que, a existir, a quarentena será imposta por um curto período, possivelmente duas semanas, afirmando ter discutido a questão com o governador de Nova York, Andrew Cuomo.

O estado de Nova York contabilizou neste sábado mais 209 mortes por covid-19, elevando o total para 728. O estado ainda apontou que os exames de 52.318  pessoas testaram positivo.

Há ainda  7.328 hospitalizados com o vírus no estado, sendo 1.755 na UTI. Dos contaminados, 2.726 tiveram alta.

15:28 - Estado de Nova York registra mais 209 mortes

O estado de Nova York, epicentro da pandemia da Covid-19 nos Estados Unidos, registrou neste sábado 209 novas mortes, fazendo com que o total chegasse a 728, segundo informou o governador, Andrew Cuomo, em entrevista coletiva.

De acordo com o líder regional, em 24 horas, foram confirmados 7.681 novos casos, elevando para 52.318 o número absoluto do estado. Mais da metade é de pessoas que vivem na cidade de Nova York.

De todos os pacientes internados com a Covid-19, que são 7.328, 1.755 estão em unidades de terapia intensiva. Já 2.726 pessoas tiveram alta até hoje, sendo quase 700 nas últimas 24 horas.

Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, os EUA contabilizam neste sábado 112.468 casos da doença e 1.841 mortes.

14:25 – Itália tem mais de 10 mil mortos por coronavírus

O número de mortos por coronavírus na Itália ultrapassou 10 mil, com 889 vítimas registradas nas últimas 24 horas. A cifra oficial é agora de 10.023, a mais alta em todo o mundo.

Autoridades de saúde do país ainda confirmaram 5.974 novas infecções neste sábado, elevando o total de casos a 92.472 desde o início da crise, no mês passado. Em número de pacientes diagnosticados com covid-19, a Itália só perde para os Estados Unidos, com mais de 100 mil casos.

14:00 – Ministra alemã critica grandes empresas que suspenderão pagamento de aluguel

A ministra da Justiça da Alemanha, Christine Lambrecht, lançou críticas neste sábado às grandes empresas, como Adidas, H&M e Deichmann, que anunciaram que vão suspender o pagamento do aluguel de lojas fechadas na Alemanha devido à crise de coronavírus.

Para a ministra, é indecente e inaceitável que companhias financeiramente estáveis parem de pagar suas locações. "As leis federais de coronavírus não oferecem base para isso. Elas ainda preveem que os locatários devem pagar seus aluguéis", disse Lambrecht.

O pacote anticoronavírus do governo alemão, aprovado na sexta-feira, prevê que locatários poderão ficar os próximos três meses sem pagar aluguel e não poderão ser expulsos por inadimplência. O valor deverá ser pago depois, em até dois anos. Mas a regra vale apenas se o locatário enfrentar problemas para pagar por causa da crise econômica causada pelo coronavírus.

13:40 – Polícia indiana é criticada por uso de violência contra quem viola quarentena

Autoridades na Índia viraram alvo de condenações após vídeos compartilhados nas redes sociais mostrarem policiais espancando e humilhando cidadãos para fazer valer a quarentena compulsória no país. Shashi Tharoor, parlamentar da oposição no Congresso indiano, pediu ao primeiro-ministro Narendra Modi que impeça a polícia de fazer uso da força e da violência.

"Não tenho dúvidas de que a maioria dos policiais faz um trabalho louvável nesses tempos difíceis. No entanto, aqueles que brutalizam cidadãos estão trazendo descrédito aos esforços de todos os outros", escreveu Tharoor em carta publicada no Twitter. "Somos melhores que isso."

Na sexta-feira, autoridades abriram um inquérito para apurar a morte de um motorista de ambulância na cidade de Pune que teria sido espancado pela polícia, informou o jornal Times of India. A polícia suspeita que ele tenha transportado passageiros ilegalmente em seu veículo.

O Times of India também reportou que um homem de 32 anos no estado de Bengala Ocidental morreu na quarta-feira após ser ferido por policiais. A família da vítima afirma que ele foi atingido quando saiu para comprar leite.

No início desta semana, a venda de serviços essenciais, como entregas de alimentos, foi interrompida temporariamente no estado de Maharashtra – onde estão localizadas as cidades de Pune e Mumbai – após surgirem relatos de que pessoas que estavam saindo de suas casas eram espancadas pela polícia.

13:20 – Justiça suspende campanha "O Brasil não pode parar"

A Justiça Federal do Rio de Janeiro mandou suspender neste sábado a campanha "O Brasil não pode parar", lançada pelo governo de Jair Bolsonaro nesta semana para pregar o fim de medidas de isolamento social e incentivar a reabertura do comércio, apesar da pandemia de coronavírus.

A decisão, que atendeu a um pedido do Ministério Público Federal, proíbe a divulgação da campanha por rádio, TV, jornais, revistas e sites.

A juíza plantonista Laura Bastos Carvalho ainda determinou que o governo se abstenha de veicular qualquer outra campanha que sugira à população "comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas, emitidas pelo Ministério da Saúde, com fundamento em documentos públicos, de entidades científicas de notório conhecimento no campo da epidemiologia e da saúde pública".

Leia a notícia completa

12:50 – Rússia anuncia fechamento de todas as suas fronteiras

A Rússia anunciou que vai fechar totalmente as suas fronteiras – rodoviárias, ferroviárias e marítimas – a partir da próxima segunda-feira e temporariamente, para tentar travar a propagação do novo coronavírus. 

O governo russo já tinha decretado, a partir deste sábado e até 5 de abril, o encerramento de várias atividades comerciais, recomendando aos cidadãos que limitem seus deslocamentos. O país soma 1.264 casos confirmados e quatro mortes por covid-19, segundo a Universidade Johns Hopkins.

12:30 – Portugal vai tratar estrangeiros como residentes permanentes durante a crise

Todos os estrangeiros com pedidos pendentes de moradia em Portugal serão tratados como residentes permanentes a partir da próxima segunda-feira até pelo menos 1º de julho, como forma de garantir que os imigrantes tenham acesso a serviços públicos durante a pandemia de coronavírus.

Esses estrangeiros, incluindo requerentes de refúgio, precisarão apenas fornecer uma prova de que têm um pedido pendente no país, e assim poderão usufruir do serviço nacional de saúde e de benefícios sociais, bem como abrir contas bancárias e fechar contratos de aluguel e emprego.

"Pessoas não devem ser privadas de seus direitos à saúde e ao serviço público só porque seus pedidos ainda não foram processados", disse Cláudia Veloso, porta-voz do Ministério do Exterior português, à agência de notícias Reuters.

Portugal registrou 5.170 casos confirmados de coronavírus e 100 mortes, muito abaixo da vizinha Espanha. As autoridades de saúde esperam que os casos atinjam o pico no final de maio.

Não se sabe quantas pessoas têm pedidos de residência em andamento, mas as estatísticas do governo mostram que um recorde de 580 mil imigrantes residia em Portugal em 2019, e 135 mil pessoas receberam permissão de residência apenas naquele ano.

Segundo dados oficiais, os brasileiros compõem a maioria dos imigrantes, seguidos por romenos, ucranianos, britânicos e chineses.

Pessoas esperam em fila de farmácia no Porto, em Portugal

​​

12:00 – Índia quer transformar trens em enfermarias

Autoridades da Índia pretendem criar enfermarias de isolamento para pacientes com coronavírus em vagões de trem, como uma das medidas para preparar a infraestrutura de saúde do país para um aumento no número de infecções.

Nesta semana, a população indiana de 1,3 bilhão de pessoas foi posta em quarentena no maior isolamento compulsório do mundo, o que deixou parados os trens do país.

Em comunicado neste sábado, o serviço ferroviário da Índia, Indian Railways, afirmou que um protótipo de enfermaria já foi criado em Kamakhya, no estado de Assam. Cada vagão terá capacidade para atender nove pacientes, informou o ministro indiano de Ferrovias e Comércio, Piyush Goyal.

Segundo a Indian Railways, assim que receberem a devida autorização, o plano é que cada uma das 16 zonas ferroviárias da Índia transforme dez vagões em enfermarias por semana.

11:30 – Amazonas tem ao menos dois indígenas infectados, diz jornal

O jornal O Globo publicou neste sábado que ao menos dois indígenas da etnia tikuna receberam diagnóstico positivo para o novo coronavírus no município de Santo Antônio do Içá, no sudoeste do Amazonas, a 880 quilômetros de Manaus e 250 quilômetros da fronteira com a Colômbia.

Segundo o diário carioca, a informação foi confirmada após uma reunião de prefeitos da região do Alto Solimões. A Secretaria de Saúde amazonense deve oficializar os casos ainda neste sábado.

Os dois infectados são homens, não falam português e estão isolados em casa, informou O Globo. Eles fizeram recentemente uma longa viagem de barco ao lado de outros 106 passageiros. Um deles é um médico que atende o povoado e que também recebeu teste positivo para a doença.

11:00 –  China envia ajuda médica ao Paquistão

O governo chinês enviou suprimentos médicos, como ventiladores e máscaras, e profissionais de saúde para ajudar o Paquistão a combater a pandemia de coronavírus. A aeronave com a assistência foi recebida neste sábado pelo ministro do Exterior paquistanês, Shah Mahmood Qureishi.

O Paquistão é um elo fundamental do ambicioso projeto chinês One Belt One Road [Iniciativa do Cinturão e Rota – BRI, na sigla em inglês], de vários bilhões de dólares, ligando o sul e o centro da Ásia à China. Pequim é também um importante fornecedor militar do Paquistão, tendo fornecido ao país mísseis capazes de transportar armas atômicas.

Com uma população de 220 milhões de pessoas, o Paquistão tem 1.408 casos confirmados de coronavírus, além de 11 mortes. A maioria dos infectados são pessoas vindo do vizinho Irã.

10:40 – Alemanha recebe pacientes da Itália

A Luftwaffe (Força Aérea alemã) anunciou que começou a transportar pacientes graves com coronavírus da Itália para a Alemanha. A corporação disse que aviões do tipo MedEvac Airbus, especialmente projetados para transporte médico, estavam sendo usados e que oficiais médicos militares estavam ajudando na locomoção.

Na manhã deste sábado, a Luftwaffe embarcou seis pacientes com covid-19 em Bérgamo, no norte da Itália, onde os serviços de saúde estão sobrecarregados. Os pacientes serão levados para o aeroporto de Colônia e transportados para diferentes hospitais para tratamento, informou a Força Aérea alemã.

A ministra da Defesa da Alemanha, Annegret Kramp-Karrenbauer, chamou o transporte de pacientes de "um importante sinal de solidariedade". "A Europa deve permanecer unida", acrescentou em comunicado no Twitter.

Leia a reportagem completa

10:10 – Japão está em fase crítica, diz primeiro-ministro

O premiê japonês, Shinzo Abe, afirmou que o país se encontra num estágio crítico na luta contra a pandemia de coronavírus, embora não a ponto de declarar estado de emergência, e prometeu um pacote sem precedentes de medidas para proteger a economia japonesa.

Abe disse que as medidas "enormes e poderosas" incluirão estímulo fiscal, medidas monetárias e incentivos fiscais para as empresas, embora os detalhes não tenham sido finalizados.

"Estamos num estágio crítico. Precisamos estar prontos para uma batalha de longo prazo", afirmou Abe em entrevista coletiva na televisão nacional, acrescentando: "Quero ser direto sobre isso."

As infecções no Japão subiram para mais de 1.500, com 52 mortes, excluindo as de um navio de cruzeiro colocado em quarentena no mês passado, segundo a emissora pública NHK.

09:55 – Polícia da África do Sul prende 55 pessoas no primeiro dia de quarentena

O ministro sul-africano da Polícia, Bheki Cele, afirmou que 55 pessoas foram presas no país no primeiro dia de quarentena compulsória, alertando que todos aqueles que violarem a medida enfrentarão "o pleno poder da lei". 

Segundo o Serviço de Polícia da África do Sul, alguns dos detidos foram flagrados reunidos em grupos e ingerindo bebidas alcoólicas. "Esta guerra em que nos encontramos não é uma guerra contra qualquer cidadão, mas contra um inimigo comum, o coronavírus", disse Cele.

A África do Sul impôs na noite da última quinta-feira uma quarentena de três semanas em todo o território, na tentativa de diminuir a propagação da covid-19. Apenas serviços essenciais estão funcionando, como supermercados e hospitais. As fronteiras do país estão fechadas.

Policial em Johanesburgo, na África do Sul

Policial em Johanesburgo, na África do Sul

09:25 – ONU tem 86 funcionários infectados em vários países

Um total de 86 funcionários das Nações Unidas em todo o mundo contraíram o vírus causador da covid-19, informou o porta-voz Stéphane Dujarric. Oficiais da organização na Europa foram os mais afetados, mas também há casos confirmados na África, Ásia, Oriente Médio e Estados Unidos. Muitos funcionários da ONU estão fazendo home office desde o início da pandemia.

09:00 – Wuhan começa a retomar vida de antes da quarentena

A cidade chinesa de Wuhan, onde o novo coronavírus surgiu pela primeira vez, começou a relaxar suas medidas restritivas após dois meses de quarentena estrita. Os serviços de metrô voltaram a funcionar, e os serviços de trem de alta velocidade para a cidade foram retomados.

Mas algumas medidas ainda vigoram, com a grande maioria das lojas ainda fechada e bloqueios de rua sendo mantidos. Wuhan não permitirá que as pessoas deixem a cidade até 8 de abril, quando o aeroporto também deverá reabrir para voos internos.

Wuhan é a capital da província de Hubei, onde foram registradas 3.177 mortes por covid-19. A China confirmou 54 infecções importadas do exterior nas últimas 24 horas, mas nenhum novo caso transmitido internamente.

Pessoas usando máscaras entram no metrô em Wuhan

Serviços de metrô voltaram a funcionar na cidade chinesa de Wuhan, onde o vírus surgiu pela primeira vez

08:30 – Imagens mostram impacto da crise no setor aéreo

O site Flightradar24, que monitora o tráfego aéreo no mundo, publicou imagens que comparam o número de aviões no céu da Europa na noite desta sexta-feira, 27 de março, e quatro semanas antes, em 28 de fevereiro. Os mapas mostram bem o impacto da crise da covid-19 no setor da aviação.

07:55 – Espanha registra novo recorde diário de mortes

A Espanha confirmou 832 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, marcando um novo recorde diário de óbitos no país. Ao todo, já são 5.690 mortos. Segundo o Ministério da Saúde espanhol, o número de infectados subiu de 64.059 na sexta-feira para 72.248 neste sábado, um aumento de mais de 8 mil casos confirmados.

O país é o quarto do mundo em número de infecções, atrás de Estados Unidos, Itália e China, e o segundo em número de mortos, perdendo somente para a Itália, onde mais de 9 mil pessoas morreram após contraírem o vírus.

07:40 – Mortes no Irã passam de 2.500

O Irã anunciou mais 139 mortes em decorrência da covid-19, elevando o número oficial de mortos a 2.517 em um dos países mais afetados pelo novo coronavírus. Em coletiva de imprensa, o porta-voz do Ministério da Saúde Kianoush Jahanpour afirmou ainda que 3.076 novas infecções foram confirmadas nas últimas 24 horas. Assim, o total de casos chega a 35.408.

Segundo Jahanpour, há 3.026 pacientes em estado crítico no país, enquanto 11.679 pacientes se recuperaram da doença. Ao todo, 57 milhões de iranianos já foram testados para o vírus – o porta-voz afirmou que esses dados têm sido "significativos" e têm ajudado as autoridades de saúde no combate à covid-19 ao detectar mais cedo as infecções.

07:00 – Alemanha manterá medidas restritivas até pelo menos 20 de abril

A Alemanha não planeja relaxar as atuais restrições à vida pública antes de 20 de abril, afirmou Helge Braun, chefe de gabinete da chanceler federal alemã, Angela Merkel.

"Não discutiremos nenhum relaxamento [das restrições] até 20 de abril e, até então, todas as medidas permanecerão em vigor", disse Braun ao jornal Der Tagesspiegel, acrescentando que, após a Páscoa, deverá ficar claro se as restrições retardaram a propagação do coronavírus.

"Se conseguirmos diminuir a taxa de infecção para que leve dez, 12 ou mais dias para os casos dobrarem, saberemos que estamos no caminho certo", afirmou a chefe de gabinete. Atualmente, as taxas de infecção por coronavírus na Alemanha dobram a cada três a cinco dias.

O país soma mais de 53 mil infectados e 395 mortes, segundo a Universidade Johns Hopkins. O Instituto Robert Koch, que contabiliza os números oficiais na Alemanha, fala em 48.582 infecções e 325 mortes.

06:05 – Casos confirmados passam de 600 mil no mundo

O número de infecções por coronavírus em todo o mundo já passou de 600 mil, de acordo com a contagem feita pela Universidade Johns Hopkins. Como muitos países têm testado apenas os casos mais graves, é provável que a cifra global seja muito maior.

Segundo o levantamento da universidade americana, mais de 602 mil pessoas foram infectadas em todo o mundo, enquanto mais de 27 mil mortes foram atribuídas à doença covid-19. Mais de 131 mil pessoas se recuperaram da enfermidade.

Os Estados Unidos são o país com maior número de infecções, com quase 105 mil, seguidos pela Itália, com mais de 86 mil, e da China, com quase 82 mil.

00:00 – Resumo dos principais acontecimentos de sexta-feira (27/03):

  • Brasil tem 3.417 casos e 92 mortes, segundo Ministério da Saúde
  • Itália bate novo recorde diário de mortes: 919
  • Boris Johnson é diagnosticado com coronavírus
  • Merkel diz que não vai afrouxar medidas restritivas contra avanço do vírus

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter