Coreia do Norte mostra força em desfile militar | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coreia do Norte mostra força em desfile militar

Pyongyang exibe mísseis balísticos intercontinentais em parada homenageando o aniversário do fundador do Estado comunista. País isolado afirma que vai responder a qualquer agressão americana com "guerra total".

default

Para militar homenageia aniversário de Kim Il-sung em Pyongyang

Neste sábado (15/04), o regime comunista da Coreia do Norte utilizou as comemorações do 105° aniversário de nascimento de Kim Il-sung, o "eterno presidente" do país e avô do atual ditador, Kim Jong-un, para exibir seu poderio militar e sinalizar para os Estados Unidos a sua disposição para a guerra.

Entenda: A complexa equação chamada Coreia do Norte

Com a Marinha americana instalada perto da Península da Coreia e especialistas especulando que Pyongyang estaria preparando outro teste nuclear, as tensões na região aumentaram nos últimos dias.

Acompanhado de música marcial e grande público, o desfile militar deste sábado revelou o que parece ser um aparato militar norte-coreano cada vez mais sofisticado, incluindo mísseis balísticos.

"Nós responderemos a uma guerra total com uma guerra total e atômica, com o nosso estilo de ataque nuclear", afirmou Choe Ryong-hae, um oficial norte-coreano do alto escalão. Segundo analistas externos, Choe é considerado a autoridade mais importante do país após Kim Jong-un.

Nordkorea Militärparade in Pjöngjang

Coreia do Norte mostra mísseis balísticos em desfile

Ataque sem piedade

Os recentes bombardeios americanos na Síria e no Afeganistão alimentaram temores de um possível ataque dos EUA à Coreia do Norte. O país comunista tem realizado regularmente testes nucleares e de foguetes, desafiando as resoluções e sanções das Nações Unidas.

Recentemente, os norte-coreanos ameaçaram lançar uma resposta "sem piedade" contra alvos americanos, incluindo a força naval deslocada recentemente pelos EUA.

"Quanto mais perto se aproximarem grandes alvos, como porta-aviões de propulsão nuclear, maior será o impacto dos ataques impiedosos", informou declaração divulgada pela agência de notícias estatal KCNA.

Nordkorea Militärparade in Pjöngjang (Reuters/D. Sagolj)

Desfile em Pyongyang em homenagem a fundador do Estado norte-coreano. Na foto, estátua de Kim Il-sung e de seu filho e sucessor, Kim Jong-il

Trump, China e Rússia

Nesta quinta-feira, o presidente americano, Donald Trump, abordou a situação da Coreia do Norte depois de os Estados Unidos terem lançado uma bomba não nuclear no leste do Afeganistão, o dispositivo convencional mais potente do arsenal bélico americano. "A Coreia do Norte é um problema, o problema será tratado", afirmou Trump, que esteve reunido na semana anterior com o presidente chinês, Xi Jinping.

Nordkorea Militärparade in Pjöngjang Kim Jong Un

Ditador Kim Jong-un acena para multidão em desfile militar em homenagem a seu avô

Preocupada com o ressurgimento de tensões na Coreia do Norte, a Rússia exortou na sexta-feira todas as partes a evitar qualquer ação que possa ser interpretada como uma provocação. "Moscou está acompanhando com grande preocupação as tensões crescentes na Península Coreana. Apelamos a todos os países para mostrar moderação e evitar qualquer ação que possa ser interpretada como uma provocação", disse o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov.

Em encontro com colega de pasta francês, na sexta-feira, o ministro chinês do Exterior, Wang Yi, pediu a todas as partes para retomar o diálogo e não deixar que as coisas evoluam até um ponto irreversível e incontrolável. "Se houver uma guerra, o resultado será uma situação em que todos perdem e ninguém ganha", assegurou Wang em coletiva de imprensa junto a Jean-Marc Ayrault.

"Exigimos um fim das provocações e ameaças, antes que a situação não possa mais ser salva", afirmou Wang na ocasião. "A China é da opinião de que o diálogo é a única solução", acrescentou o ministro chinês.

CA/ap/dpa/afp/efe/dw

Leia mais