Coreia do Norte divulga mensagem de Kim Jong-un em meio a rumores sobre morte do ditador | Notícias internacionais e análises | DW | 27.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Coreia do Norte divulga mensagem de Kim Jong-un em meio a rumores sobre morte do ditador

Dirigente não é visto em público há mais de duas semanas, provocando especulações sobre sua saúde. Texto não é acompanhado de imagem recente. Coreia do Sul reitera não ter observado atividades incomuns no país vizinho.

Kim Jong-un fala em frente a microfones e com uma cortina vermelha ao fundo

Kim Jong-um assumiu o poder em 2011, após a morte do seu pai. Obeso e fumante, ele é frequentemente alvo de especulações sobre sua saúde

A imprensa oficial da Coreia da Norte reproduziu nesta segunda-feira (27/04) uma mensagem de agradecimento assinada pelo ditador Kim Jong-un a um grupo de trabalhadores, numa ação que pode ser encarada como uma tentativa de afastar especulações sobre a saúde do dirigente. Ainda assim, não foram divulgadasimagens recentes do ditador, que não é visto em público há duas semanas.

Notícias veiculadas pela imprensa americana na semana passada afirmaram que ele estaria em estado grave após um procedimento cardiovascular. Nos últimos dias, surgiram especulações de que ele pode estar incapacitado ou mesmo morto. Há ainda especulações de que o ditador pode estar se isolando com medo da pandemia de covid-19. Obeso e fumante, Kim está entre os grupos de risco da doença.

Mas adversários do país, como a Coreia do Sul e Estados Unidos, preferiram minimizar as especulações.       

Nas últimas duas semanas, Kim faltou às comemorações do aniversário de seu avó, Kim Il-sung, o fundador do Coreia comunista. O aniversário é considerado a data mais importante do país, controlado com mão de ferro pela família Kim desde 1948. A última aparição de Kim Jong-un foi no último dia 12, quando ele presidiu a uma reunião do gabinete político do seu partido único.

O ministro da Unificação da Coreia do Sul, Kim Yeon-chul, disse durante um fórum, realizado a portas fechadas em Seul no domingo, que os sul-coreanos têm “inteligência suficiente para dizer com confiança que não há desenvolvimentos incomuns” no país vizinho que possam corroborar as especulações sobre a saúde de Kim Jong-un, de acordo com seu ministério.

O ministro disse que não revelaria quais informações específicas levaram à conclusão, mas enfatizou que houve uma complexa análise sobre o assunto.

Por sua vez, Moon Chung-in, consultor especial de segurança do presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse, também no domingo, à emissora americana Fox News que Kim "está vivo e bem", enquanto a revista Newsweek afirmou que Washington também não detectou nenhuma atividade militar norte-coreana fora do comum.

Sumiço e mensagem 

A mensagem divulgada por Kim nesta segunda-feira foi publicada pelo Rodong, principal jornal norte-coreano, para trabalhadores que atuam no projeto de turismo na península de Kalma, na cidade de Wonsan, precisamente o local onde imagens de satélite mostraram que seu trem especial está estacionado.

O artigo do jornal começa dizendo que Kim "agradeceu aos trabalhadores que apoiaram ativamente com seus esforços a construção do distrito turístico de Wonsan Kalma", um dos grandes projetos do regime de Pyongyang, que antes da pandemia da Covid-19 esperava inaugurar neste mês.

A mensagem de Kim enumera e agradece várias pessoas encarregadas de supervisionar a construção, logística ou assistência médica dos trabalhadores, mas não menciona mais detalhes sobre o líder norte-coreano.

Os rumores sobre a saúde de Kim começaram depois que ele faltou em 15 de abril à comemoração do 108º aniversário de seu avô. Kim Jong-um é a terceira geração de sua família para governar a Coreia do Norte, e ele não havia perdido o evento desde que assumiu o poder após a morte de seu pai, Kim Jong Il, no final de 2011.

A Coreia do Norte é um regime extremamente fechado e secreto, especialmente no que se refere à sua liderança. O pai e o antecessor de Kim, Kim Jong Il, estava morto há dois dias antes que alguém fora dos círculos mais íntimos da liderança tivesse conhecimento do óbito. 

Linha de sucessão

Há notícias de que Kim tem três filhos – apenas o sexo do segundo, uma menina, é conhecido –, mas eles são jovens demais para assumir o cargo.

A irmã do ditador, Kim Yo-jong, é um de seus conselheiros mais próximos, tendo atuado como enviada para as Olimpíadas de Inverno da Coreia do Sul, acompanhando-o em suas incursões diplomáticas e emitindo recentemente declarações políticas em seu próprio nome.

 Kim Yo-jong, Irmã de Kim Jong-un

Kim Yo-jong, irmã do líder norte-coreano, é o parente mais proeminente do ditador

Ela é membro suplente do politburo do Partido dos Trabalhadores, e atualmente é o parente mais proeminente de Kim, mas a Coreia do Norte é socialmente ultraconservadora e nunca teve uma mulher como líder.
O meio-irmão mais velho de Kim, Kim Jong Nam – que tradicionalmente poderia sucedê-lo – foi assassinado em 2017, borrifado com um agente nervoso mortal no aeroporto internacional de Kuala Lumpur, em um assassinato que a maioria dos analistas diz que só poderia ter partido de Pyongyang.

Kim tem um irmão mais velho, Kim Jong Chol, que é conhecido por ser um fã de Eric Clapton e que não demonstra ambição política.

Há também a esposa de Kim, Ri Sol Ju, que desfruta de um perfil público de maior destaque do que suas antecessores e recebeu o título de primeira-dama em 2018.

Kim Pyong Il, meio-irmão de seu pai Kim Pyong Il – a árvore genealógica Kim é complicada pelo fato de vários de seus membros terem uma série de esposas ou consortes – foi o embaixador do Norte em vários países do Leste Europeu por décadas.  Mas ele foi convocado de volta a Pyongyang no ano passado da República Tcheca, seu posto mais recente. E desde então, não há notícias sobre ele.

Não há notícias sobre se Kim designou um sucessor, mas oficialmente o número dois é Choe Ryong Hae, membro do principal órgão de decisão do partido único e primeiro vice-presidente do Conselho de Assuntos de Estado, o principal órgão do governo do país.

Ele é extremamente poderoso e também pode estar relacionado à família Kim por casamento: nunca foi confirmado se Kim Yo Jong é casada, mas a mídia sul-coreana já relatou, citando fontes não identificadas, que seu marido é filho de Choe.

MD/afp/ap/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

 

Leia mais