Coreia do Norte dispara mais mísseis e rejeita diálogo com Seul | Notícias internacionais e análises | DW | 16.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Coreia do Norte dispara mais mísseis e rejeita diálogo com Seul

Esse é o sexto teste do tipo em menos de um mês. Pyongyang reiniciou lançamentos em protesto pelas manobras conjuntas de EUA e Coreia do Sul. e afirma que não conversará mais com país vizinho.

Lançamento de míssil

Lançamentos da Coreia do Norte são protesto por manobras militares de EUA e Coreia do Sul

A Coreia do Norte lançou nesta sexta-feira (16/08) dois mísseis a partir de sua costa oriental, de acordo com autoridades militares da Coreia do Sul. Este é o sexto teste do país com este tipo de projétil, de curto alcance, desde 25 de julho, quando Pyongyang reiniciou testes de foguetes visando pressionar a Coreia do Sul e os Estados Unidos a suspenderem os  exercícios militares conjuntos.

De acordo com Seul, os projéteis foram disparados perto da cidade de Tongchon, na província de Kangwon, e caíram no Mar Oriental, também chamado de Mar do Japão. Militares de Coreia do Sul e EUA "estão monitorando a situação para o caso de lançamentos adicionais", informou o órgão em comunicado. O lançamento desta sexta-feira ocorre seis dias depois do último teste deste tipo realizado pela Coreia do Norte, que supostamente disparou dois mísseis balísticos de curto alcance também no Mar do Japão.

O teste trancorreu no mesmo dia em que a imprensa estatal norte-coreana divulgou um comunicado do Comitê para a Reunificação do Pacífico, criticando a Coreia do Sul e suas manobras militares conjuntas com os americanos, assim como declarações feitas pelo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, na quinta-feira. Em discurso por ocasião do aniversário da libertação da Coreia da ocupação japonesa, Moon Jae-in afirmou que seu objetivo é "alcançar a paz e a unificação até 2045", embora seu mandato termine em 2022.

A Coreia do Norte responsabilizou Seul pelo atual congelamento das negociações binacionais, afirmando que as suspenderia. "Não temos nada mais a falar com as autoridades sul-coreanas, nem temos intenção de voltar a conversar com elas", anuncia o comunicado, reproduzido pela agência oficial KCNA.

O comitê do regime de Pyongyang acrescenta que tanto as manobras como a decisão de Seul de reforçar seus radares e interceptadores antimísseis estão destinados a "destruí-la". A Coreia do Norte já ameaçou diversas vezes buscar "um novo caminho" alternativo à mediação de Seul, caso o governo sul-coreano mantenha as atividades com os EUA, consideradas uma ameaça.

MD/efe/lusa/afp/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais