Coreia do Norte ameaça cancelar encontro com Trump | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coreia do Norte ameaça cancelar encontro com Trump

Pyongyang rechaça "desnuclearização unilateral" e coloca aguardada cúpula com presidente americano em risco. País também suspende reunião de alto nível com Coreia do Sul em meio a exercício militares.

Encontro entre Kim e Trump foi marcado para 12 de junho

Encontro entre Kim e Trump foi marcado para 12 de junho

A Coreia do Norte suspendeu uma reunião de alto nível com a Coreia do Sul, programada para a quarta-feira, e ameaçou cancelar o encontro histórico entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, caso Washington não reconsidere o que chamou de "desnuclearização unilateral".

Segundo agência de notícias sul-coreana Yonhap, a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA afirmou nesta terça-feira (15/05) que Pyongyang considerava suspender a cúpula com Trump, marcada para 12 de junho em Cingapura.

O encontro entre Kim e Trump seria o primeiro entre líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte em 70 anos de conflito, que começou com a Guerra da Coreia (1950-1953) e há pelo menos 25 anos é tema de negociações fracassadas.

"Se os EUA estiverem tentando nos encurralar para forçar nosso abandono nuclear de modo unilateral, não estaremos interessados em dialogar e poderemos apenas reconsiderar nossa posição referente à cúpula entre a República Popular Democrática da Coreia e os EUA", afirmou o vice-ministro norte-coreano do Exterior, Kim Kye-gwan, citado pela KCNA.

"Já declaramos nossa intenção de desnuclearizar a Península da Coreia e deixamos claro em várias ocasiões que a pré-condição para a desnuclearização é o fim das políticas hostis, ameaças nucleares e chantagens dos EUA", afirmou o vice-ministro.

O político norte-coreano rechaçou comentários do assessor de segurança nacional de Trump, John Bolton, que sugeriu que, nos mesmos moldes do que vez a Líbia, a Coreia do Norte rapidamente entregasse seu arsenal nuclear aos Estados Unidos e a outros países.

"Provocação militar intencional"

A decisão de Pyongyang quanto à Coreia do Sul e a ameaça quanto ao encontro com Trump também foram anunciadas em meio a exercícios militares anuais conjuntos de Seul e Washington iniciados na última sexta-feira. A Coreia do Norte considera as manobras militares uma provocação, o que põe em risco os avanços diplomáticos alcançados nos últimos meses.

O encontro desta quarta-feira entre autoridades das duas Coreias estava marcado para ocorrer em Panmunjom, na fronteira entre os dois países, e visava criar condições para negociações mediadas pela Cruz Vermelha Internacional para reduzir a tensão entre as nações vizinhas e reiniciar o processo de reunificação de famílias separadas pela guerra na Península Coreana.

"Esse exercício, do qual somos alvo, que está sendo realizado ao longo da Coreia do Sul, é um desafio flagrante à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai contra desenvolvimentos políticos na península coreana", disse a KCNA.

As manobras militares conjuntas entre EUA e Coreia do Sul estão programados para durar duas semanas e contam com a participação de cerca de 100 aviões de guerra.

Apesar das ameaças norte-coreanas, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que continua planejando o encontro entre Trump e o líder norte-coreano.

"Kim havia dito anteriormente que entende a necessidade e a utilidade dos Estados Unidos e da Coreia do Sul de continuarem com os exercícios conjuntos", destacou a porta-voz do departamento Heather Nauert.

Os anúncios da Coreia do Norte foram feitos após a divulgação de imagens de satélite que revelaram que Pyongyang começou a desmantelar o centro de testes nucleares Punggye-ri, no nordeste do país. No local, foram realizados seis testes nucleares subterrâneos. O último e mais potente ocorreu em setembro do ano passado.
 
No final de abril, durante o encontro histórico entre Kim e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, Pyongyang se comprometeu a trabalhar para a desnuclearização da Península da Coreia, além de encerrar os testes de mísseis. 

CN/RC/rtr/ap/lusa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados