Contra 4ª onda de covid, Alemanha lança semana da vacinação | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Contra 4ª onda de covid, Alemanha lança semana da vacinação

Mais de 30% da população alemã ainda não foi imunizada, e governo quer aumentar taxa de totalmente vacinados antes da chegada do inverno. Campanha nacional inclui vacinação em centros comerciais e no transporte público.

Homem recebe vacina contra o coronavírus em Stuttgart, no sul da Alemanha

Homem recebe vacina contra o coronavírus em Stuttgart, no sul da Alemanha

A luta contra a pandemia de coronavírus na Alemanha ganhou um novo reforço a partir desta segunda-feira (13/09), com o lançamento de uma nova campanha de vacinação que pretende aumentar o número de pessoas totalmente imunizadas antes da chegada do inverno europeu.

Cada cidadão poderá receber a vacina gratuitamente e sem agendamento de horário em centros de vacinação móveis em diversos locais, como bibliotecas, instalações esportivas, locais de culto, no transporte público e em centros comerciais. O objetivo é tentar evitar uma quarta onda da pandemia no país.

A atual campanha de vacinação será realizada até 19 de setembro. Mas Helge Braun, chefe da Casa Civil no governo da chanceler federal Angela Merkel, afirmou neste domingo, em entrevista à emissora alemã ZDF, que os centros de vacinação móveis devem continuar funcionando nas próximas semanas.

"Se não fizermos nada, a quarta onda da pandemia será quase certa", afirmou Braun. Isso resultaria, por exemplo, no cancelamento de cirurgias marcadas para vacinados, porque pessoas não imunizadas estão ocupando leitos de hospitais.

Sensibilização dos que não querem se vacinar

O virologista Martin Stürmer afirmou ao programa Morgenmagazin, da emissora alemã ARD, que, além de campanhas de vacinação, há a necessidade de sensibilizar as pessoas que não querem se imunizar. Ele apontou que mais de 30% da população alemã ainda não foi vacinada e que, se muitos não forem convencidos a se imunizar, o sistema de saúde poderá ficar sobrecarregado.

Ele pediu que a taxa de incidência de novas infecções dos últimos sete dias "fosse incluída novamente na determinação do parâmetro para decidir se restrições devem ser aplicadas". No outono, segundo ele, os números podem voltar a subir significativamente, mas a evolução das infecções depende, em grande parte, de "como será o progresso da vacinação".

A Associação de Municípios apelou por uma maior divulgação da campanha de vacinação nas redes sociais. Para a organização, é sempre útil quando celebridades das artes, cultura e esportes reconhecem claramente a vacinação e convocam a população a se imunizar.

"Assim como temos embaixadores, também deveríamos ter embaixadores da imunização", afirmou o diretor Gerd Landsberg ao jornal alemão Rheinische Post. "A campanha que agora se inicia deve ser feita de forma contínua, ou seja, nos próximos meses. Caso contrário, perderemos a luta contra a quarta onda."

No domingo, Merkel pediu aos cidadãos que não percam a oportunidade de receberem os imunizantes. "Nunca foi tão fácil e rápido ser vacinado", frisou.

Cerca de 62% das pessoas na Alemanha foram totalmente vacinadas contra o coronavírus, e 66,5% receberam ao menos uma dose. Ultimamente, a taxa de imunização vem aumentando de forma lenta e, segundo especialistas, pelo menos 75% das pessoas deveriam ser imunizadas para achatar a curva de infecções – e uma adesão ainda maior à imunização seria necessária para evitar uma quarta onda da pandemia na Alemanha.

fc/lf (Reuters, dpa, outras)

Leia mais