Conselho de Segurança aprova cessar-fogo na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 24.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Oriente Médio

Conselho de Segurança aprova cessar-fogo na Síria

Resolução pede que combates sejam suspensos por 30 dias para atendimento de feridos. Texto original é alterado por exigência da Rússia, uma aliada de Assad. Semana de bombardeios em Ghouta Oriental deixa 500 mortos.

default

Voluntário em meio aos destroços em Ghouta Oriental, alvo de intensos bombardeios a há uma semana

O Conselho de Segurança da ONU aprovou neste sábado (24/02), por unanimidade, uma resolução que determina um cessar-fogo humanitário de um mês na Síria. O objetivo é possibilitar o envio de ajuda médica e a retirada de pessoas que necessitem de atendimento em áreas disputadas.

Leia mais: Quais interesses cada país tem na guerra da Síria?

O texto foi aprovado depois de uma semana de intenso bombardeio, pelo regime sírio, sobre a região de Goutha Oriental, um enclave dominado por grupos rebeldes.

Mais de 500 civis, incluindo 127 crianças, foram mortos na região desde que o governo sírio iniciou a ofensiva, no fim de semana passado, afirmou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma ONG baseada em Londres. Ao menos 35 pessoas morreram apenas neste sábado, incluindo oito crianças.

Estimativas afirmam que o número de feridos pode chegar a 2.400. Hospitais estão impossibilitados de prestar atendimento por causa dos bombardeios, afirmou o Observatório.

Syrien - Luftangriffe auf Rebellengebiet Ost-Ghuta

Voluntários prestam atendimento a criança ferida em Ghouta Oriental

A votação foi adiada várias vezes por causa da incapacidade de os 15 membros do conselho chegarem a um consenso. A Rússia, uma aliada do regime do presidente Bashar al-Assad, exigiu mudanças no esboço original, elaborado pela Suécia e pelo Kuwait. Países ocidentais acusaram os russos de estarem atrasando a votação para ganhar tempo.

Para ganhar o apoio da Rússia, a Suécia e o Kuwait alteraram o texto original para retirar a exigência de que o cessar-fogo entrasse em vigor 72 horas depois da aprovação da resolução. Também a exigência de envio "imediato" de auxílio foi retirada.

Após intensas negociações, a votação da resolução ocorreu cerca de duas horas depois do inicialmente previsto. "Não é um acordo de paz para a Síria, o texto é puramente humanitário", disse o embaixador da Suécia na ONU, Olof Skoog.

O cessar-fogo não valerá nas áreas em que estão sendo travados combates contra grupos jihadistas, como o "Estado Islâmico".

Segundo diplomatas, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que descreveu Ghouta Oriental como o "inferno na Terra", deve informar o Conselho de Segurança sobre a situação no país passados 15 dias do cessar-fogo.

AS/afp/dpa/lusa

Leia mais