Comunistas russos querem proibir série ″Chernobyl″ | Notícias internacionais e análises | DW | 14.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Comunistas russos querem proibir série "Chernobyl"

Produção da HBO que retrata o desastre nuclear de 1986 gera amplo debate na Rússia. Partido comunista diz que série "demoniza" o regime soviético e pede às autoridades que proíbam exibição e punam seus criadores.

Série Chernobyl da HBO foi bem recebida na Rússia

Em geral, série "Chernobyl", da HBO, foi bem recebida na Rússia, apesar de algumas críticas

O partido Comunistas da Rússia (KR, na sigla em russo) pediu às autoridades do país que proíbam a exibição da popular minissérie Chernobyl, da HBO, alegando que a produção americana "demoniza" o regime soviético e a população russa.

"Se tivermos sentimento de dignidade como povo e como Estado, a Rússia deve dar uma resposta aos criadores da série", afirmou em nota o deputado Serguei Malinkovich, um dos dirigentes do KR. "Devemos mover causas penais contra o diretor, o roteirista e o produtor executivo da série por calúnias públicas."

O parlamentar acrescenta que, em Chernobyl, "uma autêntica tragédia foi convertida em objeto de manipulacao ideológica por parte da emissora HBO". "A série de televisão sobre os dramáticos acontecimentos de abril de 1986 é uma ferramenta ideológica desenhada para desprestigiar e demonizar a imagem dos dirigentes e do povo soviético."

Malinkovich reconhece que a prisão dos responsáveis pela série é uma tarefa difícil de se cumprir, mas sugere que ao menos a entrada deles na Rússia seja proibida. Também disse esperar que algum país, como Cuba e China, possa deter essas pessoas e extraditá-las para Moscou. "Estes senhores devem compreender que se converteram em inimigos intransigentes da Rússia", concluiu o deputado.

O partido – que não deve ser confundido com o maior e mais influente Partido Comunista da Federação Russa – enviou suas solicitações na quinta-feira (13/06) ao Ministério do Interior e à agência federal reguladora dos meios de comunicação, Roskomnadzor, responsável pela censura da mídia.

Apesar da indignação do KR, Chernobyl teve boa recepção na Rússia, ainda que alguns críticos acusem os criadores de distorcer os fatos para passar uma imagem negativa dos dirigentes soviéticos.

O ministro da Cultura do país, Vladimir Medinski, chegou a chamar a série de "magistral" e destacou o respeito mostrado pelos criadores. "Imaginava que seria pior", afirmou.

Contudo, ele apontou que, apesar de se aproximar bastante da verdade, a série erra ao retratar algumas situações que não correspondem à realidade. Medinski afirmou ainda que a Rússia prepara alguns grandes projetos cinematográficos sobre o acidente na usina nuclear de Chernobyl.

"O grau de realismo em Chernobyl é maior do que em muitos filmes russos sobre aquela época", afirmou, por sua vez, o jornal pró-Kremlin Izvestia. Já a crítica do diário Rossiyskaya Gazeta, publicado pelo governo da Rússia, escreveu: "É uma produção de qualidade bastante alta em termos de série televisiva, não há nada em que se possa encontrar falhas."

A série também recebeu grandes elogios da crítica de outros países por sua contundente recriação do desastre nuclear de 1986 na Ucrânia da era soviética. A produção não foi veiculada nas televisões russas, mas estava legalmente disponível na plataforma de streaming Amediateka, que também exibiu séries de sucesso como Game of Thrones.

RC/efe/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais