Comunidade internacional protesta contra teste nuclear da Coreia do Norte | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comunidade internacional protesta contra teste nuclear da Coreia do Norte

Intensidade do teste subterrâneo corresponde à das bombas lançadas pelos EUA contra Hiroshima em 1945. Líderes políticos internacionais condenam com rigor a iniciativa norte-coreana.

default

O teste nuclear realizado pela Coreia do Norte nesta segunda-feira (25/05) desencadeou protestos internacionais. Segundo informações oficiais de Pyongyang, o país comunista realizou um teste nuclear subterrâneo "para reforçar sua capacidade nuclear de intimidação e defesa".

O Ministério russo da Defesa confirmou uma explosão atômica no nordeste do país e estima que sua potência tenha sido semelhante à das bombas nucleares lançadas pelos Estados Unidos sobre a cidade japonesa de Hiroshima em 1945. A agência sul-coreana de notícias Yonhap informou que, após o teste subterrâneo, Pyongyang lançou três mísseis de curto alcance.

Os testes nucleares realizados pelo país comunista são uma clara violação das resoluções das Nações Unidas e ameaçam a segurança da região, disse o porta-voz do Ministério alemão das Relações Exteriores, Jens Plötner, nesta segunda-feira em Berlim. Ao mesmo tempo, ele exigiu que a Coreia do Norte abra mão de tais "provocações irresponsáveis" no futuro.

"Violação ultrajante", diz Solana

Também a União Europeia (UE) condenou o experimento. O alto representante de Política Externa e Segurança do bloco europeu, Javier Solana, considerou o teste uma ação irresponsável, que exige "uma resposta firme" da comunidade internacional.

O teste foi uma "violação ultrajante" à resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, declarou Solana em Bruxelas. O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse que a UE rejeita categoricamente essa provocação e fez um apelo pela retomada das negociações sobre o programa nuclear da Coreia do Norte.

A França, por seu lado, reivindicou o endurecimento imediato das sanções contra Pyongyang. Paris irá discutir com seus parceiros da Organização das Nações Unidas as consequências "desse grave ato", anunciou o ministro das Relações Exteriores, Bernard Kouchner.

O teste norte-coreano não surpreendeu o presidente dos EUA, Barack Obama. Segundo ele, o acontecimento constitui um "desrespeito flagrante" ao Conselho de Segurança da ONU e uma violação do direito internacional. Na opinião de Obama, a Coreia do Norte estaria ameaçando a paz e a segurança internacionais.

A Rússia considera o teste uma violação da resolução das Nações Unidas. O fato também agrava as tensões na região, declarou o Ministério do Exterior em Moscou, acrescentando que isso compromete seriamente o empenho internacional pela não-proliferação de armas nucleares.

Somente as negociações entre o chamado "grupo dos seis" (EUA, Japão, China, Rússia, Coréia do Sul e Coreia do Norte) poderiam solucionar o problema nuclear norte-coreano, declarou Moscou.

Reunião de emergência do Conselho de Segurança

Segundo a agência de notícias Kyodo, o vice-ministro japonês de Relações Exteriores, Mitoji Yabunaka, reivindicou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança. Baseando-se em informações do enviado especial da Rússia na ONU, Vitali Tchurkin, agências de notícias russas informaram que foi convocada para esta segunda-feira uma reunião de emergência do Conselho de Segurança, atualmente presidido pela Rússia.

As Nações Unidas haviam imposto sanções contra a Coreia do Norte em reação ao primeiro teste atômico subterrâneo, em 2006. Em abril último, Pyongyang voltou a atrair críticas internacionais ao lançar um míssil de longo alcance. Após sua condenação pelo Conselho de Segurança, o governo comunista anunciou a retomada de seu programa nuclear e o boicote às negociações com o "grupo dos seis".

RW/ap/dpa/reuters

Revisão: Simone Lopes

Leia mais