Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 26.05.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia

Maioria das empresas aéreas cortou rotas internacionais para o Brasil devido ao coronavírus e fechamento de fronteiras. Porém, algumas ainda têm voos programados. Veja a lista.

Várias companhias aéreas cortaram voos internacionais para o Brasil devido à pandemia do coronavírus e às restrições de viagens impostas por diversos países. Porém, algumas empresas continuam operando ligações no mês de maio de cidades no exterior para São Paulo e Rio de Janeiro.

As poucas rotas internacionais ainda em atividade estão sendo usadas por brasileiros que estão no exterior para voltar ao Brasil. O Itamaraty informou em nota que está buscando todas as opções para repatriar os nacionais residentes no Brasil que encontraram problemas com seus voos de retorno ao país.

O ministério das Relações Exteriores informa ainda que, caso seja possível o retorno ao Brasil por voo comercial, "essa opção deve ser sempre considerada tendo em vista que outras opções de repatriação podem ser inviáveis ou demoradas em alguns lugares".

"A opção de voos fretados está sendo considerada para regiões em que se verificou total interrupção do tráfego aéreo e outras possibilidades de repatriação não são viáveis", diz a nota enviada à DW Brasil. "São voos pagos pelo governo brasileiro e que dependem de negociação específica com governos estrangeiros, não apenas na origem do voo, mas, em diversas ocasiões, com eventuais escalas."

Veja abaixo a situação das principais empresas aéreas que operam no Brasil. A matéria será atualizada constantemente com mudanças que ocorrerem nas malhas das companhias:

Azul:

Em maio, a empresa brasileira mantém um voo semanal de Campinas para Fort Lauderdale, Orlando e Lisboa. Em junho, ela planeja realizar dois voos por semana para a capital portuguesa.

GOL:

A companhia brasileira suspendeu todos os seus voos para o exterior até o dia 30 de junho, como forma de garantir a segurança de seus clientes e funcionários e se adequar ao novo cenário de demandas por transporte aéreo devido ao coronavírus.

Latam:

A empresa confirmou à reportagem que retomará a operação entre São Paulo e Frankfurt a partir de 19 de maio. São duas frequências semanais: o voo entre o aeroporto de Guarulhos e a cidade alemã será operado às terças e quintas, enquanto o trajeto contrário será realizado às quintas e sábados.

Além dos voos para Frankfurt, a companhia opera em junho também as rotas do aeroporto de Guarulhos para Londres, Madri, Miami e Santiago e, ainda, de Santiago para Miami. Em julho, o grupo espera aumentar para 13 o número de destinos internacionais.

Aerolíneas Argentinas:

No final de abril, o governo da Argentina suspendeu todos os voos comerciais, tanto nacionais quanto internacionais, até 1º de setembro devido à pandemia. Somente os voos especiais de repatriação ou de carga podem circular no país durante o período. Por isso, a empresa retoma seus voos a partir do início de setembro.

Aeromexico:

A empresa mexicana retomará seus voos regulares entre Cidade do México e São Paulo a partir de 1º de julho. O site da companhia informa, porém, que os voos diários são sujeitos a aprovação governamental.

Air Canada:

A companhia canadense retoma os voos diários entre Toronto e São Paulo a partir de 1º de agosto.

Air China:

A companhia chinesa, que faz a rota São Paulo-Madri-Pequim, suspendeu suas operações nesta rota até 28 de junho. Ela afirma ainda que a retomada das operações dependerá da prevenção e controle da covid-19.

Air Europa:

A companhia espanhola suspendeu os voos de Madri para São Paulo, Fortaleza, Salvador e Recife até 30 de junho.

Air France:

A companhia francesa opera três vezes por semana entre Paris e São Paulo; e uma vez por semana entre a capital francesa e o Rio de Janeiro.

Alitalia:

A empresa aérea italiana afirmou que não tem planos de retomar seus voos para São Paulo e Rio nos meses de maio e junho.

Amaszonas:

O site da companhia aérea boliviana afirma que os voos de e para a Bolívia partindo de Foz do Iguaçu e Rio de Janeiro foram interrompidos a partir de 1° de abril e serão retomados em 2 de junho. A empresa anunciou ainda a sua nova operação entre Santa Cruz de la Sierra e São Paulo a partir de 11 de junho. A programação, porém, pode ser alterada seguindo decretos emitidos pelos países envolvidos.

American Airlines:

A companhia americana afirmou que não operará voos para o Brasil em abril, mas voltará a voar entre Miami e São Paulo a partir de 7 de maio (voos diários). O segundo voo diário deverá ser operado entre os dias 4 de junho e 17 de agosto. Outros três voos voltam a ser operados em 4 de junho: de Nova York para São Paulo; de Miami para o Rio de Janeiro; e de Miami para Manaus. Já o trajeto entre Dallas e São Paulo deve ser retomado no dia 7 de julho, com três frequências semanais. As outras rotas da companhia devem voltar a ser operadas em 25 de outubro: de Los Angeles para São Paulo; e de Miami para Brasília.

Avianca:

A companhia aérea colombiana voltará a operar a rota entre Bogotá e São Paulo no dia de junho. Já a rota de Lima (Peru) para Rio de Janeiro voltará à malha da empresa no dia 2 de junho com três voos semanais; e da capital peruana para São Paulo a partir de 1º de junho com voos diários. 

Avior:

A empresa venezuelana, que opera a rota entre Manaus e Caracas, suspendeu todos os voos nacionais e internacionais até 12 de maio. O site da companhia, porém, não mostra possibilidade de reservas a partir de 13 de maio.

Boliviana de Aviación:

A empresa retoma os voos entre São Paulo e Santa Cruz de la Sierra a partir de 1º de junho. São três frequências semanais: segundas, quartas e sextas-feiras.

British Airways:

A empresa aérea britânica retomará os voos diários de Londres para São Paulo a partir de 16 de junho. Já o trajeto da capital inglesa para o Rio de Janeiro será retomado a partir de 1º de julho.

Cabo Verde Airlines:

A empresa aérea do país africano suspendeu todas as suas operações até o dia 30 de junho. 

Copa Airlines:

A empresa iria retomar seus voos internacionais a partir de 22 de março, mas teve que adiar porque a Autoridade de Aviação Civil do Panamá prorrogou por 30 dias a suspensão de todos os voos internacionais no país. Agora, a companhia deve retomar suas rotas no dia 26 de junho.

Cidade do Panamá x São Paulo: a partir de 26 de junho (dois voos semanais); voo diário a partir de 3 de julho;

Cidade do Panamá x Rio de Janeiro: a partir de 3 de julho (voo diário);

Cidade do Panamá x Brasília: a partir de 3 de julho (dois voos semanais);

Cidade do Panamá x Belo Horizonte: a partir de 14 de agosto (dois voos semanais); 

Cidade do Panamá x Porto Alegre: a partir de 14 de agosto (dois voos semanais).

Delta Airlines:

A empresa americana voltará a operar a rota entre Atlanta e São Paulo a partir de 3 de junho, com três voos semanais (voos diários a partir de 2 de julho). Já as rotas entre Nova York e São Paulo e Atlanta e Rio de Janeiro serão retomados a partir de 2 de julho (voos diários). 

Edelweiss:

A empresa informou que não tem previsão para retomar seus voos entre Zurique e Rio de Janeiro.

Emirates:

A companhia tem previsão para retomar o trajeto entre Dubai e São Paulo a partir de 2 de julho (quatro voos semanais); e para o Rio de Janeiro, a partir de 2 de agosto (quatro voos semanais).

Ethiopian Airlines:

A companhia nacional da Etiópia conecta São Paulo e Adis Abeba (e demais conexões) quatro vezes por semana.

FlyBondi:

No final de abril, o governo da Argentina suspendeu todos os voos comerciais, tanto nacionais quanto internacionais, até 1º de setembro devido à pandemia. Somente os voos especiais de repatriação ou de carga podem circular no país durante o período. Por isso, a empresa retoma seus voos a partir do início de setembro.

Iberia:

A companhia espanhola retoma seus voos diretos de Madri para São Paulo a partir de 1º de agosto, e para o Rio de Janeiro a partir de 1º de setembro.

JetSmart:

A empresa de baixo custo chilena opera voos de Santiago do Chile para Foz do Iguaçu a partir de 2 de julho (duas frequências semanais) e para Salvador a partir de 5 de julho (duas frequências semanais). O trajeto para São Paulo será operado a partir de 2 de setembro (quatro frequências semanais).

KLM:

A companhia holandesa atende 28 destinos intercontinentais e, ainda, alguns destinos europeus selecionados. No Brasil, a empresa conecta Amsterdã e São Paulo às segundas-feiras, quartas-feiras e sábados; e de São Paulo para a capital holandesa às segundas, quartas e sextas-feiras. 

A KLM retoma suas operações de Amsterdã para o Rio de Janeiro a partir de 18 de maio, com dois voos semanais. Os voos da capital holandesa para Fortaleza ainda não foram reprogramados.

Lufthansa:

Atualmente, a empresa alemã voa de São Paulo para Frankfurt três vezes por semana: às segundas, quintas e sábados. Já no sentido contrário, os voos são às quartas, sextas e domingos. 
 
A partir de 1º de junho serão adicionadas mais duas frequências semanais na rota. Assim, os voos partirão de São Paulo às segundas, terças, quintas, sábados e domingos. Já os voos de Frankfurt para o aeroporto de Guarulhos serão às segundas, quartas, sextas, sábados e domingos.

Adicionalmente, a empresa passará a oferecer conexões em Frankfurt para outros destinos europeus, do Oriente Médio, África e Índia. Não há previsão para a retomada das operações entre Frankfurt e Rio, e entre Munique e São Paulo.

Norwegian:

O site da companhia low cost, que opera o trajeto entre Londres e Rio de Janeiro, mostra voos disponíveis a partir de 26 de outubro (três vezes por semana).

Qatar Airways:

A empresa opera três frequências semanais entre São Paulo e Doha (e conexões para outros destinos internacionais) em junho. A companhia pretende adicionar em julho uma frequência semanal à rota e retomar seus voos diários a partir de 31 de agosto. Todas as operações serão realizadas pelo A350-1000.

Royal Air Maroc:

A companhia marroquina suspendeu os voos de Casablanca para São Paulo e Rio de Janeiro. O sistema de reservas da companhia ainda não mostra quando as rotas serão retomadas.

Sky:

A empresa de baixo custo chilena retoma suas operações entre Santiago do Chile para São Paulo e Rio de Janeiro a partir de 30 de junho. O site da companhia não mostra ainda o retorno das operações para Florianópolis e Salvador.

South African Airways (SAA):

Antes do início da pandemia de coronavírus, a empresa sul-africana já havia anunciado o cancelamento de sua rota entre São Paulo e Johanesburgo.

Surinam Airlines:

A empresa aérea do Suriname, que faz voos regulares entre Panamaribo e Belém, no Pará, afirma em seu site oficial que a partir de 16 de março começou a executar voos para repatriar passageiros. O sistema de reservas ainda não mostra quando a companhia retomará a rota.

Swiss:

A empresa suíça, que faz voos diretos entre Zurique e São Paulo, não incluiu o aeroporto de Guarulhos nas rotas que voltará a operar no mês de junho.

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:

O sistema de reservas da empresa aérea angolana não indica ainda a retomada dos voos São Paulo e Luanda.

TAP:

A companhia aérea de Portugal pretendia retomar parte de seus voos para o Brasil a partir de 21 de maio, mas refez a programação e deverá voltar aos céus brasileiros com seus voos regulares a partir de 1º de junho. Veja a programação para cada rota:

Lisboa x São Paulo: a partir de 1° de junho (um voo diário); 10 voos semanais a partir de 1° de julho;

Lisboa x Recife: a partir de 1° de junho (três voos semanais); quatro voos semanais a partir de 3 de julho;

Lisboa x Belo Horizonte: a partir de 1° de junho (dois voos semanais); três voos semanais a partir de 2 de julho;

Lisboa x Rio de Janeiro: a partir de 2 de junho (três voos semanais); cinco voos semanais a partir de 1° de julho;

Lisboa x Brasília: a partir de 2 de junho (dois voos semanais); três voos semanais a partir de 1° de julho;

Lisboa x Salvador: a partir de 4 de junho (dois voos semanais); três voos semanais a partir de 1° de julho;

Lisboa x Belém: a partir de 4 de junho (dois voos semanais);

Lisboa x Fortaleza: a partir de 5 de junho (dois voos semanais); três voos semanais a partir de 1° de julho;

Lisboa x Natal: a partir de 4 de julho (dois voos semanais);

Lisboa x Maceió: a partir de 31 de julho (dois voos semanais).

Turkish Airlines:

Em concordância com decisões tomadas pelas autoridades turcas, a companhia aérea, que voa de Istambul para São Paulo, suspendeu todos seus voos internacionais até 10 de junho.

United:

A companhia americana continua voando diariamente a rota entre São Paulo e Houston. As seguintes rotas voltam a partir de 6 de julho com voos diários: Houston – Rio de Janeiro e, ainda, para São Paulo; e Newark – São Paulo. Em 24 de outubro é a vez das seguintes rotas serem incluídas na malha da empresa, com voos diários: Chicago e Washington para São Paulo.

Virgin Airways:

A empresa aérea britânica, que havia adiado o lançamento da rota entre Londres e São Paulo de 29 de março para 5 de outubro, decidiu não começar a realizar o trajeto entre a capital inglesa e o aeroporto internacional de Guarulhos.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais