Comissão Europeia pode ter recorde de mulheres | Notícias internacionais e análises | DW | 11.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

Comissão Europeia pode ter recorde de mulheres

Futura chefe do Executivo da UE, Ursula von der Leyen, apresenta sua lista de comissários e cumpre promessa de paridade de gênero. Com 13 mulheres e 14 homens, equipe pode ser a mais equilibrada da história do bloco.

Von der Leyen será ainda a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da Comissão Europeia

Von der Leyen será ainda a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da Comissão Europeia

A presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou nesta terça-feira (10/09) os nomes para compor seu futuro gabinete. Com 13 mulheres e 14 homens na equipe, a alemã cumpre sua promessa de um time com paridade de gênero.

A lista de comissários foi preparada com base em recomendações dos países-membros da União Europeia (UE), mas as indicações ainda precisam ser aprovadas pelo Parlamento Europeu, antes de Von der Leyen e seu conselho tomarem posse, em 1º de novembro.

A nova equipe de 27 comissários – um para cada Estado-membro do bloco, com exceção do Reino Unido – tem um mandato de cinco anos. Não há indicação britânica porque a saída do país da UE está marcada para 31 de outubro, antes da posse.

Se aprovado pelos europarlamentares, o time de Von der Leyen será o mais equilibrado em termos de gênero de toda a história da União Europeia.

Ex-ministra da Defesa da Alemanha e aliada próxima da chanceler federal Angela Merkel, Von der Leyen será ainda a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da Comissão Europeia quando substituir o atual chefe, Jean-Claude Juncker.

A princípio, Juncker também tinha o mesmo propósito de um gabinete com paridade de gênero, mas "esbarrou" nas opções dos Estados-membros, que indicaram 19 homens e apenas nove mulheres.

Como seus suplentes, Von der Leyen indicou oito vice-presidentes, um a mais do que na equipe atual. Três deles foram nomeados vice-presidentes executivos, com o ex-braço direito de Juncker, o holandês Frans Timmermans, assumindo a função de cuidar de questões ambientais.

Os demais indicados a vice-presidentes executivos são a dinamarquesa Margrethe Vestager, atual comissária de Concorrência da UE e que deve assumir também a área digital, e Valdis Dombrovskis, da Letônia, que assumirá os serviços financeiros.

O atual ministro do Exterior espanhol, Josep Borrell, com 72 anos e décadas de experiência política, foi escolhido para substituir Federica Mogherini como chefe da diplomacia da UE. Espera-se que ele, o mais velho do grupo, fortaleça a posição da Espanha e de Portugal dentro do bloco europeu com a saída do Reino Unido, e que consolide os laços europeus com a América Latina.

O mais novo da lista é o lituano Virginijus Sinkevicius, que assumirá a pasta de Ambiente e Oceanos. Ele completa 29 anos de idade três dias após a posse em 1º de novembro.

Entre as indicações femininas está a tcheca Vera Jourova, que deve ser comissária de Valores e Transparência, encarregada de supervisionar o Estado de direito. Atual comissária da Justiça, ela vem defendendo regulamentos mais rígidos para gigantes da internet como Facebook e Airbnb.

A búlgara Mariya Gabriel foi nomeada para a área de Inovação e Juventude. Ex-membro do Parlamento Europeu, ela é a atual comissária de Economia Digital e, aos 40 anos, é a integrante mais jovem do gabinete de Juncker.

Outros indicados são o ex-ministro austríaco da Ciência, Johannes Hahn, nomeado comissário de Orçamento e Administração; o ministro do Exterior da Bélgica, Didier Reynders, indicado para Justiça; e o ex-primeiro ministro italiano Paolo Gentiloni, comissário de Economia.

O eurodeputado húngaro László Trócsányi, nomeado comissário de Ampliação, pode se provar uma escolha controversa. Ex-ministro da Justiça no governo do primeiro-ministro Viktor Orbán, ele foi acusado por críticos de enfraquecer o Estado de direito durante seu comando da pasta.

Entre os 19 estreantes na lista de Von der Leyen estão a ex-ministra da Economia da Estônia Kadri Simson, indicada como comissária de Energia; a ex-ministra finlandesa das Finanças Jutta Urpilainen, comissária de Parcerias Internacionais; e o veterano diplomata esloveno Janez Lenarcic, que assumirá a pasta de Gestão de Crises.

Um nome curioso é o da maltesa Helena Dalli que, antes de entrar para a política e ser indicada para a pasta da Igualdade, foi atriz e candidata a Miss Mundo por seu país em 1979.

Cinco grupos políticos europeus estão representados no conselho de Von der Leyen: dez comissários pertencem aos Socialistas e Democratas (S&D); nove são do Partido Popular Europeu (PPE); seis do Renovar a Europa; um dos Verdes; e um dos Conservadores e Reformistas Europeus.

Na equipe de Juncker, o PPE estava em maioria, com 14 membros, os socialistas tinham oito, os liberais, cinco, e os Conservadores e Reformistas Europeus, um.

A Comissão Europeia é o braço executivo da UE e tem cerca de 32 mil funcionários. O órgão é responsável por propor novas legislações europeias, que são colocadas em prática em todo o bloco se aprovadas pelos Estados-membros e pelo Parlamento Europeu.

EK/afp/dpa/lusa/dw

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais