Comissão de Direitos Humanos apela por garantias democráticas no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 25.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Comissão de Direitos Humanos apela por garantias democráticas no Brasil

Relator da CIDH se diz preocupado com episódios de violência no Brasil e decreto polêmico do governo Temer, lembrando que "manifestar-se é um direito básico".

Polícia coíbe manifestações em Brasília

Polícia coíbe manifestações em Brasília

O relator para o Brasil da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), James Cavallaro, afirmou nesta quinta-feira (25/05) que o organismo está "preocupado com o que está acontecendo" no país, tanto em nível político como nas ruas, e destacou que os direitos democráticos devem ser garantidos.

"Estamos ainda nos informando sobre o que aconteceu, mas com certeza é uma situação que nos preocupa. Temos que continuar acompanhando, manter-nos informados e garantir os direitos democráticos nessa situação bastante delicada que o Brasil vive", disse Cavallaro à agência de notícias Efe e outros meios de comunicação, durante as reuniões do 162º período de sessões da CIDH, em Buenos Aires.

O pronunciamento se refere ao protesto da véspera contra o presidente Michel Temer, em Brasília, promovido por sindicatos, que terminou com vários episódios de violência e um polêmico decreto do governo, revogado nesta quinta-feira, para reforçar as medidas de segurança com a presença das Forças Armadas.

Cavallaro lembrou que o "direito de se manifestar é um direito básico" que a Comissão protege, e criticou qualquer atuação "truculenta" ou "violenta" das forças de segurança.

O relator lembrou, ainda, que nos últimos meses também ocorreram outros incidentes, principalmente no âmbito rural, com mortos. Para Cavallaro tudo isso é um sinal de "tendências preocupantes" no Brasil. "Se a situação sair do controle, esse fato constituiria um grave risco para os direitos humanos, para a integridade física das pessoas, o direito à vida, o direito de manifestar-se."

Em relação à situação política e ao escândalo que envolve Temer, Cavallaro ressaltou que a missão da Comissão é zelar para que "a lei seja cumprida" e exigiu que, perante as "denúncias muito graves de corrupção", haja investigações pertinentes.

"Há normas, há procedimentos, que sejam cumpridos. Tem que haver a investigação devida, porque a denúncia é muito grave, por isso se veem milhares de pessoas nas ruas no Brasil, porque o povo está preocupado e com razão."

"O que se observa no país é um estado crítico, uma situação na qual as denúncias são tão graves e afetam tantas pessoas do mais alto nível, que há uma situação muito delicada que tem que ser acompanhada pelos organismos internacionais", completou Cavallaro. Por fim, manifestou sua intenção de visitar o país "muito em breve" em sua condição de relator da CIDH.

AV/efe,dw

Leia mais