Comentário de Trump sobre muçulmanos gera indignação | Notícias internacionais e análises | DW | 08.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Comentário de Trump sobre muçulmanos gera indignação

Magnata sugere que EUA deveriam bloquear o acesso de adeptos do islamismo, e discurso é recebido com duras críticas, inclusive por parte de outros pré-candidatos republicanos à Casa Branca.

Assistir ao vídeo 01:57

Reações à sugestão de Trump contra muçulmanos

As declarações polêmica do pré-candidato republicano Donald Trump, sugerindo a proibição da entrada de muçulmanos nos Estados Unidos, gerou nesta terça-feira (08/12) uma série de reações indignadas, inclusive por parte de seus correligionários.

Na segunda-feira, durante um discurso de campanha, Trump defendeu um bloqueio "total e completo" da entrada de muçulmanos no país, após o massacre ocorrido na semana passada em San Bernardino, na Califórnia, atribuído a um casal muçulmano supostamente radicalizado.

"Não temos escolha", afirmou o pré-candidato. "Isso vai piorar cada vez mais. Teremos mais World Trade Centers", disse, se referindo aos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. "[Temos que] impedir total e completamente que muçulmanos entrem nos Estados Unidos, até que as autoridades possam entender o que está acontecendo."

A agência da ONU para refugiados (Acnur) afirmou que as declarações poderão, inclusive, prejudicar o programa americano de acolhimento a refugiados sírios e de outros países, que fogem de guerras e perseguições.

A porta-voz da Acnur Melissa Fleming afirmou que "a retórica utilizada na campanha eleitoral põe em risco um programa extremamente importante de realocação, voltado ás pessoas mais vulneráveis: as vítimas de guerras que o mundo não consegue deter".

Adversários de Trump dentro do próprio Partido Republicano condenaram suas declarações. O pré-candidato Jeb Bush acusou a falta de seriedade das propostas políticas do bilionário. Outros concorrentes do partido à candidatura presidencial, como Marco Rubio, John Kasich, Chris Christie e Lindsey Graham, também rejeitaram a proposta de Trump.

Repúdio generalizado

A pré-candidata do Partido Democrata Hillary Clinton declarou que a fala de Trump é "condenável, preconceituosa e polarizadora". "Você simplesmente não entende", afirmou em seu perfil no Twitter. "Isso nos deixa menos seguros." Outro pré-candidato democrata, Martin O'Malley, disse que Trump concorre à presidência na condição de um "fascista demagogo".

O porta-voz da Casa Branca Josh Earnest disse que Trump "joga com o medo das pessoas para tentar angariar apoio à sua campanha".

O governo britânico também condenou as declarações do republicano. Um porta-voz do primeiro-ministro David Cameron afirmou que o líder conservador considera os comentários "desnecessários e simplesmente equivocados".

Joel Millman, porta-voz da Organização Internacional para Migrações (OIM), disse: "O preconceito e a discriminação com base na religião é contra todas as convenções que conhecemos, em termos de ajuda a pessoas em emergências humanitárias e, claro, de realocação."

Nihad Awad, diretor-executivo do Conselho das Relações Americo-Islâmicas, que defende os direitos dos muçulmanos, se disse "ofendido" pelos comentários, "vindos de alguém que deseja assumir o posto mais alto do país". "É irresponsável e antiamericano. Ele soa mais como um líder de um grupo de linchamento do que de uma nação como a nossa."

O diretor do centro islâmico da cidade de Jersey acusou o pré-candidato de incitar o ódio e a violência. "Peço, imploro que pare. Essas acusações têm que parar. Olhe para a comunidade muçulmana como parte do mosaico americano: somos parte da América. Não vamos a lugar algum."

RC/rtr/afp/ap

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados