Começa processo contra jornalistas turcos do ″Cumhuriyet″ | Notícias internacionais e análises | DW | 24.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turquia

Começa processo contra jornalistas turcos do "Cumhuriyet"

Funcionários do diário, uma das principais vozes críticas ao presidente Erdogan, são acusados de apoiar o terrorismo. Organizações de defesa do jornalismo afirmam que processo é ataque à liberdade de imprensa.

Manifestantes exibem cartazes com a expressão 'Cumhuriyet' não será calado

Ativistas protestam contra o julgamento de jornalistas do "Cumhuriyet" em Istambul

Jornalistas e diretores do jornal turco Cumhuriyet, crítico ao presidente Recep Tayyip Erdogan, disseram ser absurdas as acusações de apoio ao terrorismo apresentadas contra eles nesta segunda-feira (24/07), primeiro dia de um processo contra eles perante um tribunal de Istambul.

A acusação de manter contato com o movimento do clérigo Fethullah Gülen é "incoerente e um atentado ao bom senso", afirmou o colunista Kadri Gürsel. Para ele, a promotoria pública "não apresentou provas, apenas difamações".

Entenda: Quem é Fethullah Gülen, o arquirrival de Erdogan?

O dono do jornal, Akin Atalay, afirmou que o Cumhuriyet não tem ligações com organizações proibidas ou grupos terroristas. "A única atividade deste jornal é o jornalismo", disse aos juízes. "O Cumhuriyet não tem medo nem se entrega. A independência e a liberdade estão no DNA deste jornal", disse Atalay no decurso da audiência.

"Este processo é um teste para a Turquia", considerou outro acusado, o jornalista Aydin Engin. "Erdogan diz que a Justiça é neutra na Turquia. Vamos ver", acrescentou.

Ao todo, 17 jornalistas, diretores e funcionários do tradicional jornal turco são acusados pelo governo de apoiar o banido Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), o grupo extremista de esquerda DHKP-C e o movimento de Gülen, que Erdogan diz estar por trás do golpe de Estado fracassado de 2016.

Os acusados podem ser condenados a até 43 anos de prisão. Entre eles estão alguns dos nomes mais conhecidos do jornalismo turco, como Gürsel, o repórter investigativo Ahmet Sik, o caricaturista Musa Kart e o diretor de redação do diário, Murat Sabuncu.

Cinco dos acusados estão em liberdade condicional, dez estão há mais de oito meses na prisão, e Sik está detido há mais de 200 dias. O ex-diretor de redação Can Dündar está sendo julgado à revelia, pois está exilado na Alemanha.

O Cumhuriyet (República), fundado em 1924, é um dos jornais mais antigos do país e obteve notoriedade pelas suas notícias e reportagens críticas ao poder. Os acusados afirmam que se trata de um processo político, destinado a silenciar um dos últimos periódicos independentes do país.

O julgamento também recebeu duras críticas no exterior. Várias organizações de defesa do jornalismo, como a Repórteres Sem Fronteiras, o PEN Club, a Federação Europeia de Jornalistas (EFJ, na sigla em inglês) e o International Press Institute (IPI), disseram que se trata de um ataque à liberdade de imprensa.

"Trata-se de um processo kafkiano", disse o representante turco da Repórteres sem Fronteiras, Erol Onderoglu. "O Cumhuriyet é um símbolo, herdeiro de uma tradição de jornalismo crítico e investigativo. O governo tenta destruí-lo por todos os meios."

Segundo o site P24, especializado em liberdade de imprensa, 167 jornalistas estão detidos na Turquia, a maioria no âmbito do estado de emergência decretado após a tentativa de golpe. A Turquia ocupa o 115º lugar, de 180, na lista de 2017 da Repórteres sem Fronteiras sobre liberdade de imprensa.

AS/lusa/afp/efe/dpa

Leia mais