Começa processo contra grupo de extrema direita alemão acusado de terrorismo | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Começa processo contra grupo de extrema direita alemão acusado de terrorismo

Doze réus são acusados de integrar célula terrorista que planejava atentados contra mesquitas e políticos. De acordo com promotoria, meta era "subverter a ordem política e social" da Alemanha.

Julgamento contra Grupo S. na Alemanha

Doze integrantes do suposto grupo extremista foram presos em fevereiro

Começou nesta terça-feira (13/04) em um tribunal na cidade de Stuttgart, no sul da Alemanha, o processo sobre o chamado "Grupo S". Doze membros de círculos de extrema direita são acusados de formar e apoiar uma organização terrorista. Presos em fevereiro, eles teriam planejado atentados contra mesquitas, requerentes de refúgio e políticos com finalidade de provocar "situações similares a guerra civil".

O grupo, batizado com o nome de seu suposto líder, Werner S., teria sido formado em setembro de 2019. De acordo com a promotoria, os oito membros fundadores tinham como meta "subverter a ordem política e social" da Alemanha.

Segundo a acusação, os extremistas de direita visavam principalmente muçulmanos. Além disso, teriam considerado usar de violência contra dissidentes políticos.

Um possível ataque ao prédio do Reichstag, sede do Bundestag, o Parlamento alemão, também teria sido cogitado pelo grupo. Os réus teriam se reunido várias vezes pessoalmente e também através de aplicativos de mensagem e por telefone.

Segundo a mídia alemã, investigadores apuraram que pouco antes de ser preso, em fevereiro de 2020, Werner S. tentou comprar um fuzil de assalto Kalashnikov com 2 mil cartuchos de munição, uma metralhadora e granadas de mão. Os supostos terroristas de direita já teriam adquirido 27 armas.

md/lf (DPA, AFP)