1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Erik Lamela (esq.) e Sergio Agüero comemoram o primeiro gol argentino, marcado pelo atacante do Manchester CityFoto: Reuters/I. Fassbender

Com show de Di María, Argentina carimba a faixa da Alemanha

Philip Verminnen
3 de setembro de 2014

Meio-campista, ausente na decisão no Maracanã, dá três assistências e anota um gol na goleada por 4 a 2 contra os tetracampeões. Amistoso é marcado por homenagens e estreia da quarta estrela no uniforme alemão.

https://www.dw.com/pt-br/com-show-de-di-mar%C3%ADa-argentina-goleia-alemanha-em-reedi%C3%A7%C3%A3o-da-final-da-copa/a-17898159

Em meio a homenagens e estreias, a Argentina vingou a derrota na final da Copa do Mundo para a Alemanha com juros e correções. Com atuação de gala de Ángel Di María, a Albiceleste goleou os tetracampeões mundiais por 4 a 2, em amistoso realizado nesta quarta-feira (03/09), em Düsseldorf. O meia argentino, que não esteve presente na decisão no Maracanã, teve participação direta no placar. Ele deu as assistências para os gols de Sergio Agüero, Erik Lamela e Federico Fernández, e anotou o quarto. Os gols de honra da Alemanha foram marcados pelo reserva de luxo do Mundial, André Schürrle, e pelo herói do título, Mario Götze.

Antes da execução dos hinos nacionais, quatro campeões mundiais foram homenageados pela Federação Alemã de Futebol (DFB). O zagueiro Per Mertesacker, o maior artilheiro em Copas, Miroslav Klose, e o capitão do Tetra, Philipp Lahm – aposentados da seleção –, além do ex-assistente técnico Hansi Flick, receberam placas de agradecimento pelos serviços prestados.

Um gigante mosaico elaborado pelos 55 mil torcedores presentes no estádio acompanhou a cerimônia. O desenho formou a palavra "Weltmeister" – "campeão mundial" – e quatro estrelas amarelas, acompanhadas dos anos em que a Alemanha levantou a taça – 1954, 1974, 1990 e 2014. Além disso, o amistoso marcou a estreia da nova camisa da Nationalmannschaft, com a quarta estrela o logo da Fifa no peito, e de Gerardo Martino no comando da seleção argentina.

A partida começou bem menos estudada do que a final do Maracanã. Com características típicas de amistoso, os jogadores tiveram bastantes espaços e cometeram erros simples de marcação. Sem seu principal astro Lionel Messi, que lida com uma lesão muscular na perna direita, Ángel Di María foi o regente do meio-campo argentino e mostrou por que o Manchester United pagou 75 milhões de euros por ele.

Di María, que não participou da final da Copa pois havia se machucado no confronto eliminatório contra a Bélgica, driblou, finalizou e deu bastante trabalho ao lado esquerdo da defesa alemã. Aos 21 minutos, o meia cruzou de três dedos e Sergio Agüero, livre na pequena área, fuzilou Manuel Neuer.

Aos 39, Di María novamente não tomou conhecimento do lateral-esquerdo alemão Erik Durm e alçou na altura da marca do pênalti. Lá, Erik Lamela finalizou de primeira, com muita categoria, no ângulo direito de Manuel Neuer. Golaço na Esprit-Arena.

Se por um lado Di María mostrou toda a sua classe, Mario Gómez não teve um primeiro tempo inspirado. Por três vezes, o atacante alemão ficou cara a cara com o goleiro argentino Sergio Romero e desperdiçou. Depois da terceira tentativa, aos 45 minutos, leves vaias ecoaram na plateia.

A segunda etapa começou fulminante: três gols nos primeiros sete minutos. No segundo minuto, Di María cobrou falta na segunda trave e o zagueiro Federico Fernández, rente ao poste, cabeceou sem defesa para Roman Weidenfeller.

O goleiro do Borussia Dortmund, que entrou no lugar de Neuer no intervalo, voltou a ser vazado três minutos depois. Di María – sempre ele – arrancou após bela combinação de passes do meio-campo argentino e, com muita categoria, encobriu Weidenfeller. Novo golaço da Albiceleste.

As vaias tímidas para a apresentação dos tetracampeões, cessaram dois minutos depois, quando André Schürrle aproveitou rebote de Romero e diminuiu o marcador.

Aos 33 minutos, Mario Götze, autor do gol do título mundial, voltou a balançar as redes da Argentina. Lukas Podolski cruzou na área e, após falha do goleiro argentino, Götze pegou a sobra e contou com a ajuda de um desvio na zaga para completar o placar da partida.

Ficha técnica

Alemanha 2 x 4 Argentina

Local: Esprit-Arena, Düsseldorf

Arbitragem: Björn Kuipers (Holanda) auxiliado por seus compatriotas Sander van Roekel e Erwin Zeinstra.

Gols: Sergio Agüero (19'/1T), Erik Lamela (39'/1T), Federico Fernández (2'/2T), Ángel Di María (5'/2T), André Schürrle (7'/2T), Mario Götze (33'/2T)

Cartões amarelos: Martín Demichelis (16'/1T), Julian Draxler (19'/1T), Lukas Podolski (25'/2T)

Alemanha: Manuel Neuer (Roman Weidenfeller (1'/2T); Kevin Grosskreutz, Matthias Ginter, Benedikt Höwedes (Antonio Rüdiger 32'/2T), Erik Durm; Christoph Kramer, Toni Kroos (Sebastian Rudy 26'/2T); André Schürrle (Thomas Müller 12'/2T), Julian Draxler (Lukas Podolski 32'/1T), Marco Reus; Mario Gómez (Mario Götze 13'/2T). Técnico: Joachim Löw.

Argentina: Sergio Romero (Mariano Andújar 35'/2T) ; Pablo Zabaleta (Hugo Campagnaro 32'/2T), Federico Fernández, Martín Demichelis, Marcos Rojo; Javier Mascherano, Lucas Biglia, Enzo Pérez (Augusto Fernández 1'/2T), Erik Lamela (Fernando Gago 22'/2T), Ángel Di María (Ricardo Álvarez 40'/2T) ; Sergio Agüero (Nicolás Gaitán 38'/2T) . Técnico: Gerardo Martino.