Colômbia reforçará controle na fronteira com a Venezuela | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 08.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Colômbia reforçará controle na fronteira com a Venezuela

Diante de onda migratória, presidente colombiano anuncia medidas para dificultar a entrada ilegal de migrantes no país. Número de venezuelanos na Colômbia aumentou 62% desde meados de 2017.

Venezuelanos atravessaram a fronteira em Cúcuta, na Colômbia

Milhares de venezuelanos atravessaram a fronteira em Cúcuta, na Colômbia, diariamente

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou nesta quinta-feira (08/02) medidas para reforçar o controle na fronteira do país com a Venezuela devido à crescente chegada de cidadãos deste país, que estão fugindo da crise. Com o endurecimento dos controles migratórios, ficará mais difícil para venezuelanos atravessaram ilegalmente a fronteira.

"A Colômbia nunca viveu antes uma situação como esta”, afirmou Santos, durante uma visita a Cúcuta, na fronteira com a Venezuela. Cerca de 30 mil venezuelanos entram diariamente na Colômbia, muitos em busca de comida e medicamentos.

Leia também:

Os garimpeiros do esgoto de Caracas

Aids na Venezuela faz lembrar anos 1980

O número de venezuelanos que se instalaram definitivamente no país aumentou 62% desde meados de 2017. Estima-se que mais de 550 mil venezuelanos estejam vivendo na Colômbia atualmente. Mas segundo associações de exílio da Venezuela e autoridades de cidades na fronteira, esse número pode ser bem maior.

"Quero repetir ao presidente Nicolás Maduro que esse é o resultado de suas políticas, não é culpa dos colombianos. É o resultado de sua recusa em receber ajuda humanitária que foi oferecida em todos os sentidos, não somente pela Colômbia, mas pela comunidade internacional”, destacou Santos.

Para tentar conter o fluxo migratório, o governo colombiano tornará obrigatório carimbar o passaporte na entrada do país e suspenderá a emissão de Cartões de Mobilidade Fronteiriça, que já permitem a cerca de 1,5 milhão de venezuelanos visitas temporárias à Colômbia para comprar remédios e alimentos. 

Além disso, Santos anunciou que será criado de um grupo especial para reforçar o controle e a segurança na fronteira e 2 mil militares serão enviados para a região. O presidente disse também que será construído, com o apoio da ONU, de um Centro de Atendimento ao Migrante com capacidade inicial para 2 mil pessoas.

 A Venezuela enfrenta uma grave crise econômica e política. A escassez de produtos básicos e o desemprego levaram milhares de venezuelanos a deixar o país. A onda migratória atingiu especialmente países que fazem fronteira com a Venezuela, como a Colômbia e o Brasil.

CN/efe/rtr/ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais