Clinton ou Obama? Alemanha se envolve com as prévias eleitorais nos EUA | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Clinton ou Obama? Alemanha se envolve com as prévias eleitorais nos EUA

A popularidade de Barack Obama aumentou bastante na Alemanha durante as últimas semanas. Há quem o compare com o presidente John Kennedy. Mas Clinton não deixa de ser apreciada do outro lado do Atlântico.

default

Hillary inspira respeito aos alemães e Obama personifica o sonho americano

Barack Obama não pára de dar manchetes na Alemanha. Uma revista de alta tiragem, como a Der Spiegel, por exemplo, chegou a descrever sua popularidade em termos bíblicos: "O fator Messias: Barack Obama e o anseio por um novo país". Uma abrangente enquete do Financial Times revelou que Obama é o democrata de maior prestígio na Alemanha, Itália, França e Espanha. Clinton ainda não está fora do páreo Obama domina a imprensa alemã, que chegou a compará-lo ao presidente John F. Kennedy, um dos norte-americanos mais presentes na memória do país, por causa de seu apoio a Berlim Ocidental na época da construção do Muro de Berlim. Por outro lado, Clinton não deixa de ser vista com consideração e respeito por muitos alemães. "Até meados de janeiro, Hillary Clinton ainda era a democrata favorita" declarou à DW-WORLD.DE o jornalista Christoph von Marschall, correspondente do diário berlinense Tagesspiegel em Washington e autor do livro The Black Kennedy (O Kennedy Negro), uma biografia de Obama. "Clinton já era conhecida por muita gente, além de ter um bom nome na Alemanha e na Europa, pois ninguém a associa a nenhum escândalo, como acontece nos EUA", explica Marschall. "Ela é associada a uma época pacífica e bem-sucedida da política internacional e a um período relativamente harmonioso das relações transatlânticas." A popularidade de Hillary cresceu e animou a campanha após sua vitória nas prévias do Texas, de Ohio e Rhode Island. A mídia de todo o mundo avaliou esses êxitos como um comeback de Clinton, mas a corrida contra Barack Obama pela candidatura democrata à presidência continua quase empatada após uma longa seqüência de prévias em mais 11 estados. Embora a nomeação seja tarefa dos delegados do partido, a intenção de voto do eleitorado tende a favorecer Obama. Mensagem de mudança repercute na Alemanha Para muitos, a popularidade de Obama na Alemanha se deve ao fato de o jovem senador de Illinois representar uma mudança do atual governo e da atual política de Washington. "Muitos alemães, assim como os norte-americanos, querem uma mudança nos EUA, e Barack representa juntamente isso", comentou Alexander Höse, professor especializado em relações teuto-americanas na Universidade de Colônia, em entrevista à DW-RADIO. Outra opinião também propagada na imprensa alemã é a de que Obama personifica o sonho americano, com sua trajetória de ascensão social. Obama inspira a visão de uma sociedade moderna, pós-racista, na qual qualquer um pode se tornar presidente, independentemente de sua origem, cor e sexo. Com pai queniano, imigrado para os EUA através de um intercâmbio acadêmico, e mãe branca provinda de Kansas, Obama é o exemplo clássico de ascensão de uma família de classe média-baixa para uma carreira brilhante de jurista e senador. "Após todos esses anos de críticas aos EUA e a Bush em todo o mundo, os americanos têm a oportunidade de passar a gostar mais de si, diante do sonho de um país que pode vir a se realizar", analisa Marschall. Mas o "fator carisma" também não pode ser subestimado entre os alemães. "Desde que entrou para a vida pública, Hillary Clinton não conseguiu propagar uma imagem muito amistosa e simpática na mídia. Ela tem dificuldade de se abrir, enquanto Obama parece mais caloroso", opina Marschall.

Leia mais