Clientes da SAP protestam contra aumento de preços | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 10.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Clientes da SAP protestam contra aumento de preços

Cerca de 100 empresas se juntaram para tornar pública sua insatisfação com a política de preços da gigante alemã de softwares corporativos. Mas forma como o programa é intrincado em seu funcionamento não lhes dá escolha.

default

Sede da SAP em Walldorf, no estado de Baden-Württemberg

A desenvolvedora alemã de softwares de gerenciamento corporativo SAP está diante de um episódio sem precedentes na história econômica alemã: cerca de 100 empresas se juntaram com o intuito de repartir críticas a seu respeito, a fim de evitar um previsto aumento de preços.

A partir de 2009, a SAP pretende elevar os custos anuais de manutenção e suporte de seu software de forma escalonada ao longo de quatro anos, ao fim dos quais o serviço passaria a custar 22% em vez dos atuais 17% do valor da licença. A empresa argumenta que, em contrapartida, o suporte e a assessoria a clientes passariam a ser mais amplos. Mas, por mais que muitos dos antigos clientes não queiram os serviços nem precisem deles, a SAP não lhes deixa escolha.

Tornando o problema público

Um dos críticos da SAP é a empresa bávara Krones, especializada na construção de máquinas utilizadas principalmente por fabricantes de bebidas. "Tínhamos uma relação muito amigável com a SAP. Podíamos conversar sobre novidades e sempre achávamos uma solução", conta Michael Kranz, diretor de tecnologia da Krones. Desta vez, ele procurou conversar, mas não obteve sucesso. "Fomos forçados a tornar público o problema."

A Krones é apenas uma de 100 empresas que optaram por este caminho pouco convencional a fim de aumentar a pressão sobre a SAP. Entre elas, estão grandes fabricantes de bebidas, como Bitburger e Gerolsteiner, a fabricante de produtos óticos Jenoptik, a fabricante de equipamentos eletrodomésticos Miele e até a prestadora de serviços públicos de Munique.

A Miele fala em "abuso de poder de mercado", enquanto a rede de drogarias dm acusa a SAP de "pura estratégia para fazer dinheiro". Também a unidade austríaca da rede de supermercados Spar reclama: "Nos sentimos chantageados".

Encontro decisivo

São empresas de todos os ramos, distribuídas por toda a Alemanha. Nesta quarta-feira (10/12), elas se reuniram para uma manifestação em um hotel em Düsseldorf. "Este procedimento conjunto não se volta apenas contra a política de preços inadequada da SAP, mas queremos deixar bem claro que não podemos aceitar o modo como a SAP lida com seus clientes, especialmente clientes de médio porte".

A SAP não quis se pronunciar a respeito. De acordo com o Financial Times Deutschland, a empresa de Walldorf domina mais da metade do mercado de softwares corporativos. Para muitas companhias alemãs, toda a organização empresarial se baseia nos produtos da firma, que abrangem todos os principais departamentos, da administração de pessoal à otimização de suprimentos.

Quando uma empresa se decide pelo software da SAP, esta adequa seus programas ao funcionamento específico da mesma, o que constitui um processo complicado e caro. Uma vez feito o investimento e implementado o software, só será possível abandonar o sistema com outro grande investimento. "Quem opta pela SAP, está entregue a ela venha o que vier", critica o Financial Times Deutschland.

Parceria a longo prazo

Para a Krones, trata-se de uma parceria de unha e carne. "A instalação deste software reflete o núcleo de nossos processos empresariais", explica Kranz, que gostaria de estender a parceria com a SAP, mas não a qualquer preço.

Por se tratar de uma parceria de longo prazo, Kranz critica também o curto espaço de tempo e a forma repentina com que a SAP anunciou o aumento dos preços em meados do ano. Já que é praticamente impossível para uma empresa desenvolver um novo suporte operacional em tão pouco tempo, não lhes resta nada além de aceitar o aumento dos preços.

Leia mais