1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto mostra duas meninas com máscaras de proteção e roupas típicas chinesas brincando. Uma delas segura uma sombrinha chinesa tradicional.
Até agora, país vinha imunizando apenas maiores de 12 anosFoto: Reuters/T. Peter
SaúdeChina

China vai vacinar crianças a partir de três anos

25 de outubro de 2021

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população.

https://www.dw.com/pt-br/china-vai-vacinar-crian%C3%A7as-a-partir-de-tr%C3%AAs-anos-contra-a-covid-19/a-59622265?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

Ao menos cinco províncias da China vão começar a vacinar crianças maiores de três anos contra a covid-19. No país mais populoso do mundo, 76% da população de 1,4 bilhão de habitantes já foi completamente imunizada contra a doença.

Assim, a China se torna um dos poucos países no mundo a vacinar crianças pequenas. Antes dela, Cuba anunciara uma campanha de imunização para crianças a partir de dois anos. Estados Unidos, vários países europeus e o Brasil estão vacinando apenas jovens com mais de 12 anos, por ainda não terem aprovado um imunizante para crianças.

Em junho, a China aprovou as vacinas da Sinopharm e da Sinovac, fabricante da Coronavac, para a faixa etária de três a 17 anos. No entanto, até agora, vinha vacinando apenas maiores de 12 anos.

Após a China, o Camboja aprovou as vacinas da Sinovac e da Sinopharm para crianças de 6 a 11 anos. Órgãos reguladores do Chile deram o aval para a vacina da Sinovac ser aplicada em crianças a partir dos seis anos. Na Argentina, o imunizante da Sinopharm foi aprovado a partir dos três anos.

Pequenos surtos

A expansão da campanha de vacinação na China ocorre em um momento em que o país aplica novas medidas de restrições para conter pequenos surtos de covid-19.

 A Comissão Nacional de Saúde reportou nesta segunda-feira (25/10) 35 novos casos de transmissão local em 24 horas - quatro deles em Gansu e 19 na região da Mongólia Interior.

Por essa razão, Gansu, uma província do noroeste fortemente dependente do turismo, fechou todos os locais turísticos nesta segunda-feira após detectar novos casos de covid-19. Já moradores de partes da Mongólia Interior estão obrigados a manter isolamento.

Desde o começo da pandemia, a China empregou bloqueios, quarentenas e testes obrigatórios como estratégia para eliminar amplamente as infecções locais, além de vacinar totalmente 1,07 bilhão de pessoas.

Jogos Olímpicos de Inverno

O governo chinês está agora particularmente preocupado com a disseminação da variante delta, mais contagiosa, e em imunizar o maior número de pessoas possível até o começo dos Jogos Olímpicos de Inverno, que ocorrerão em fevereiro, em Pequim. A China já barrou espectadores internacionais e anunciou nesta segunda-feira que atletas não vacinados serão obrigados a cumprir quarentena de 21 dias.

le (AP, SID, ots)