China aprova lei de segurança nacional para Hong Kong | Notícias internacionais e análises | DW | 30.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ásia

China aprova lei de segurança nacional para Hong Kong

Nova legislação de Pequim visa combater o que as autoridades comunistas classificam como atividades "subversivas". ONGs e opositores temem que dispositivos vão reduzir ainda mais as liberdades no território semiautônomo.

Manifestantes pró-democracia em Hong Kong

Manifestantes pró-democracia em Hong Kong. Pequim vem tentando sufocar o movimento desde 2019

A China confirmou que aprovou nesta terça-feira (30/06) a controversa lei de segurança nacional que permitirá às autoridades chinesas combater o que consideram como atividade "subversiva e secessionista" em Hong Kong, aumentando ainda mais o receio de uma redução das liberdades na região semiautônoma.

Tam Yiu-chung, o único representante de Hong Kong no Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo, o órgão máximo legislativo da China, confirmou que a lei recebeu luz verde.

A legislação já havia sido aprovada no final de maio pelo plenário do Congresso chinês, restando apenas a necessidade do aval do comitê. O jornal South China Morning Post (SCMP) apontou que a lei foi ratificada com o voto unânime dos 162 membros do Comitê Permanente.

Tam Yiu-chung não forneceu mais detalhes sobre esse novo passo, limitando-se a dizer que a pena de morte não consta entre punições por "atos de secessão, subversão, terrorismo e conspiração com forças estrangeiras para comprometer a segurança nacional".

Não se sabe se a lei poderá ser aplicada retroativamente.

"Esperamos que a lei sirva como um obstáculo para impedir que as pessoas causem problemas e que não permita que Hong Kong seja usada como ferramenta para dividir o país", disse Tam em coletiva de imprensa.

Fontes citadas pelo SCMP e pela emissora pública RTHK informaram que a lei foi ratificada esta manhã na China, durante a reunião do Comitê Permanente, e que a legislação pode entrar em vigor na quarta-feira, 1° de julho, justamente na data que vai marcar o 23° aniversário da transferência do antigo território britânico para a China. Esses aniversários costumam ser marcados por protestos contra as autoridades chinesas.

A Assembleia Popular Nacional ainda está debatendo a inclusão da lei no Anexo III da Lei Básica de Hong Kong, considerada uma "miniconstituição" da região semiautônoma.

A chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam, não quis responder perguntas relacionadas à lei até que ela apareça no Anexo III para promulgação por Hong Kong.  "Seria inapropriado responder a qualquer pergunta sobre a lei neste momento", sublinhou.

A ONG Anistia Internacional afirmou em comunicado que a aprovação da lei representa uma grande "ameaça" aos direitos humanos em Hong Kong e que "a partir de agora a China terá o poder de impor as suas leis contra qualquer um que considerar suspeito de cometer um crime".

"A velocidade e o sigilo com os quais a China adotou essa legislação aumentam o medo de que Pequim tenha criado uma arma de repressão para usar contra críticos do governo, incluindo pessoas que apenas expressam as opiniões de maneira pacífica", disse o chefe da organização para a China, Joshua Rosenzweig.

Ele acrescenta que o objetivo de Pequim é "governar Hong Kong pelo medo" e que a lei pode acabar punindo membros do movimento pró-democracia que pretendem se candidatar ao Conselho Legislativo de Hong Kong em setembro.

A íntegra do texto ainda é desconhecida, mas o jornal SCMP citou duas fontes que relataram que a lei deve incluir penas de prisão perpétua por "atos de secessão, subversão, terrorismo e conspiração com forças estrangeiras para comprometer a segurança nacional".

Já a rede RTHK citou fontes que indicaram que a pena máxima para crimes como secessão deve ser fixada em sentenças de prisão "muito superiores" a dez anos, ainda que não haja qualquer menção de que a lei possa ter efeito retroativo.

A comunidade internacional, com os Estados Unidos e a União Europeia em destaque, além de diversas ONGs, expressaram diversas vezes o receio de que a lei sirva para silenciar vozes críticas em Hong Kong, após um ano de protestos na ex-colônia britânica.

Há duas semanas, um grupo de 86 ONGs, incluindo a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, defendeu que a lei de segurança nacional da China seja abandonada por atacar violentamente os direitos humanos e as liberdades de Hong Kong.

A imposição da lei em Hong Kong foi aprovada por Pequim em 28 de maio no encerramento da sessão anual da Assembleia Popular Nacional.

O documento surgiu após repetidas advertências do poder comunista chinês contra a dissidência em Hong Kong, abalada em 2019 por sete meses de manifestações em defesa de reformas democráticas e quase sempre marcadas por confrontos com a polícia, que levaram à detenção de mais de 9 mil pessoas.

JPS/lusa/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais