Cerca de 800 mil pessoas se suicidam por ano, diz OMS | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 09.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Saúde

Cerca de 800 mil pessoas se suicidam por ano, diz OMS

Relatório da Organização Mundial da Saúde revela que, no mundo, a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida. No Brasil, foram registradas mais de 13 mil mortes deste tipo ao ano.

Cerca de 800 mil pessoas, uma a cada 40 segundos, se suicidam todos os anos no mundo, de acordo com um relatório apresentado nesta segunda-feira (09/09) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O suicídio é a segunda principal causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos, atrás apenas de acidentes de trânsito.

"Cada morte é uma tragédia para a família, amigos e colegas. Suicídios, porém, são evitáveis. Pedimos a todos os países que incorporem estratégias comprovadas de prevenção ao suicídio nos programas nacionais de saúde", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Os dados mais recentes disponíveis revelam que, em 2016, a taxa global de suicídios ficou em 10,5 por 100 mil pessoas. No Brasil, os casos ficaram abaixo da média global, com 6,1. No país, 13.467 tiraram a própria vida naquele ano.

De acordo com a OMS, enquanto a maioria dos suicídios, 79%, ocorre em países de baixa e média renda, países mais ricos registram, porém, a maior taxa (11,5 por 100 mil habitantes).

O país com a maior taxa de suicídio é a Guiana, com mais de 30 por 100 mil habitantes, seguido da Rússia, com 26,5. No topo desta lista, figuram também Lituânia, Lesoto, Uganda, Sri Lanka, Coreia do Sul, Índia e Japão, além dos Estados Unidos, que registraram 13,7 suicídios por 100 mil habitantes.

O relatório mostrou ainda que, em todas as idades, o suicídio apresenta uma taxa maior entre homens do que entre mulheres, com uma média global 1,8 vez superior. Nos países desenvolvidos, porém, o número de homens que tiram a própria vida é três vezes maior que o das mulheres, embora os números entre os gêneros sejam mais semelhantes nos países em desenvolvimento, onde quase quatro em cada cinco suicídios são registrados.

A OMS destaca ainda uma redução na taxa global de suicídios, que de 14 por cada 100 mil habitantes no início deste século para 10,5 em 2016, sendo o continente americano a única região onde houve um aumento no número de casos.

Segundo o relatório, os métodos mais comuns de suicídio são enforcamento, envenenamento por agrotóxicos e armas de fogo. Reduzir o acesso às armas e outros meios de tirar a própria vida é, segundo a OMS, uma das melhores medidas preventivas.

A OMS iniciou campanha para proibir ou pelo menos limitar o acesso a pesticidas, método usado para um em cada cinco suicídios e muito frequente nas áreas rurais dos países em desenvolvimento. Muitas vezes, suicídios com agrotóxicos "ocorrem em momentos de angústia, de maneira impulsiva, quando a pessoa pode ter dúvidas sobre se deve ou não tirar a própria vida. Nesta circunstância, você não deveria ter acesso a um método tão rápido", disse Alexandra Fleischmann, do departamento de saúde mental da OMS.

A organização argumenta, por exemplo, que na Coreia do Sul, um país com uma alta taxa de suicídio, os casos foram reduzidos pela metade entre 2011 e 2013 após a proibição de um potente herbicida.

O suicídio é, depois dos acidentes de trânsito, a segunda principal causa de mortes entre jovens de 15 a 29 anos, com mais de 200 mil casos em 2016, por isso a OMS procura focar na prevenção em faixas etárias mais jovens.

"É importante trabalhar com jovens nas escolas, ensiná-los como superar os problemas e situações estressantes", afirmou Fleischmann, também destacando o papel dos meios de comunicação para prevenir o suicídio, por exemplo não lhe dando uma aura romântica nem sensacionalista.

As Nações Unidas estabeleceram nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável reduzir em um terço a taxa global de suicídios antes de 2030, no entanto, com o atual ritmo, essa meta não seria alcançada, alerta a organização.

A DW evita noticiar suicídios porque há indícios de que relatos sobre o assunto podem levar pessoas a imitar tais ações. Se você enfrenta problemas emocionais e tem  pensamentos suicidas, não deixe de procurar ajuda profissional. Você pode buscar ajuda neste site: https://befrienders.org/portuguese

CN/efe/afp/lusa/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Links externos

Áudios e vídeos relacionados