Cem dias após eleição, entusiasmo com Macron recua | Notícias internacionais e análises | DW | 15.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

França

Cem dias após eleição, entusiasmo com Macron recua

Presidente avança com reformas impopulares e tenta diminuir as despesas do Estado, com cortes também no plano social. Reflexos aparecem na sua avaliação popular, que está em queda livre. Confira análise em sete pontos.

O presidente francês Emmanuel Macron

O presidente francês Emmanuel Macron tem avaliação pior que a de seus antecessores após cem dias

Popularidade

Acabou a lua de mel entre o povo francês e o jovem presidente de 39 anos. Cem dias após a eleição, os franceses veem Emmanuel Macron de forma cada vez mais crítica. Apenas 36% dos eleitores estão satisfeitos com o governo do presidente eleito em 14 de maio, segundo o instituto de pesquisas de opinião Ifop.

O desempenho da nova esperança da política francesa, portanto, é pior do que o de seus antecessores, o conservador Nicolas Sarkozy (66% no mesmo período) e o socialista François Hollande (55%). Para Macron, um aspecto é especialmente alarmante: a insatisfação popular aumentou sensivelmente nas últimas semanas. A imprensa francesa fala de "queda livre".

Além das atuais reformas, a personalidade do presidente – que, segundo observadores, teria um comportamento autoritário – também é alvo de críticas. E a reprimenda pública ao ex-chefe do Estado Maior Pierre de Villiers, após este condenar os cortes no orçamento militar, não deixou boa impressão na opinião pública. A renúncia de Villiers gerou a primeira crise no governo Macron.

Primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, faz discurso diante de parlamentares na Assembleia Nacional

Privilégios de parlamentares da Assembleia Nacional francesa foram eliminados

Nova cultura política

Apesar de Macron ter sido consultor e ministro da Economia durante o governo de Hollande, ele fez campanha pelo rompimento com a classe política francesa durante a campanha eleitoral – uma elite que, para muitos eleitores, vê o Estado como uma espécie de bufê self-service.

Agora, o acúmulo de cargos e privilégios deverá dar lugar à modéstia e ao autocontrole como marcas registradas da elite política. No início de agosto, a Assembleia Nacional aboliu vários privilégios dos parlamentares, incluindo condições especiais para aposentadorias e seguro-desemprego. Uma antiga instituição, a chamada "reserva parlamentar", também faz parte do passado: tratava-se de um orçamento que os deputados podiam distribuir a seu critério em suas circunscrições eleitorais.

Assistir ao vídeo 00:48

Merkel dá boas-vindas a Macron

A lei para a chamada "moralização" da política não deverá apenas restringir a ação de parlamentares da Assembleia Nacional. Detentores de cargos públicos de escalão inferior também estarão proibidos de empregar familiares como auxiliares parlamentares. Porém, a oposição conservadora quer que o Conselho Constitucional derrube a interdição, alegando que ela viola princípios antidiscriminatórios. Os juízes deverão decidir sobre o assunto em setembro.

Polêmica reforma trabalhista

O controle autoimposto dos parlamentares não apenas evidencia que algo andava mal em Paris. Ele também serve para tornar os programas de austeridade que o governo quer aprovar nos próximos anos mais suportáveis aos cidadãos franceses.

O elemento central da primeira rodada de reformas é uma lei trabalhista mais liberal. O Estado quer recuar nitidamente nesse campo, transferindo o poder de decisão para sindicatos e empresas. Uma lei trabalhista menos rígida deverá estimular as empresas a criar novos postos de trabalho e, assim, reduzir a taxa de desemprego, que há anos está elevada.

A reforma ainda está sendo negociada, e os detalhes deverão ser divulgados em 31 de agosto, no fim das férias de verão. A Assembleia Nacional já abriu caminho para que o governo possa pôr em vigor a liberalização da lei trabalhista sem necessidade de aprovação no Parlamento.

Já as reformas anunciadas do seguro-desemprego e do sistema de aposentadoria foram adiadas para 2018 pelo primeiro-ministro Edouard Philippe.

Protestos contra o projeto da reforma trabalhista do governo em Paris, em maio

Protestos contra o projeto da reforma trabalhista do governo em Paris, em maio

Cortes duros no orçamento

Após anos burlando as regras de austeridade fiscal, a França deverá voltar a ter credibilidade no plano europeu – outra promessa central da campanha eleitoral de Macron. Porém, para cumprir os chamados critérios de Maastricht ainda em 2017, é preciso diminuir as despesas do Estado. A lista de cortes inclui tanto o orçamento militar quanto os auxílios financeiros às regiões e departamentos.

Porém, esses cortes não serão suficientes. Por isso, o governo decidiu fazer cortes também no plano social. Principalmente a redução do auxílio-moradia em 5 euros mensais a partir de outubro causou protestos violentos, que podem ser um dos fatores responsáveis pela queda na popularidade de Macron.

Outra medida impopular é o aumento anunciado do imposto para seguridade social (na sigla em francês CSG). A medida atinge sobretudo os aposentados, que não têm muitas opções de abatimento do valor pago. Porém, com uma idade mínima de aposentadoria de 62 anos – considerada precoce – e remunerações mensais altas em comparação com outros países, essa camada da sociedade é tida como uma das mais privilegiadas da França.

A temida pressão das ruas

A necessidade de reformas na França já tinha sido identificada pelos antecessores de Macron, mas eles fracassaram diante da pressão das ruas e de adversários políticos internos. Macron está numa situação melhor. Os sindicatos moderados estão incluídos nos planos de reforma mais importantes, a bancada politicamente inexperiente do partido governista La République en Marche está alinhada com o jovem presidente, e Macron tem pouco a temer da oposição.

Resta saber qual será a adesão ao sindicato radical CGT, que está organizando um dia nacional de protestos para 12 de setembro.

A reação à redução mensal, comparativamente pequena, de 5 euros no auxílio-moradia já mostrou ao governo Macron como o descontentamento pode se espalhar rapidamente por todo o país. Os institutos de pesquisa mostram: quase dois terços dos franceses rejeitam a reforma trabalhista. Os cortes nos privilégios dos políticos aparentemente não serviram para acalmar o povo. Apenas uma pequena maioria acredita que a "lei para moralização da política" é boa.

Encontro do presidente americano Donald Trump (e.) com francês Emmanuel Macron

Atuação de Macron diante de líderes internacionais, como Donald Trump, é bem recebida pela população

Políticas de segurança

O jovem presidente assumiu o poder num país em estado de emergência. Desde novembro de 2015, as autoridades de segurança dispõem de poderes especiais. Mas o governo de Macron prolongou essa situação pela última vez. Em 1º de novembro acaba o estado de emergência – quase dois anos após os ataques terroristas na casa de espetáculos Bataclan e em outros pontos de Paris.

Mesmo assim, alguns dos direitos ampliados dos quais polícia, serviços secretos e Justiça atualmente usufruem também deverão ser concedidos a essas instituições após o fim do estado de emergência. Uma lei que define esses direitos está em tramitação nas duas câmaras do Parlamento.

Relação com a Europa

Durante a campanha eleitoral, Macron defendeu a criação do cargo de ministro europeu das Finanças e de um orçamento próprio para a zona do euro. Mas, ao menos até o fim de setembro – quando acontecem as eleições legislativas na Alemanha –, nada deverá mudar nesse plano. Apenas quando o governo alemão estiver formado em Berlim, a questão deverá ser abordada. Mas as aparições autoconfiantes de Macron em Bruxelas e sua relação com os chefes de Estado e de governo estrangeiros repercute positivamente entre a população.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados