Castelo de Hambach, um dos símbolos da democracia alemã | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 13.07.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Castelo de Hambach, um dos símbolos da democracia alemã

Em meio aos vinhedos da região do Palatinado, no sudoeste da Alemanha, está localizado o Castelo de Hambach. Foi lá que, no século 19, foi hasteada a primeira bandeira em preto, vermelho e dourado, hoje as cores da bandeira alemã.

Assistir ao vídeo 03:15
Ao vivo agora
03:15 min

Com mais de 900 anos de história, o Castelo de Hambach é também um marco histórico da democracia alemã. Em 1832, durante um protesto foi realizado durante o festival da cidade, foi hasteada pela primeira vez na história alemã - uma bandeira em preto, vermelho e dourado. De acordo com Charlotte Dietz, da Fundação do Castelo de Hambach, “esta é a origem da nossa bandeira - a primeira bandeira em preto-vermelho-dourado. Mas ela não era a bandeira da Alemanha. Na época, a Alemanha, como a conhecemos hoje, ainda não existia. E essa era aliás uma das principais reivindicações dos manifestantes: uma unificação alemã. A bandeira simbolizava a luta por liberdade de expressão, liberdade de imprensa, democracia e unificação. A bandeira foi carregada da cidade até a torre do castelo, onde foi colocada como símbolo de liberdade”.

Construído no século 11, o castelo serviu durante muito tempo como sede episcopal, e passou por diversas reformas ao longo dos séculos. No século 19, o rei bávaro Maximiliano Segundo queria transformar a construção em um castelo de conto de fadas, mas os planos não se concretizaram e o castelo ficou em ruínas até 2008, quando o arquiteto suíço Max Dudler modernizou as estruturas. Quem for ao castelo hoje em dia pode visitar uma exposição permanente no local e saber mais sobre os eventos em torno do Festival de Hambach, além de ver a bandeira original. Em 2015, o Castelo de Hambach foi declarado patrimônio cultural europeu.