Carta na ″Science″ lamenta ″ciência brasileira em chamas″ | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Carta na "Science" lamenta "ciência brasileira em chamas"

Grupo de mais de 20 pesquisadores publica texto na renomada revista e diz que incêndio que destruiu Museu Nacional no Rio de Janeiro é metáfora do estado atual da ciência no Brasil.

Museu Nacional do Rio de Janeiro sob fogo

Incêndio destruiu boa parte do acervo e dos arquivos históricos do Museu Nacional no Rio de Janeiro

O incêndio que destruiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro no início do mês ressoa no mundo científico fora do Brasil. Numa carta publicada nesta quinta-feira (27/09) na revista Science, 21 pesquisadores afirmam: o fogo que consumiu os arquivos históricos é uma metáfora do estado atual da ciência no país.

"É importante a manifestação dos cientistas para dar um alerta à comunidade internacional", diz à DW Brasil Luiz Rocha, um dos autores e curador na Academia de Ciências da Califórnia.

Na carta, os autores apontam a queda contínua de repasses ao Museu Nacional registrada nos últimos cinco anos e a falta de investimentos em segurança do prédio e dos itens históricos.

"É um passo gigantesco para trás", comenta Rocha sobre os sucessivos cortes em órgãos e agências federais que mantêm pesquisas ativas no Brasil. "Vemos uma diminuição na quantidade de bolsistas e de financiamento de uma forma incrível", critica.

Antes do Museu Nacional, que guardava o acervo mais importante da história do país, o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, foi completamente destruído por um incêndio em 2015. Em 2010, pesquisadores lamentaram o sumiço de 80 mil espécies conservadas depois do fogo no Instituto Butantan, em 2010. 

"Em ambos os casos, a falta de investimento em infraestrutura foi apontada como causa", diz a carta.

Os autores da carta são ligados à Universidade Cornell, Universidade da Flórida e à Academia de Ciências da Califórnia, nos Estados Unidos, além da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O texto diz que a magnitude da perda do Museu Nacional prejudica não apenas o Brasil, mas o mundo.

"O avanço científico é baseado em blocos de construção do passado e, sem esses componentes, os cientistas ficam sem pontos de referência", afirmam.

As coleções preservadas em museus são vistas como base para que a ciência consiga reconhecer a novidade e o avanço, e permitem também o melhor entendimento da condição humana. "Até mesmo para prever o futuro ecológico e evolutivo da biodiversidade do planeta", justificam.

Com a publicação na Science, os autores esperam que a recuperação do Museu Nacional seja feita de forma apropriada. "A gente espera que não seja dado um ‘jeitinho' na hora da reconstrução. Ou que o financiamento não seja cortado no final do projeto", detalha Rocha.

Sob a tutela do pesquisador está a maior coleção de peixes do mundo, com 2,5 milhões de exemplares. A Academia de Ciências da Califórnia, museu de ciência em São Francisco, foi fundada em 1853 e atualmente ocupa um prédio com certificação sustentável.

As colaborações da instituição com o Brasil são importantes para o acervo. Há poucos dias, Rocha e pesquisadores brasileiros publicaram um artigo que descreveu uma nova espécie de peixe identificada no arquipélago São Pedro e São Paulo, no nordeste do Brasil.  

Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), concorda com o teor da carta publicada na Science. "O incêndio foi fruto do descaso de décadas e ilustra bem a destruição da ciência brasileira", diz à DW Brasil. 

O drama passa pelo orçamento: neste ano, 4,1 bilhões de reais foram direcionados à pesquisa pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Comunicações, quase um terço do montante registrado em 2010, que foi de aproximadamente 9,5 bilhões, segundo as estimativas da ABC.

"A equipe econômica parece desconhecer o fato de que a ciência brasileira já deu contribuições importantes para o país que representaram incremento na economia. Exemplos não faltam na agricultura, na área de energia, da saúde", comenta Davidovich.

Com o descaso e a falta de investimento, a população perde, acredita Davidovich. "A epidemia recente de zika que tivemos foi enfrentada por cientistas brasileiros, que descobriram a ligação entre o vírus e a microcefalia e, dessa maneira, ajudaram na prevenção", cita o exemplo. "Não foi sorte, não foi milagre, foi ciência."

Às vésperas das eleições, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (Sbpc) tenta se aproximar de candidatos para debater os recursos para a ciência. Um das metas é obter apoio para a revogação da lei que congelou o teto dos gastos públicos pelos próximos 20 anos.

"Isso é comprometer o futuro por que é a ciência que gera riqueza de um país por meio da inovação tecnológica", pontua Ildeu Moreira, presidente da Sbpc, citando o exemplo de países como Alemanha, que investe quase 3% do seu PIB em pesquisa, e da Coreia do Sul, que ultrapassa a casa dos 4%.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais