Candidatura de Calheiros reacende debate sobre corrupção na política | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 31.01.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Candidatura de Calheiros reacende debate sobre corrupção na política

Depois do mensalão, a corrupção na política volta a ser tema no Brasil com a candidatura de Renan Calheiros à presidência do Senado. Para especialistas, falta uma real mobilização da sociedade contra esse mal.

Os senadores brasileiros vão escolher nesta sexta-feira (01/02) o novo presidente do Senado, que vai suceder a José Sarney. O favorito é Renan Calheiros, que, se eleito, reassumirá a função que ocupou de 2005 a 2007, quando deixou o cargo após denúncias de corrupção. A candidatura de Calheiros é apoiada pelo Planalto.

A presença ou a manutenção nos quadros do Senado de políticos que devem explicações à sociedade, ou ainda a escolha deles para cargos de liderança, "é mais um capítulo de uma história que, infelizmente, tem ilustrado, de maneira muito desagradável e perigosa para a nossa democracia, o papel do Senado na nossa política", frisa o cientista político Humberto Dantas.

A candidatura de Calheiros indica que o panorama político brasileiro continua associado à corrupção e ao nepotismo, considera Markus Fraundorfer, do Instituto Alemão de Estudos Globais e Regionais (Giga), em Hamburgo. "E isso mesmo com as manchetes internacionais referentes ao escândalo do mensalão e a decisão histórica do Supremo Tribunal Federal de condenar algumas personalidades políticas."

Mesmo com o protesto de muitas organizações não governamentais, com a realização, por exemplo, de petições online, a maior parte da sociedade está calada. "Na realidade, falta uma real mobilização da sociedade brasileira", diz Fraundorfer. Nesta quarta-feira, alguns manifestantes contrários à candidatura de Calheiros fixaram vassouras verde-amarelas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Congresso "ficha suja"

Calheiros está longe de ser o único político investigado por corrupção no Brasil. Para especialistas ouvidos pela DW Brasil, muitos senadores são indiferentes às denúncias contra o colega parlamentar.

"Se levantarmos a lista dos 81 senadores brasileiros, certamente há denúncias de corrupção contra muitos deles. Essa eleição é apenas mais um capítulo dessa história que desacredita o poder legislativo", argumentou Dantas. Para ele, não só o Brasil, mas também outros países passam por um processo de perda de credibilidade pelo poder legislativo, e esse processo não é bom para a democracia.

A solução seria uma renovação das lideranças políticas no Brasil. Também o fim do voto secreto para a eleição da presidência do Senado seria bem-vindo. O voto secreto torna viáveis negociatas e acordos que beneficiam os próprios parlamentares em detrimento da sociedade, afirmam os especialistas.

Jogo político?

O fato de a Procuradoria-Geral da República ter apresentado uma denúncia contra Calheiros no último dia 15, poucos dias antes da eleição no Senado, causou surpresa entre os observadores da política. "Tudo indica que a Procuradoria-Geral da República está fazendo o jogo de determinados grupos políticos, em vez de fazer um jogo republicano de combate à corrupção, que é o que o Brasil precisa", afirma o professor de ciências políticas Leonardo Avritzer, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Der brasilianische Senator Renan Calheiros

Calheiros já esteve à frente do Senado e renunciou por causa de denúncias de corrupção

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo nesta terça-feira, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que "não houve e não há qualquer intenção de que isso tenha sido feito por esta ou aquela motivação no momento em que se aproxima a eleição para a presidência do Senado". Ele afirmou também que a denúncia enviada ao Supremo Tribunal Federal é "extremamente consistente", sem dar mais detalhes por se tratar de um processo que corre em segredo de justiça.

Eleições para a Mesa Diretora do Senado são realizadas a cada dois anos. O presidente da Mesa não pode ser reeleito para o cargo imediatamente após o encerramento de seu mandato, a não ser que haja uma troca de legislatura – o que não é o caso em 2013. Dessa forma, o atual presidente do Senado, José Sarney, não pode ser eleito para o cargo nesta próxima eleição.

Denúncias

Calheiros é acusado de receber recursos da empreiteira Mendes Júnior para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com a qual tem uma filha fora do casamento. O senador negou as acusações e apresentou notas referentes à venda de bois para comprovar que tinha renda para as despesas, mas a Polícia Federal encontrou indícios de que elas eram falsas.

O caso tramita desde 2007 no Supremo Tribunal Federal e motivou, na época, a renúncia de Calheiros à presidência do Senado para evitar a cassação do seu mandato. Desde então, o senador teve seus sigilos fiscal e bancário quebrados por ordem do Supremo.

A investigação está em andamento, mas estava parada com Gurgel desde abril de 2011, período em que ele não fez mais nenhum pedido ao relator, o ministro Ricardo Lewandowski.

Senadores da oposição cobraram esclarecimentos de Calheiros sobre a denúncia encaminhada por Gurgel ao STF, primeiro passo para a abertura de processo na Corte.

Autor: Fernando Caulyt
Revisão: Luisa Frey / Alexandre Schossler

Leia mais