Candidata oficial, Marina promete manter compromissos firmados por Campos | Eleições 2018 | DW | 21.08.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Candidata oficial, Marina promete manter compromissos firmados por Campos

PSB confirma ex-ministra do Meio Ambiente como cabeça de chapa e deputado federal Beto Albuquerque como vice. Candidata destaca legado de Eduardo Campos e garante que dará seguimento a suas propostas.

Após um dia intenso de reuniões entre os membros da executiva nacional do PSB nesta quarta-feira (20/08), em Brasília, os nomes de Marina Silva e Beto Albuquerque foram confirmados como novos candidatos à presidência e vice, respectivamente. "Nosso destino comum está traçado no legado de Eduardo, um legado tão grande do qual talvez nem mesmo ele se desse conta", disse Marina num discurso emocionado.

A candidata falou do "peso da responsabilidade" e demonstrou vontade de levar adiante o projeto construído por ela e por Eduardo Campos nos últimos meses. "Aqui há o compromisso com as responsabilidades já assumidas, construídas ombro a ombro, noites e madrugadas adentro, sob a liderança de Eduardo Campos."

Marina também relembrou a candidatura à presidência em 2010, quando ficou em terceiro lugar, e disse que a experiência "foi fundamental" e acrescentará no desempenho do papel que acabou de assumir.

Beto Albuquerque, deputado federal, líder do partido na Câmara e agora candidato a vice-presidente, afirmou que vai dar continuidade aos desejos de Campos. "Nós estamos aqui, eu e Marina, porque não vamos deixar pela metade o legado que Eduardo Campos começou."

De acordo com a legislação eleitoral, a coligação liderada pelo PSB tem até o próximo sábado (23/08) para registrar os novos candidatos, depois de um consenso entre todos os partidos do grupo. Entretanto, ao longo dos últimos dias, alguns partidos da base demonstraram descontentamento com a indicação dos dois nomes, situação negada pelo PSB.

Novas perspectivas

Beto Albuquerqie, Rodrigo Rollemberg, Roberto Amaral

Beto Albuquerque (esq.), novo candidato a vice, é líder do PSB na Câmara dos Deputados

Com a mudança na candidatura, surgiram questionamentos sobre a vontade de Marina de seguir o que ela vinha construindo ao lado de Campos. O coordenador do programa de governo da coligação, Maurício Rands, garantiu que não haverá mudanças significativas no programa de governo que vinha sendo preparado.

Nos últimos dias, o PSB preparou um documento para Marina, como forma de garantir a continuidade dos projetos e acordos feitos por Campos. A candidata confirmou que recebeu o que chamou de "carta inventário" e prometeu dar seguimento às propostas.

"O PSB mantém suas alianças, e Beto representara o PSB junto a essas alianças", disse Marina, ao responder sobre os desentendimentos entre ela e Campos quanto a algumas candidaturas estaduais.

Outro tema delicado da aliança é o equilíbrio entre o perfil ambientalista de Marina e o poder do agronegócio. Para Rands, a chegada de Albuquerque à campanha dará à dupla uma nova chance de diálogo com o agronegócio, já que ele tem um histórico de negociações com representantes do setor produtivo.

Pouco antes do início da reunião que confirmou a nova chapa, Rands também refutou críticas que indicam a religião da candidata como uma possível dificuldade a ser superada na campanha. "Marina não é fundamentalista, é uma personalidade internacional. Ela já disse que a concepção dela é de Estado laico, então, não há qualquer risco de intolerância."

Processo de consultas

Eduardo Campos Beisetzung 17.8.2014

Viúva Renata Campos (centro) não aceitou convite para ser candidata à vice

Ao longo da semana, diversas reuniões entre integrantes da cúpula do PSB e representantes dos outros partidos tentavam construir consenso para formação na nova chapa. Na última segunda-feira, no Recife, o PSB fez a primeira reunião após a morte de Campos. Com a participação de militantes e da viúva do ex-candidato, consolidava-se o processo de consultas.

Servidora concursada do Tribunal de Contas de Pernambuco, Renata Campos, que é economista como o ex-marido, chegou a ser cotada para vice. Filiada ao PSB há mais de 20 anos e parte integrante de todas as campanhas das quais Campos participou, ela não aceitou o convite. Ela decidiu ficar em Pernambuco para participar mais ativamente da campanha, onde o PSB enfrenta baixos índices de intenção de voto do candidato ao governo.

Beto Albuquerque: representação de Campos

Segundo o presidente do PSB, Roberto Amaral, o novo candidato a vice-presidente possui as características apontadas por ele como essenciais: "alguém que represente o partido, que seja orgânico, com o qual a militância se identifique e que seja integrado ao projeto Eduardo Campos".

Deputado Federal pelo Rio grande do Sul, Albuquerque também ocupa o posto de líder do PSB na Câmara dos Deputados. O candidato a vice de Marina é advogado e concorreu ao primeiro cargo eletivo em 1990m, já pelo PSB, quando foi eleito deputado estadual. Chegou a Brasília oito anos depois e, desde então, atua como deputado na Câmara federal.

Entre 2007 e 2010, foi membro titular do Parlamento do Mercosul. Eleito com mais de 200 mil votos para o quarto mandato na Câmara, Albuquerque chegou a se licenciar para atuar como Secretário de Infraestrutura e Logística no governo do Rio Grande do Sul, mas reassumiu o mandato de parlamentar em 2012.

Leia mais