Canadá evacua campos petrolíferos por causa de incêndio | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Canadá evacua campos petrolíferos por causa de incêndio

Autoridades ordenam retirada de 8 mil trabalhadores de petrolíferas ao norte da cidade de Fort McMurray, que já foi totalmente evacuada. Chamas consomem 285 mil hectares.

Assistir ao vídeo 01:15
Ao vivo agora
01:15 min

Veja imagens da "cidade fantasma" canadense

Cerca de 8 mil trabalhadores receberam na noite desta segunda-feira (16/05) ordens para evacuar campos de petróleo ao norte da cidade de Fort McMurray, na região atingida pelo incêndio na província de Alberta, no Canadá.

A zona de evacuação obrigatória foi estendida para 50 quilômetros ao norte de Fort McMurray, cujos 80 mil habitantes estão há mais de duas semanas afastados de suas casas. As chamas já consumiram 285 mil hectares na região.

A Suncor, uma das maiores empresas que atuam nas chamadas areias betuminosas, afirmou em comunicado que iniciou um "fechamento gradual e ordenado" de sua base de operações. Os funcionários estão sendo transportados para outros campos, localizados mais ao norte. Segundo a petrolífera, não haviam sido registrados danos em sua infraestrutura.

Aproximadamente 1 milhão de barris de petróleo bruto por dia deixaram de ser produzidos na região nas últimas duas semanas, devido às precauções tomadas após as chamas se alastrarem sem controle.

O fogo destruiu mais de 2,4 mil prédios em Fort McMurray, apesar de os bombeiros conseguirem salvar a infraestrutura essencial da cidade, como o hospital, a usina de tratamento de água e o aeroporto.

As equipes continuavam a combater as chamas nos limites da cidade, enquanto o fogo se alastrava fora de controle na floresta. O trabalho dos bombeiros se torna ainda mais complicado em razão do tempo seco e do calor.

As autoridades disseram que a qualidade do ar em Fort McMurray é perigosamente baixa. Os índices de avaliação variam normalmente de um a dez, sendo o último a pior avaliação. Nesta segunda-feira, porém, os registros chegaram a 38, o que impede o retorno dos habitantes às suas casas.

RC/ap/afp/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados