Campeão mundial derrota campeão europeu | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 16.06.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Campeão mundial derrota campeão europeu

Brasil ganha com tranqüilidade da Grécia por 3 a 0 na Copa das Confederações. "Quarteto mágico" funciona e marca dois dos três golaços da vitória brasileira. México derrota Japão de Zico por 2 a 1.

default

Adriano (e) abriu o placar com um golaço da intermediária

Com três golaços, dois do "quarteto mágico", o Brasil desencantou a Grécia, campeã da Eucopa 2004, no jogo de estréia pelo grupo B da Copa das Confederações, nesta quinta-feira (16/06), em Leipzig. Os 44 mil torcedores no Zentrastadion viram um jogo com brilho técnico do atual campeão da América do Sul e do Mundo. No final, a partida parecia um treino para a seleção canarinho.

2. Spieltag Confederations Cup 2005: Brasilien - Griechenland, Trainer der griechischen Mannschaft Rehagel

Técnico Otto Rehhagel, campeão europeu com a Grécia em 2004, teve de se curvar diante da superioridade do Brasil

"A vitória brasileira foi justa. Para ganhar de um time como esse, nós temos que jogar 110%, mas não passamos dos 80%", admitiu o técnico da Grécia, o alemão Otto Rehhagel. "O importante foi iniciar o torneio com uma vitória", disse o técnico brasileiro, Carlos Alberto Parreira. "Jogamos bem melhor do que nas últimas partidas", disse Robinho, que foi eleito melhor jogador em campo.

O resultado de 3 a 0 sobre a Grécia significou uma reabilitação para o Brasil (depois da derrota de 3 a 1 para a Argentina nas Eliminatórias) e firmou o esquema tático de Parreira, com Ronaldinho, Kaká, Robinho e Adriano no ataque. O chamado "quarteto mágico" funcionou e marcou dois dos três gols (Adriano e Robinho). O Brasil igualou em três pontos no grupo B com México, que nesta quinta venceu por 2 a 1 o Japão treinado por Zico.

O jogo

O Brasil pressionou a Grécia desde os primeiros minutos, mas como ocorrera com outras seleções na Eurocopa 2004, não conseguia contornar a muralha da retranca grega. Os campeões europeus comandados pelo técnico alemão Otto Rehhagel tentavam sua sorte nos contra-ataques. Com bom toque de bola, porém, o Brasil ameaçava mais o adversário.

Os primeiros lances de perigo para a meta do goleiro Nikopolidis partiram dos pés de Robinho, que arriscou chutes de longe, aos 16 e 18 minutos da primeira etapa. Depois disso, o helenos quase neutralizaram os canarinhos e até tentaram armar algumas jogadas de ataque, com cruzamentos para a área – o forte do time. Mas a defesa "alemã" do Brasil – Lúcio, Roque Júnior (capitão) e Zé Roberto – estava bem posicionada. Somente aos 30min, Kirjakos pôde cabecear com perigo para o gol de Dida.

Depois de meia hora de jogo, o Brasil acelerou o ritmo e assumiu definitivamente o domínio de campo, insistindo nos tiros de longa distância como remédio contra a experiente defesa grega. Foi assim aos 32min, quando Robinho bateu para fora, e aos 35min, quando Kaká chutou forte e Nikopolidis colocou para escanteio .

2. Spieltag Confederations Cup 2005: Brasilien - Griechenland, 2. Tor für Brasilien erzielt durch Robinho

Robinho (e) marca o segundo gol do Brasil em Leipzig

Aos 41 minutos, esta estratégia vingou: Kaká lançou Adriano, que driblou Kirjakos e, da intermediária, mandou uma bomba com o pé esquerdo, sem chances para o goleiro grego. Pouco antes do intervalo, a Grécia quase ainda empatou, quando Charisteas aproveitou de primeira um cruzamento de Seitarides pela direita e a bola tocou na rede pelo lado de fora.

Rahhagel trouxe dois reforços – Papadopoulos e Vyntra – para a segunda etapa, o que não impressionou a seleção de Parreira, que voltou inspirada da pausa. A 1min do segundo tempo, Gilberto, do Hertha Berlim, fez bela jogada pela esquerda, cruzou rasteiro na área e encontrou Robinho que só teve o trabalho de tocar para o fundo das redes, ampliando o marcador para 2 a 0.

Às essas alturas, os gregos estavam visivelmente chocados com a superioridade brasileira. A vantagem no placar trouxe mais tranqüilidade ao Brasil, que envolveu o adversário, enquantoa a torcida brasileira fazia a festa no estádio.

Aos 25min, dando continuidade aos testes na equipe que deverá ir à Copa 2006, Parreira substituiu Ronaldinho e Adriano, por Renato e Ricardo Oliveira. Pouco depois, trouxe Juninho Pernambucano para o lugar de Kaká, num sinal de que queria poupar jogadores para os próximos jogos.

Nos últimos 20 minutos de jogo, a Grécia simplesmente se entregou à sina de não poder superar o campeão mundial. A seleção brasileira passou a jogar em ritmo de treino e, aos 36min, Juninho ainda ampliou o resultado para 3 a 0, numa cobrança de falta perfeita da entrada da área, selando a vitória tranqüila do Brasil em sua estréia na Copa da Confederações.

As equipes do grupo B voltam a jogar no domingo, quando a Grécia enfrenta o Japão, em Frankfurt, e o Brasil joga contra o México em Hannover.

BRASIL 3 x 0 GRÉCIA

Brasil

Dida; Cicinho, Lúcio,; Emerson, Zé Roberto; Kaká (Juninho), Ronaldinho Gaúcho (Renato), Robinho, Adriano (Ricardo Oliveira)

Técnico: Carlos Alberto Parreira

Grécia

Nikopolidis; Katsouranis, Seitaridis (Vyntra), Kirjakos, Goumas; Bassinas, Zagorakis, Karagounis, Giannakopoulos; Vryzas (Papadopoulos), Charisteas

Técnico: Otto Rehhagel

Data : 16/06/2005

Local : Zentralstadion em Leipzig

Árbitro : Lubos Michel (Eslováquia)
Público: 42.506

Cartões amarelos : Gilberto (B) e Kirjakos (G)

Gols : Adriano (B), aos 41min do 1T , Robinho (B), a 1min do ST; Juninho (B), aos 36min do 2T

Leia mais