Campanha de Meirelles pede ao TSE rejeição da candidatura de Alckmin | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

Campanha de Meirelles pede ao TSE rejeição da candidatura de Alckmin

Advogados do MDB apontam irregularidades em atas de partidos que compõem coligação do tucano. Ex-governador classifica pedido como "absurdo”.

Candidato à Presidência Geraldo Alckmin

"A ação no TSE é totalmente absurda. Isso é tapetão puro”, disse candidato do PSDB Geraldo Alckmin

A campanha do candidato Henrique Meirelles (MDB) pediu na noite de sexta-feira (17/08) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que rejeite o registo da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB). No pedido, os advogados de Meirelles apontaram que encontraram irregularidades nas atas das convenções de seis partidos que compõem a coligação do tucano.

Segundo o pedido, o PTB, PP, PR, DEM, PRB e SD – siglas do chamado "centrão” – não apontaram de maneira explícita, nos documentos entregues ao TSE, que concordam com a participação de todas as legendas na mesma coligação.

A coligação de Alckmin conta com um total de oito partidos e tem o maior tempo de propaganda eleitoral no rádio e na TV – 44% do total disponibilizados para os candidatos à Presidência. A campanha de Meirelles aponta que, caso o pedido de rejeição seja aceito, o tempo deve ser repartido entre os candidatos restantes.

A campanha de Meirelles também sugere que, se a candidatura de Alckmin não for rejeitada, o TSE pelo menos retire os seis partidos da aliança do tucano. Sexta-feira foi o último dia possível para contestar a candidatura de Alckmin, que pediu registro junto ao TSE no dia 13 de agosto. O prazo para pedidos de impugnação é de cinco dias a partir do registro.

Neste sábado (18/08), Alckmin classificou o pedido do MDB como "tapetão duro”. "A ação no TSE é totalmente absurda. Não há nenhuma divergência. Isso é tapetão puro. Eu estive na coligação, estive em todas as convenções. Eu fui lá. Fui anunciado, comemorado, foi feita a comemoração, agradeci ao apoio. Não tem o menor sentido querer fraudar a vontade do partido político na aliança", disse o tucano.

Caberá ao ministro do TSE Tarcísio Vieira analisar o pedido da campanha de Meirelles.

Candidato oficialmente apoiado pelo presidente Michel Temer, o emedebista Meirelles segue por enquanto com 1% dos votos nas pesquisas. Na quinta-feira, Temer elogiou Alckmin em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo e sugeriu que o tucano pode representar uma continuidade do seu governo. Neste sábado, Alckmin também rejeitou as falas de Temer e disse que não conta com nenhum apoio do presidente.

"Não tem apoio nenhum. O Temer nem gosta de mim. Quando houve a ação para investigá-lo, a bancada inteira de São Paulo votou pela investigação", disse. 

JPS/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp

 | App | Instagram | Newsletter

Leia mais